O Tao do Reiki

Descobrir, Desenvolver e Crescer com Reiki

Category: Tratamentos de Reiki (Page 1 of 14)

Porque podemos bocejar na prática de Reiki

Já aconteceu estares a praticar Reiki e teres vontade de bocejar e por vezes mais do que uma vez?

O bocejar pode ser um movimento associado ao sono, mas também uma forma de nos mantermos num estado vigilante, evitando adormecer. Mas porque pode acontecer na prática de Reiki?

O bocejar na prática de Reiki

Ao fazer o autotratamento Reiki, a energia ajuda-nos a relaxar, a encontrar o equilíbrio e harmonia do corpo e da mente. Muitas vezes, ao aplicar Reiki durante a noite, adormecemos ainda no meio do autotratamento e isso nada tem de incorrecto. Poderás nestes casos bocejar porque tens sono, porque estás a relaxar profundamente, por isso, não te preocupes, adormece e descansa.

No entanto, se estiveres a fazer Reiki a outra pessoa, principalmente nesses casos, mas também poderá acontecer contigo mesmo, podes estar a ter uma reacção natural de limpeza da energia densa que possas estar a tratar.

Este é um acontecimento muito simples da energia e da interacção energética. Quando estás a tratar outra pessoa, a energia parece algo como “cotão” a sair da pessoa e esse cotão pode entrar em contacto contigo, o que é normal. Sendo absorvido pelo plexo solar, é muito normal que haja a necessidade de expelir essa energia, o que pode acontecer pelo bocejo ou com o arrotar.

Como qualquer uma das situações pode até ser estranha para a pessoa que está a receber Reiki, é aconselhável a que aumentes o teu enraizamento e deixes esse excesso de energia descer pelo enraizamento. Não te esqueças de reforçar o movimento com a respiração.

O mesmo tipo de conceito, podes aplicar no autotratamento. Poderás sentir a tua energia densa a libertar-se e pode dar-se o movimento do bocejo. Aumenta o enraizamento quando assim for.

Dores de cabeça no autotratamento Reiki

Ao fazeres o autotratamento Reiki poderás em algumas situações ficar com dores de cabeça. Não te preocupes que não é nada de extraordinário nem indica que estás a fazer mal a prática, há apenas que trabalhar algum bloqueio presente.

O autotratamento Reiki e o surgimento de dores de cabeça

Uma das razões de se fazer o autotratamento é proporcionar equilíbrio e harmonia ao nosso corpo. Então porque razão alguma vez ficaríamos com dores de cabeça, ao aplicar Reiki?

O nosso corpo é permeado por muitos canais energéticos, por fluxos ascendentes e descendentes. Quando existe um bloqueio, a energia fica estagnada e poderá criar uma espécie de inflamação, que se torna mais evidente quando Reiki flui. As dores de cabeça que surgem são uma indicação dessa inflamação, desse bloqueio e Reiki está a trabalhar para desbloquear essa parte. Claro que ninguém quer fazer Reiki com dores de cabeça, por isso mesmo, podemos antes considerar formas mais simples do que apenas estar a aplicar Reiki continuamente no mesmo local, até aliviar.

Verifica se o chakra da coroa ou laringeo não estão bloqueados.

O não fluir da energia pode vir do bloqueio de um destes chakras, então experimenta o seguinte:

  1. Coloca a mão esquerda no chakra cardíaco e a mão direita no chakra laringeo;
  2. Deixa fluir Reiki durante algum tempo, até visualizando a energia a ir no sentido descendente, da cabeça para os pés;
  3. Depois, coloca a mão direita na coroa e visualiza o mesmo.

Como te sentes?

Verifica se o enraizamento está a fluir

Poderá haver problema no chakra raiz e na ligação com a energia da Terra, por isso mesmo, faz o seguinte:

  • Aplica o tratamento ao chakra raiz;
  • Depois joelhos, depois pés;
  • Experimenta agora fazer na cabeça.

Como te sentes?

A prática de Reiki pede-nos também este sentir interior – o que está bloqueado em mim e como?

É por isso que é um método excelente e vale a pena praticar.

Ajudar na recuperação com Reiki no pós operatório

Se fizeste uma cirurgia ou conheces alguém que a tenha realizado, podes auxiliar a recuperação com Reiki no pós operatório. Verifica com o médico ou enfermeiras os cuidados a ter com a parte do corpo onde foi realizada a cirurgia e o quais poderão ser as reacções naturais do corpo para a sua recuperação natural.

Reiki no pós operatório

A aplicação de Reiki, a energia vital que nos permeia, pode ser benéfica nas situações de pós operatório, porque de uma forma natural, irá auxiliar o corpo na sua autoregeneração, no equilíbrio e harmonia a todos os níveis, mesmo mental e emocional, que são muito necessários para que não sofra stress, representando mais esforço e mais limitações para a sua autocura.

Vamos imaginar uma situação onde há a reconstrução de um umbigo, por exemplo. A aplicação de Reiki no pós operatório poderá ser feito, de uma forma muito natural no próprio local. Mas vamos ver alguns pontos a ter em atenção que poderão auxiliar num tratamento e recuperação mais eficaz:

  1. Recolha de informação sobre como o corpo deve recuperar e o que deve acontecer, pois isto irá auxiliar no uso da intenção e até no entendimento de todo o processo de recuperação;
  2. Aplicar o byosen nessa parte do corpo e nas regiões mais próximas, para compreender a irradiação da energia dessas zonas, entendendo melhor como pode ser tratado;
  3. Limpar qualquer tipo de energia dissonante que se sinta com o byosen, antes de fazer a aplicação;
  4. Aplicar Reiki com as mãos das extremidades para o centro, tendo em conta que no pós operatório será melhor não colocar as mãos em contacto com a zona tratada, por isso, se quiseres, afasta ligeiramente do corpo;
  5. Se tiveres o segundo nível de Reiki, poderás usar também o Seiheki para te auxiliar a limpar a zona, energeticamente, e a harmonizar o corpo;
  6. Se sentes que a cirurgia foi algo de traumatizante para ti, há que enviar Reiki para essa situação,  para que essa energia não te dificulte o tratamento e recuperação natural do corpo;
  7. Aplica Reiki de forma consistente e, de preferência, se a recuperação for longa, pede para alguém te aplicar Reiki.

 

A doença crónica e os benefícios da prática de Reiki – Entrevista

Reiki pode auxiliar as pessoas com doença crónica, na redução da sua dor e também no alívio do stress, ansiedade, assim como na sua própria percepção como pessoa. Este artigo é a resposta a questões por parte de um trabalho da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Portalegre.

Pelo Conselho Integrativo,
João Magalhães

O efeito do Reiki em pessoas com doença crónica

Quando é que o Reiki chegou a Portugal?

Temos conhecimento de que a prática chegou a Portugal por volta do início dos anos oitenta, tendo sido convidado um Mestre canadiano para vir dar um curso e depois tendo proliferado com outros Mestres oriundos da Áustria e Brasil.

Em que consiste o Reiki?

Precisamos distinguir Reiki, a energia de Reiki, o método.

O método chama-se Usui Reiki Ryoho, Método de Cura Natural através da Energia Reiki de Usui, criado em 1922, no Japão por Mikao Usui. É uma prática terapêutica natural para a pessoa e para outros, é uma filosofia de vida assente em cinco princípios.

A energia Reiki é o nome que o Mestre Usui deu à percepção que teve da energia que permeia todo o universo, toda a vida, que tudo anima, é uma energia vital universal, que em japonês se pode dar também o nome de Ki.

Qualquer pessoa pode exercer o Reiki ou é preciso uma formação específica?

Recomendamos vivamente que a pessoa tenha o nível 3 de Reiki, que haja pelo menos seis meses de formação em cada nível e muita muita prática diferenciada antes de se aventurar na prática profissional.

Quais são as hierarquias desta terapia?

Não existem bem hierarquias mas o Usui Reiki Ryoho é composto por Nível 1, para o próprio praticante; Nível 2, para o desenvolvimento do voluntariado; Nível 3, para desenvolvimento pessoal e profissional; Nível 3B, para ensinar a ensinar.

Há quanto tempo existe esta associação?

A Associação Portuguesa de Reiki – Monte Kurama, foi fundada a 2 de Outubro de 2008.

Em que consiste esta associação?

A sua fundação é baseada numa missão própria que envolve o esclarecimento sobre a prática, a uniformização do ensino e o apoio ao mesmo, participar no reconhecimento da prática de Reiki e promover a sua prática naqueles que mais necessitarem. Cumprimos também a missão que o Mestre Usui legou: “A missão do Usui Reiki Ryoho é guiar para uma vida pacífica e feliz, curar os outros, melhorar a sua felicidade e a nossa”.

Quantos terapeutas fazem parte da mesma?

Temos entre 1000 a 1200 associados, como aceitamos todos os níveis, podemos estimar que apenas 1/4 sejam terapeutas profissionais.

O que leva as pessoas a procurar o Reiki?

Uns procuram pela mudança na sua vida através de uma filosofia de vida e método terapêutico natural para si mesmos, outros porque procuram um método terapêutico a aplicar aos outros, isto no contexto de quem quer ser praticante. Para quem quer receber é sem dúvida para terem uma resposta natural e holística para a sua questão, como forma integrativa e complementar de poderem fazer o seu percurso terapêutico, reduzindo efeitos secundários de medicação ou de intervenções mais agressivas.

As pessoas que procuram o Reiki é mais a nível relaxamento ou a nível de cura?

Pelos contactos e partilhas que têm sido realizadas, existem de facto dois tipos:

  1. Os que participam em cursos, onde a maioria vai para aprender a gerir stress, ansiedade e cultivar uma filosofia de vida positiva;
  2. Os que participam em consultas de Reiki, onde há uma procura, em primeiro plano, de uma cura (sendo que Reiki não tem promessas de cura, por isso é um caminho terapêutico complementar) e depois também para relaxamento de situações de stress, não sendo equiparado aos efeitos de uma massagem física.

As pessoas que procuram a nível de cura quais são as patologias mais frequentes?

Principalmente oncologia, ansiedade, depressão e gravidez.

No caso de pessoas com doenças crónicas quais são os efeitos do Reiki nessas mesmas pessoas?

Já existem mesmo estudos feitos sobre o tema como “Os benefícios de Reiki em Seniores com Doença Crónica” quem indica, por exemplo “muitos participantes que indicavam sentir ansiedade, nervosismo e stress antes das sessões de Reiki, indicaram que após as sessões houve uma melhoria significativa nos sintomas…”.

De facto, receber Reiki regularmente proporciona uma melhoria do bem estar da pessoa a todos os níveis e um potencial alívio da sua dor, no entanto não substituindo qualquer terapêutica que esteja a ser aplicada.

Podemos encontrar sinais como:

  • Redução de fadiga;
  • Melhoria do sono;
  • Melhoria da sensação de dor;
  • Redução do stress e ansiedade;
  • Melhor autopercepção e capacidade de entendimento da sua condição;
  • Entre outras…

Quantas pessoas procuraram o reiki nos últimos anos a nível de cura?

É um número muito difícil de quantificar, mas podemos fazer uma estimativa ligeira através do voluntariado onde temos perto de 50 instituições e muito mais de 150 voluntários. Se estimarmos uma média semanal de apenas 50×8 utentes teremos 400. Em algumas iniciativas mensais chegamos a ter num só evento 40 pessoas para receber Reiki. Através destes pequenos números podemos constatar que existe procura, mas claro que não são números que se aproximem da acupuntura, por exemplo.

Como tratar o sentimento de Raiva com Reiki

A raiva é um veneno muito tóxico que corrói a paz de espírito e a nossa capacidade de conviver harmoniosamente em sociedade. Em casos extremos, a raiva torna-se não só autodestrutiva, mas também uma ameaça aos outros, então precisamos tratá-la logo desde início.

O tratamento da raiva com Reiki

São várias as razões do surgimento da raiva, dependem de pessoa para pessoa e das condições que tem em si:

  • Pressão contínua que vem do exterior;
  • Falta de autoestima, ou autoestima continuamente minada;
  • Esconder por demasiado tempo as emoções que sente;
  • Estar em contacto contínuo com situações que afectam a integridade ou estrutura central da personalidade;
  • Excesso de energia em desequilíbrio, sem escoamento;
  • Excesso de alimentação prejudicial à energia do fígado que causa saturação;
  • Entre muitas outras…

Observando algumas destas condições, como praticantes de Reiki, percebemos que devemos sempre ser capazes de comunicar, de saber expressar os sentimentos para libertarmos as emoções que temos retidas e que, muitas vezes, servem como um veneno que vai crescendo em nós.

Por outro lado, podemos ter condições exteriores que podem ser adversas a nós, mas que também nos trazem lições – o que precisamos aprender com estas situações para que no futuro elas não nos incomodem mais?

Sabemos que as situações tendem a repetir-se, que a fuga não é solução, então precisamos tomar consciência do que origina a nossa raiva – os cinco princípios de Reiki pode ser uma boa ferramenta auxiliar:

  • Só por hoje, sou calmo – que situações, o que sinto interiormente em mim, que faz ter raiva?
  • Confio – porque razão não tenho confiança em mim para lidar com as situações harmoniosamente, ou de que maneira o outro me fez perder a confiança nele?
  • Sou grato – que lições me trouxeram estas situações de raiva?
  • Trabalho honestamente – Será que comunico corretamente as minhas situações, será que falo comigo mesmo sobre o que me traz raiva, de que forma expresso na vida a raiva que sinto e se acho isso correcto?
  • Sou bondoso – De que forma poderei resolver esta raiva, sendo bondoso para comigo e para com todos os envolvidos?

A raiva é mesmo um veneno, tão grande que, por exemplo, no budismo, é considerado um dos três venenos causadores da destruição da pessoa. Por isso mesmo, não podemos suster em nós um carvão ardente como a raiva, porque nós é que ficaremos prejudicados e em sofrimento. Então como vamos tratar esta situação com Reiki?

  • Autotratamento – realiza durante cinco dias seguidos o autotratamento com a intenção de poderes harmonizar a tua raiva e presta atenção às emoções que surgem e às respostas do corpo;
  • Meditação – medita antes de realizares o autotratamento e até várias vezes por dia, realizando a técnica da respiração, o Joshin Kokyu Ho, libertando na tua expiração toda a dor e raiva que sintas, como se te fosses esvaziando;
  • Mudança de atitude – mudar a atitude é o mais correto para nós mesmos, podes fazer isso com uma técnica muito interessante, o Nentatsu. Visualiza-te a agir na situação sem raiva, coloca a mão esquerda na testa e a direita na nuca, deixa fluir energia.

A raiva não vale mesmo a pena, a saturação dessa energia dentro de ti poderá trazer doença, por isso mesmo, aplica Reiki e/ou procura um terapeuta de Reiki para te auxiliar.

Exemplo de tratamento de Reiki a pessoa com doença oncológica

Aplicar Reiki a uma pessoa com doença oncológica é uma prática de procedimento normal, mas com alguns pontos que devem ser tidos em consideração.

A prática de Reiki em pessoa com doença oncológica

Antes de mais é preciso tomar nota de alguns aspectos para estes casos de maior doença. A prática de Reiki é complementar e integrativa, em situação alguma a pessoa deve abandonar o tratamento médico qualificado e nenhum praticante de Reiki pode substituir o tratamento médico adequado à pessoa. O pressuposto do praticante que aplica Reiki à pessoa poderá variar com a consciência de cada um. Numa condição ideal, será o praticante experiente, com pelo menos o nível 3 de Reiki. No entanto, um praticante de nível 2, com experiência voluntária e boa consciência, poderá também fazer a aplicação de Reiki. Aos praticantes de nível 1, pede-se que apenas apliquem aos familiares e que peçam aconselhamento junto ao Mestre. Reiki apenas observa a pessoa sob a condição da energia, nunca do ponto de vista médico, quer físico, ou mental/emocional.

Situação na qual poderemos encontrar a pessoa com doença oncológica

A doença oncológica é extremamente agressiva e debilitante para a pessoa, o desequilíbrio e desarmonia que se instala nela é avassalador e poderá mesmo minar a força e positivismo interior que a pessoa anteriormente tinha. Assim, podemos encontrar uma pessoa:

  • Debilitada na sua condição física, tendo pouca força e vitalidade;
  • O corpo poderá estar em esforço para lidar com os tratamentos ao cancro;
  • Pode encontrar-se com problemas de digestão;
  • A mente pode encontrar-se confusa, desesperada e debilitada;
  • Pode ter muitos pensamentos, principalmente negativos;
  • Poderá começar ou estar a tomar anti-depressivos;
  • As suas emoções podem estar num processo mais negativo, perdendo a sua autoconfiança, autoestima e capacidade de gerir emocionalmente as situações com que se depara.

Quando aplicar Reiki e quem aplicará Reiki

Vamos supor que a pessoa terá sessões de tratamento químico de quinze em quinze dias, então a prática de Reiki poderá ser realizada antes e depois. Vamos considerar, por exemplo:

  • Tratamento de quimio feito à quarta-feira;
  • Tratamento de Reiki realizado à segunda-feira anterior, para tranquilizar e dar equilíbrio à mente/corpo;
  • Após a quimio, realizar novo tratamento de Reiki após dois dias, tendo assim tempo para o corpo absorver o tratamento químico, a pessoa ter descansado e o efeito de byosen não ser tão agressivo para o terapeuta.

Neste tipo de plano um a dois dias antes e dois dias depois, há uma aplicação regular, que poderá auxiliar a pessoa a estar em harmonia e equilíbrio. Mas este tipo de aplicação frequente traz duas questões:

  1. Se é pago ou por voluntariado;
  2. A disponibilidade e as condições energéticas do terapeuta/voluntário.

Geralmente os tratamento deste tipo de doença são prolongados, podendo chegar a um ano, ou mesmo um ano e meio de acompanhamento, que se for regular, torna-se muito exigente para o voluntário. Nestas circunstâncias, poderá ser considerado haver mais do que um voluntário para a mesma pessoa, no caso de não ter dinheiro para pagar a um terapeuta. Também a um voluntário há que ter em atenção o próprio dispêndio que ele possa estar a fazer por deslocações.

Por vezes são os próprios familiares a aplicar Reiki, mas como sugestão revezem-se com voluntários ou terapeutas, ou complementem o vosso trabalho com eles, partilhando a forma com que estão a fazer e a intenção que usam. É muito importante manter o equilíbrio emocional e energético, por isso, se és duplamente cuidador, tem isso em mente, para que possas continuar a auxiliar o teu familiar.

A aplicação de Reiki

Na aplicação de Reiki, podes realizar os tratamentos da seguinte forma:

  • Fazendo uma aplicação completa, frente e costas (se for possível para a pessoa);
  • Fazendo uma aplicação só nas posições que o terapeuta entender e que a pessoa indique necessitar mais.

Para esta aplicação, faz o uso da intenção, principalmente para aquilo que a pessoa necessitar, o que implica tu escutares o que ela tem a dizer sobre o seu estado. Podes sempre complementar com “para que seja para o seu equilíbrio e harmonia”. E a prática de desapego começa aqui.

Quando estiveres a deixar a energia fluir, presta bastante atenção ao byosen, ele irá indicar-te os pontos que estejam mais deficientes, mais necessitados de equilíbrio. Tem atenção para não deixares o byosen afectar a tua própria energia, por isso mantém bem o teu enraizamento e não te esqueças das técnicas de limpeza antes e depois. Remove o excesso e depois preenche até ficar harmonizado.

Lembra-te de promover a harmonia da pessoa, a sua paz interior e limpa também a aura dela.

Faz toda a energia fluir pelo corpo e “sair” pelas mãos e pés, criando assim um desbloqueio em todo o canal energético.

Se usares símbolos, vai com calma, não precisas nem deves fazer logo tudo na primeira sessão. Primeiro deixa a pessoa habituar-se à energia e à limpeza que irá fazer. Depois poderás enviar também Reiki para as situações que a pessoa manifeste como causas ou como preocupações que tenha.

Lembra-te que este é um trabalho de continuidade, de perseverança e de longo tempo. É um trabalho realizado por ti e pelo teu receptor.

A visualização criativa e palavras de poder

Uma das formas que podes ajudar a concentração na tua prática de Reiki é através da visualização criativa, ou seja, podes imaginar o fluxo da energia, limpando toda a energia da pessoa, revitalizando o seu corpo para se manter saudável e equilibrado, assim como a mente e o coração. Há quem goste de complementar estas práticas com a visualização de cores, podendo usar o verde (cor genérica para a cura e renovação), o violeta (transmutação) e ainda o branco ou dourado (pureza e iluminação). O uso da cor poderá ajudar no foco ao longo do tratamento.

Poderás também querer usar “palavras de poder”, a que geralmente se chama de mantras. Estas palavras, são as que entenderes, desde que sejam benéficas e te ajudem a manter o foco no tratamento.

Quer a visualização, que o uso de mantras, não fazem parte da prática de Reiki, mas são excelentes auxiliares na concentração.

Como lidar com o sofrimento da pessoa

O desapego é a tarefa mais árdua para o cuidador e para o terapeuta/voluntário. Desapego não significa estar frio ou desinteressado, muito pelo contrário, significa entendimento, compreensão e compaixão pela pessoa, pela situação e por si mesmo. Não é fácil praticar este desapego e muitas vezes torna-se impossível, o que trará inevitavelmente sofrimento. Mas precisamos fazer um esforço para compreender que precisamos estar bem para podermos ajudar melhor o outro, que precisamos cultivar atitudes positivas, para encorajar o outro e também saber partilhar a responsabilidade de cuidador com outros. Não querer ter a “ganância do querer fazer por bem“, é muito importante. Então lidar com o sofrimento da pessoa é também termos consciência do que fazemos e porque fazemos, da condição em que nos encontramos e no qual a pessoa se encontra. Este desapego é também saber procurar ajuda e aprendizagem sobre como lidar com a situação.

Como poderá a pessoa participar e praticar

A pessoa com doença oncológica pode também usufruir da prática de Reiki pelas seguintes formas:

  • Aprender Reiki e aplicar autotratamento;
  • Praticar os cinco princípios, auxiliando a manter-se calmo e positivo, sabendo lidar com as questões que lhe vão surgindo dia-a-dia;
  • Praticar as técnicas de meditação como a técnica de respiração, Joshin Kokyu Ho. A prática meditativa, pelo menos 15 a 30 minutos por dia ajuda a lidar com o stress, cansaço e ajuda a dormir melhor.

A atenção ao cuidador

A maior parte das vezes, perante uma doença grave, esquece-se do cuidador. O cuidador é aquele familiar que está mais próximo da pessoa, que está encarregue do seu cuidado no máximo tempo possível e como tal, tem um longo desafio pela frente. Na maior parte das vezes, a pessoa não tem a preparação anímica e mesmo técnica para ser um cuidador, podendo até passar de cuidador a cuidado, ou seja, poderá também ele ficar doente, em desequilíbrio e desarmonia, pelo desgaste pelo qual passou.

Assim, aqui ficam recomendações para quem seja cuidador e mesmo terapeuta, voluntário, que dedique muito tempo à mesma pessoa:

  • Ter em atenção ao tempo diário e saber reservar tempo para si mesmo;
  • Não perder noção de si mesmo e do seu estado de espírito;
  • Não perder contacto com amigos e conhecidos, manter também uma actividade social;
  • Observar os desequilíbrios que possam estar a surgir e pedir ajuda;
  • Manter uma alimentação cuidada e de alto valor energético/nutritivo;
  • Receber tratamento de Reiki regularmente, se possível até ao mesmo tempo que o familiar está a ser tratado.

É importante ter em mente que será sempre difícil passar pela situação, que outros que tenham passado pelo mesmo, não saberão o que o próprio está a passar e por isso mesmo é muito importante ter consciência do estado de fraqueza que possa estar a atravessar e assim saber pedir ajuda. Tratar de uma pessoa com doença oncológica é humano, é um dever, mas deve ser feito com toda a compaixão possível por todos.

Todos os envolvidos no processo de uma doença tão exigente quanto o cancro devem ser tratados e cuidados.

Contacta a Associação Portuguesa de Reiki para o email info@montekurama.org, ou então diretamente um dos seus núcleos regionais, para o caso de não poder haver deslocação à Amadora.

O que o utente pode fazer depois de uma consulta de Reiki

Uma consulta de Reiki é benéfica para o equilíbrio e harmonia da pessoa como um todo. Não é uma pílula milagrosa, nem uns passes misteriosos. Uma consulta de Reiki visa promover a homeostasia da pessoa, ou seja, o equilíbrio e harmonia de todo o sistema vivo. É aplicável em todas as condições e em todas as idades, porque Reiki enquanto terapia é apenas uma prática energética, nada tem a ver com a medicina, ou seja, o praticante de Reiki não é médico ou psicólogo, no entanto, é um especialista no campo da energia.

Dicas úteis para após uma consulta de Reiki

Após a tua consulta de Reiki, temos alguns aspectos que te poderão auxiliar a manter o equilíbrio ao longo de mais tempo. Estes são alguns exemplos:

  • Manter a temperatura corporal, pois geralmente a prática transmite uma sensação de calor, por isso mesmo, evitar frio e correntes de ar;
  • Não beber líquidos frios, apenas à temperatura ambiente ou de preferência mornos. A hidratação é também muito importante para o fluxo da energia e para a desintoxicação;
  • Ter em atenção para não repetir os mesmos hábitos que levaram ao desequilíbrio e desarmonia, que levaram à procura da consulta de Reiki;
  • Não ir para locais muito agitados, após a sessão, pois é importante manter a harmonia mental e emocional;
  • Não intoxicar o corpo com excesso de comida ou bebidas inebriantes.

Quanto tempo depois para ter uma nova consulta

A prática de Reiki não é assente em padrões ou aplicações rígidas porque depende de pessoa para pessoa. Como se trata o campo energético e este reflete-se na pessoa como um todo. Assim, uma nova consulta pode surgir uns dias depois, passado uma semana, quinze dias, um mês, ou até mesmo só quando a pessoa o sentir.

Se a situação se tratar de um desequilíbrio que afecte o campo emocional, que coloque a pessoa em baixo, então recomenda-se que após uma semana do primeiro tratamento, repita a sessão. O mesmo se poderá aplicar a questões que se manifestam no campo físico, tendo já acompanhamento médico. Este reforço em curto espaço de tempo ajudará o corpo a restaurar a sua energia vital e a reciclar energia que possa estar estagnada ou que seja um pouco mais densa.

Se se passar mais tempo e entretanto sentires que o desequilíbrio está a surgir novamente, então é mesmo altura de repetir a sessão, não deixes que se instale essa desarmonia.

Como vês, a prática de Reiki não tem regras para consultas de continuidade, depende muito da pessoa e também do compromisso que ela queira ter com o seu percurso terapêutico. Lembra-te que uma só consulta pode não ser suficiente para restaurar a tua harmonia.

Leitura recomendada

Para o terapeuta de Reiki, poderá ler sobre várias técnicas e aplicações, assim como conceitos de Reiki no livro Reiki Guia do Método de Cura. No caso de nunca ter praticado Reiki, pode ler mais sobre o método e filosofia de vida em O Grande Livro do Reiki.

Uma ferida é uma ferida – como tratar com Reiki a ferida emocional

Se te magoares com um prego, abres uma ferida. Essa ferida vai cicatrizar com tempo e com sorte, não deixará qualquer marca visível. Foi uma ferida que desapareceu.

A ferida e o seu entendimento pelo Reiki

Este caso que te apresentei parece simples. Como todas as coisas visíveis, elas parecem preto no branco, simples e inteligíveis, no entanto, há mais do que a simples aparência. A ferida que se abriu ela não esteve apenas à superfície, mas entrou dentro do corpo e, de certa forma, o nosso corpo é perfeito, ele autocura-se, mas não volta a ser o que era. Uma ferida aberta será sempre uma ferida, mesmo que pareça ter desaparecido.

O mesmo se passa com uma ferida emocional. Ela surge, faz os seus danos, aparentemente é sanada, mas nada volta a ser o que era.

Tendo isto em mente conseguimos ter um entendimento muito interessante, aplicável na terapia Reiki.

Por um lado, quando há um evento traumático, ele não será apagado, apenas poderá não ser lembrado. Esse evento permanecerá na nossa vida, fará parte dela, a diferença estará na forma como nós o compreendemos, aceitamos e resolvemos, assim também como nós lidaremos com futuros eventos deste género.

O tratamento de uma ferida emocional com Reiki

Observa a ferida e que condições a causaram. Observa o impacto profundo que essa ferida fez, energeticamente, na pessoa e como a afecta no seu dia-a-dia. É tudo isso que terás que tratar.

O tratamento de uma ferida emocional, não é simples, não é coisa de um dia ou de uma aplicação. É um trabalho prolongado que requer profundidade de entendimento, sensibilidade e também entrega do receptor ao trabalho que terá que fazer neste caminho terapêutico. E é este tipo de situações que nos traz grande entendimento sobre a prática de Reiki – requer empenho, saber, sensibilidade, entrega.

Trabalha não apenas os locais afectados energeticamente, mas também deves tratar as situações, quer passadas, quer presentes, afectadas pela sua causa.

Lembra-te, uma ferida será sempre uma ferida, apenas vamos saber viver com ela em harmonia e equilíbrio.

Observa a tua depressão com a tua prática de Reiki

Se és praticante de Reiki e estás num momento de depressão ou com sentimentos depressivos, além de consultares um especialista, observa também com a tua prática de Reiki o que se está a passar contigo.

A depressão e a prática de Reiki

O Usui Reiki Ryoho indica que a nossa mente e corpo necessitam estar em equilíbrio e harmonia, que se tal não acontece, surge a doença, o desequilíbrio energético. Para observares a tua depressão há algumas questões que podes aplicar a ti mesmo:

  • Quando comecei com este estado depressivo?
  • Em que altura da vida estava e o que aconteceu?
  • Onde em mim eu sentia mais falta de energia?
  • Porque perdi alegria e autoconfiança?
  • De que forma me aceito a mim mesmo para viver?
  • Costumo ter ansiedade?
  • O que me faz sair do meu centro e perder o equilíbrio?

Outro aspecto que te pode ajudar é a filosofia de vida:

  • Só por hoje – o que me tira do aqui e agora, de aproveitar o momento presente? Vou mais para o passado ou para o futuro?
  • Sou calmo – porque perco a minha harmonia?
  • Confio – de que forma perdi a confiança em mim e nos outros? Como a poderei recuperar?
  • Sou grato – o que aprendi com este estado presente?
  • Trabalho honestamente – em verdade, porque estou assim? O que eu quero realmente e não consigo alcançar? Será necessariamente importante?
  • Sou bondoso – de que forma sou bondoso para comigo? Devia ser mais? Como?

Observa ainda a tua parte energética:

  • Quais as partes do teu corpo que mais precisam de energia?
  • Consegues fazer bem o enraizamento?
  • Consegues entregar-te à técnica da respiração durante 15 minutos?
  • Consegues tratar, cuidar de ti durante pelo menos 30 minutos?

Aplica as técnicas de Reiki:

  • Com o teu autotratamento, experimenta ainda aplicar duas técnicas de Reiki, de forma sistemática, durante 21 dias:
    • Heso Chiryo, a técnica da desintoxicação, para te libertares do que achares que esteja a ser tóxico para ti;
    • Nentatsu, a técnica do pensamento positivo, para construires um pensamento positivo, um valor que te ajude a ultrapassar a questão que tens.

Não apliques estas técnicas sem o auxílio do teu Mestre de Reiki, consulta-o para definires melhor os teus objectivos e também para dares as respostas a estas questões.

E quando sentes as mãos a serem sugadas para dentro do corpo

Há percepções muito estranhas na nossa prática, assim como as mãos a serem sugadas para dentro do corpo quer em autotratamento ou mesmo em tratamento a outros. Estas são percepções que o byosen, a irradiação da energia da pessoa, nos dá quando há algo que seja mais profundo ou necessário para tratar.

A sensação das mãos serem sugadas para dentro do corpo

As sensações magnéticas podem sempre causar grande espanto e dúvida, pois tanto podem repelir, ou seja, uma vontade de afastar as mãos do corpo, como podem atrair e, de facto, na atracção podemos ter a sensação das mãos estarem a ser sugadas para dentro do corpo.

Pode também acontecer o praticante estar com as mãos afastadas do corpo, mesmo a alguma distância e ainda assim, sentir essa atracção levando as mãos a tocarem e continuando a sentir a necessidade de estarem ainda mais perto do corpo, como se tapassem algo ou tentassem ir ainda mais fundo.

A percepção pode surgir como necessidade de tapar, ou proteger algo, o que acontece muito frequentemente com o Plexo Solar.

Por outro lado, pode mesmo representar uma questão profunda ou uma ausência de energia grande, cujo fluxo a partir das mãos do praticante dá uma percepção de afundamento.

Se este tipo de percepção te acontecer, já sabes, não há nada que recear, nem é nada de estranho. Sente o que é realmente necessário tratar e o que a energia te pede.

Sentir o corpo a tremer na prática de Reiki

Já sentiste alguma vez o corpo a tremer durante a tua prática de Reiki ou alguém ficou com o corpo a tremer após uma sessão de Reiki? É uma sensação que pode ser explicada e o seu entendimento é muito construtivo, é um bom caminho para a autocompreensão e percepção da energia interior.

O corpo a tremer numa prática de Reiki

O nosso corpo é constituido por correntes energéticas, por fluxos que alimentam todas as partes do corpo, incluíndo os músculos.

Se estivermos muito tempo sem um fluxo correto de energia, então essas partes do corpo ficam como que vazias. Quando Reiki começa a circular pelo corpo, pode dar uma espécie de tremores, como se correntes de electricidade estivessem a fazer tudo mexer novamente. E é isso que a energia está a fazer, a normalizar a corrente energética até o corpo ficar em equilíbrio. Se tal for a situação, é possível que apenas uma sessão de Reiki não baste.

Outro aspecto que pode também fazer o corpo tremer é o frio interior que esteja alojado na pessoa. Este frio ao estar em contacto com a energia, pode dar mesmo vontade de tremer e a sua origem pode ser a falta de energia, o que é “perigoso”, ou então algum choque emocional que se tenha sofrido, mesmo com muito tempo.

Portanto não tenhas receio do corpo tremer na prática de Reiki, tenta sim compreender o que se passou:

  • Falta de energia?
  • Choque emocional?
  • Recuperação muscular?

Reiki, a energia universal, é incrível porque não faz milagres, apenas ajuda na homeostasia, no equilíbrio e harmonia de todos os nossos corpos.

Como desbloquear o chakra raiz com Reiki

O chakra raiz trabalha a energia da família, conceito de tribo, pertença, enraizamento, medos e é também aquele que nos proporciona a ligação à energia da Terra e também o escoamento da nossa energia para a Terra. Ele é a nossa base sagrada da vida e não lhe damos a devida atenção…

O desbloqueio do Chakra Raiz com a aplicação de Reiki

Muitas vezes andamos com a cabeça no ar, estamos desenraizados; Temos dores nas pernas, bacia ou essa parte do corpo fria, incluindo pés frios – a energia do chakra raiz não chega a essas partes. Então há algum desequilíbrio ou bloqueio que impede a geração e fluxo de energia pelo chakra raiz.

Para trabalharmos essas questões, primeiro temos que observar o próprio chakra – como ele está? Como está a sua energia? O que sentimos nele?

Precisamos limpar, tudo bem limpinho e depois carregar com muito Reiki, ou seja, aplicar Reiki até deixarmos de sentir necessidade de lá ter as mãos. Se surgirem situações que consideres estarem relacionadas com o chakra raiz, então toma nota delas para depois enviares Reiki.

Depois disso, observa cada articulação nas pernas e pés e como a energia flui até à Terra, de que forma é feito o enraizamento e quanto tempo ele aguenta?

Se houver bloqueio, podes experimentar o seguinte:

  • Coloca em cada articulação um Chokurei, começando pela anca;
  • Imagina que dessa articulação até à próxima, a energia se vai movendo;
  • Coloca um Chokurei nessa articulação a que chegaste e vai fazendo o mesmo até chegares à planta do pé e sentires a energia a fluir para a Terra.

Reiki para o reumatismo

O reumatismo ou as doenças reumáticas são muito comuns em Portugal, então vamos ver como poderemos aplicar Reiki para o reumatismo, de um ponto de vista energético.

Reiki para o reumatismo e doenças reumáticas

O reumatismo e as doenças reumáticas afectam o sistema músculo-esquelético, retirando qualidade de vida pelo desconforto e dor que causam. Este tipo de doenças, devem ser acompanhadas pelos médicos da especialidade, mas como nós através da energia observamos o reumatismo?

Na corrente energética que percorre a pessoa, existe uma espécie de infiltração de frio e humidade que está em si, que se foi acumulando ao longo do tempo e degenerando a capacidade de resistência do corpo a esta condição, causando o aparecimento das doenças reumáticas. Quando o corpo se encontra em fragilidade, calor e frio causarão sempre desconforto e apenas um ambiente controlado pode ajudar a pessoa a sentir-se com menos dores.

Do ponto de vista energético, temos que compreender melhor as condições da pessoa que a levaram a este estado. Terá sido imune ao frio durante muito tempo e desprotegeu-se durante anos? Será que emocionalmente teve várias situações que a enfraqueceram? Como está ao nível de alegria de vida, verdadeiramente e não apenas aparentemente? Em que locais as dores surgem e desde quando tal começou a acontecer? Que eventos surgiram na vida nessa altura?

Aplicar Reiki para o reumatismo

Este tipo de anamnese, que deve ser mais aprofundada, poderá auxiliar bastante no processo de entendimento da condição da pessoa, da causa do seu desequilíbrio no momento, além de ir auxiliar em muito a compreensão do byosen, ou seja da irradiação do desequilíbrio que ela apresenta.

Lembra-te sempre que cada caso é um caso, mas aqui ficam algumas dicas para ti:

  • Tenta sentir todo o percurso energético no corpo da pessoa, onde tem bloqueios?
  • Sente todas as articulações, o que acontece nelas e o que está a acontecer antes de se chegar à articulação afectada?
  • Como estão os órgãos principais – fígado, baço, rins?
  • Como está a sensibilidade ao calor e frio na pessoa?

A aplicação de Reiki terá que ir ao encontro de todas estas questões e o melhor truque que pode haver é sentir a energia e levar Reiki à desinflamação e movimentação da energia por todo o corpo da pessoa. Portanto, não existe propriamente um protocolo apropriado, mas sim uma análise profunda que tens que fazer, para depois aplicares ao encontro destas indicações que dei.

 

Sensação de peso no corpo ou leveza no corpo, após a prática de Reiki

Ao longo de uma sessão de Reiki ou no final da mesma, a pessoa pode sentir uma sensação de peso no corpo como se estivesse a afundar na marquesa. Será que é algo de estranho, com certeza que não.

O que é a sensação de peso no corpo ou leveza numa sessão de Reiki?

A aplicação de Reiki tem vários benefícios e um deles é o relaxamento.

Quando o corpo começa a relaxar o cérebro pode emitir vários tipos de sensações. Uns têm a sensação de peso no corpo, como se este se fosse afundar na marquesa. Esta sensação poderá ser aplicada a todo o corpo ou apenas a uma parte do mesmo.

Por outro lado o relaxamento poderá dar a sensação de leveza. Neste caso, a pessoa tem uma sensação de estar com o corpo muito muito leve, como se estivesse a levitar. Novamente, poderá acontecer em todo o corpo ou só uma parte. Por isso mesmo algumas pessoas relatam como se as suas pernas se levantassem ou os braços, sem no entanto se terem movido.

O que fazer nestes casos de sensação de peso ou leveza

Como são sensações nem sempre comuns, poderão assustar o receptor da sessão de Reiki. Para que ele não fique incomodado, o ideal é sempre pedires à pessoa para que esteja um pouco mais de tempo deitada, que vá inspirando e expirando mais profundamente e mexendo o corpo lentamente.

Desta forma, tudo retoma o seu funcionamento normal e em tranquilidade.

Três práticas para despertares a tua sensibilidade no Reiki

As grandes dificuldades que sentimos é como compreender ou mesmo despertar a sensibilidade para a energia. Um dos grandes truques é praticar, praticar, praticar.

A prática e o despertar da sensibilidade à energia Reiki

O byosen é a emanação, a irradiação do desequilíbrio energético na pessoa e a percepção que temos na mão, chama-se hibiki. Nem sempre é fácil compreender os vários tipos de byosen que a pessoa tem e a própria percepção pode ser alterada se a pessoa costumar ter um corpo frio.

A principal dificuldade vai colocar-se se o praticante apenas puder fazer o autotratamento e nunca tiver interacção com outros praticantes. É por isso mesmo que os cursos precisam ter acompanhamento e serem ao longo do tempo. Vamos então ver as três formas de despertar e compreender a sensibilidade à energia Reiki:

  1. Autotratamento – a prática de autotratamento permite compreender como está a energia em ti. Quanto mais praticares em ti, melhor também compreenderás os outros;
  2. Receber Reiki de outra pessoa – Quando recebes Reiki de um colega de curso ou de um terapeuta, tomas consciência da energia de uma outra forma. Mesmo que seja com um colega teu e mesmo que ele aplique da mesma forma que tu, as percepções serão sempre diferentes e isso ajudará até a compreenderes melhor como estás e de que forma funciona o fluxo da energia;
  3. Dar Reiki a outra pessoa – Quando aplicas Reiki a outra pessoa, até acontece algo de interessante no teu coração, por vezes faz-te sentir muito bem, porque isso é um acto de doação e esse mesmo acto traz-nos grande felicidade interior. Ao deixares fluir Reiki para outra pessoa, sentirás a energia nas tuas mãos também de forma diferente daquela que sentes em ti, mais ainda, sentirás necessidades de seguir o fluxo, de afastar as mãos ou aproximar. Tudo isso é a riqueza da prática.

As condições para a prática de Reiki

Para praticar, já sabes, aplica sempre os cinco princípios primeiro e faz as técnicas de limpeza. Para aplicares aos outros, lembra-te ainda do seguinte:

  • Nível 1 – só familiares próximos e amigos próximos;
  • Nível 2 – em voluntariado, com acompanhamento do Mestre;
  • Nível 3 – já prática profissional.

Vale mesmo a pena praticares o autotratamento, receberes Reiki dos teus colegas e aplicares Reiki a eles. Tudo isso irá ajudar-te a desenvolver a tua sensibilidade.

Page 1 of 14

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén