O Tao do Reiki

Descobrir, Desenvolver e Crescer com Reiki

Category: Reiki (Page 1 of 58)

Reiki & Yoga Prático #32

Já está nas bancas o novo número de Reiki & Yoga Prático, uma edição especial da Revista Zen.

Este número está dedicado a explorares o teu potencial para o novo ano dentro das várias áreas do desenvolvimento pessoal e espiritualidade, além de dos fortes pilares da revista – Reiki e Yoga.

Vale a pena leres e experimentares.

Muitos parabéns a toda a equipa zen que tanto trabalha para incentivar mais pessoas a alcançarem o seu equilíbrio e harmonia.

Quando um espaço suga a energia vital que temos

Nunca te aconteceu estares num espaço que parece que suga a tua energia vital? Poderá não ser alucinação e vamos ver como trabalhar esses aspectos.

O que poderá ser ou não de um espaço que suga a energia vital

Existem espaços naturalmente saudáveis e outros que parecem sempre trazer confusão ou falta de energia. Isso poderá acontecer pelo tipo de construção do espaço, pela organização do mesmo, pelo que está por baixo ou por cima do espaço e ainda pelas pessoas que o frequentam.

Quando estão reunidas condições negativas, então um espaço parece enfraquecer as pessoas que lá estão e quando queres alterar esse padrão, talvez por ser o teu local de trabalho, então terás que tentar perceber o que a energia te transmite.

Locais com muitas pessoas sempre a circular podem ser esgotantes, ou locais cujas pessoas estejam insatisfeitas, podem acumular essa energia e passam a ser locais tristes e dar a sensação que o espaço suga a energia vital da pessoa.

Então há dois aspectos a considerar:

  • As condições de construção, organização e localização do espaço;
  • As pessoas que o frequentam.

Tenta sentir o que a energia do espaço quer dizer, quando sentes que a tua energia vital está a ser sugada. Compreender o que se passa nesse momento será importante, porque irá ajudar a compreender o espaço envolvente, o que está a acontecer, assim como o que faz despoletar em ti esta falta de energia. Observa bem se é o plexo solar que fica afectado. Ele é o que gere as emoções e o teu poder pessoal, se houver desequilíbrio não conseguirás “recusar” essa invasão de energia.

Se tiveres o nível 2 de Reiki, será excelente, podes então limpar o espaço e ainda enviar Reiki para as situações. Muito possivelmente não conseguirás mudar grande coisa, porque muito não depende de ti, mas poderás ir melhorando gradualmente. A tua energia positiva, a tua atitude positiva irá ajudar, mas se te afundares na sensação de perda de energia, então tudo irá piorar. Tenta criar as melhores condições para ti e para todos os que estejam no espaço.

Experimenta também enviar Reiki para o espaço e para a Terra, no caso de sentires que o problema vem mesmo da localização. Tenta harmonizar todos os elementos.

Como limpar ou trazer boa energia para uma casa

Assim como devemos limpar fisicamente um espaço, também o devemos limpar ou trazer uma boa energia para uma casa. Este conceito de limpeza energética ou de trazer boa energia não tem nada de estranho, mas sim da necessidade que todos temos de ter um espaço acolhedor e revitalizante.

A aplicação de Reiki para limpar ou trazer boa energia para uma casa

Existem muitas formas de limpar, renovar, a energia de um espaço, por isso estas são apenas algumas das dicas possíveis.

Incenso e Seiheki

Um bom incenso ajuda sempre a mudar a energia de um espaço e como existe uma enorme diversidade, hoje em dia, tenta sentir aquele que se identifique melhor contigo e com o que pretendes alcançar. Podes usar Pau Santo, Incenso de massa indiano, Salvia, Incenso Mantram ou então até poderás antes usar a aromaterapia. O que é importante é não teres acenderes incenso que faça muito fumo. Lembra-te de depois arejares a casa.

Podes também limpar cada sala da casa usando a técnica de segundo nível de Reiki para a limpeza de espaços. Colocas um Seiheki em cada canto superior e um Chokurei ao centro. Podes fazê-lo com o pauzinho de incenso a queimar, o que te poderá auxiliar a lidar melhor com as energias do próprio espaço.

Se sentires que o espaço está um pouco pesado e se for a tua casa, porque não arranjares uma fonte de água? Ajuda também a renovar e reciclar a energia mais parada.

Meditação e visualização

Caso queiras, podes também usar as técnicas de visualização para limpar e trazer boa energia para a casa. Por exemplo, podes ir para o centro da casa, ou então mesmo num sítio onde te sintas confortável e podes realizar a seguinte meditação:

  1. Liga-te à energia e sente-a a fluir para a mente e coração;
  2. Sente que tipo de energia a casa precisa e observa se sentes que deve ser de alguma cor em especial;
  3. Sente essa cor a vir com a energia Reiki;
  4. Ao inspirares, trazes mais cor, mais energia;
  5. Ao expirares, deixas essa energia fluir para toda a casa;
  6. Se quiseres, vai visualizando divisória a divisória a preencher-se com energia;
  7. E também se quiseres, podes fazer esta meditação a andar, deslocando-te para cada divisão;
  8. Quando terminares, agradece.

Lembra-te que aplicar técnicas de limpeza em espaços, pode também ser muito exigente, por isso, nada melhor que depois tomares um bom banho revigorador.

A energia num espaço no caso de se ficar acamado

Se tens alguém acamado em casa, verifica as condições energéticas do espaço, para que a recuperação ou o estar possa ser feito nas melhores condições de equilíbrio e harmonia para todos.

Quando se fica acamado, a energia pode afectar o espaço onde se está

Quando uma pessoa fica acamada, a energia estagnada do seu desequilíbrio manifesta-se também no espaço envolvente. A energia tem um circuito que vai de dentro para fora. É como um pequeno remoinho, mas para fora, que se vai alastrando lentamente desde a sua localização no corpo para a aura e daí para o espaço envolvente. A sensação que se tem, quando se entra no quarto de alguém doente, acamado, poderá ser a de um espaço onde pouco ar circula, um pouco mais pesado que outras divisórias. Este é mesmo o efeito da energia estagnada de uma doença, parece parar o tempo e ocupar o espaço e densidade do ar.

O uso de Reiki

Uma das formas de poderes limpar este espaço é promover o arejamento do mesmo, a mudança dos objetos e claro, a prática de Reiki. Para estes espaços, não é recomendado o uso de incensos, a aromaterapia deve ser usada com muita atenção e até aconselhamento médico, pela inalação de vapores que poderá ser ou não prejudicial à condição da pessoa.

O uso da prática de Reiki poderá ser feito com o nível 2 de Reiki, usando a limpeza do espaço, principalmente com o Seiheki. O uso de uma fonte de água poderá também ser benéfico.

Também poderá ser enviado Reiki à distância para a pessoa e para a sua energia emanada, assim como para a energia que se vai estagnando na sala.

O uso de Cristais

No caso de gostar de cristais, poderão ser usados os seguintes, para a limpeza do espaço:

No caso de serem usados cristais, estes devem ser limpos regularmente.

Qualquer uma destas práticas requer à mesma que o quarto seja arejado constantemente.

Reiki e a mudança de trabalho

Se estás a pensar fazer uma mudança de trabalho e tens alguma dificuldade, podes trabalhar o aspecto energético da questão com a tua prática de Reiki.

Como preparar uma atitude para a mudança de trabalho com Reiki

Antes de mudares de trabalho, sentes uma necessidade, quando escutas essa necessidade e se ela faz parte do teu sentido de vida, então começa-se a formar uma urgência. A mudança faz sempre parte da nossa vida, mas há coisas que precisamos reflectir antes de uma mudança de trabalho ou de uma mudança de vida:

  • Porque vou mudar de vida ou de trabalho?
  • Terei resolvido tudo o que tinha a aprender e as situações a lidar com o emprego?
  • Sinto que tenho condições para uma mudança de trabalho ou ainda estou apenas a sentir que há essa necessidade?

Quando precisamos fazer a mudança de trabalho devemos contemplar estas três questões interiormente e refletir com elas em profundidade. Temos mesmo que perceber se fechamos em paz e harmonia um ciclo de vida, caso contrário, as questões a resolver sempre irão aparecer. Elas surgirão não para nos perturbar, mas sim para que possamos crescer na vida.

Quando tudo está resolvido, precisamos ter a consciência clara das condições que criamos para uma mudança de trabalho, principalmente se aquele que pretendemos inicialmente nos trará menos dinheiro. O importante não é quanto ganhamos, mas sim quanto gastamos. As condições são muito importantes, porque poucas condições levam à frustração e esta ao sofrimento.

Então como fazeres uma prática de Reiki para esta mudança de trabalho?

Cria um período de retiro interior. Ao longo deste tempo, por exemplo 10 ou 21 dias, pratica o seguinte:

  1. Meditação Joshin Kokyu Ho, todos os dias, para que a tua mente não sofra;
  2. Autotratamento, todos os dias, para que todos os corpos estejam em harmonia e te disciplines;
  3. Se houver necessidade, faz desintoxicação de alguma situação ou estado, pelo menos cinco dias;
  4. Aplica o nentatsu, para que possas reforçar a tua vivência e energia para essa mudança de trabalho ou de vida;
  5. Envia Reiki para a situação, não para forçar nada, mas sim como atitude positiva que tu geras na vida;
  6. Pratica o agradecimento por todas as coisas maravilhosas que chegam à tua vida, mesmo os desafios.

A atitude positiva na prática de reiki

Ter uma atitude positiva é muito importante em todos os campos da nossa vida e o mesmo se aplica também à prática de Reiki, quer ao fazer aos outros, quer a fazer o autotratamento, ou seja, o cuidado a nós mesmos.

A atitude positiva e como a adquirir e viver na prática de Reiki

Com a prática do Usui Reiki Ryoho, podes (deves) desenvolver uma atitude positiva na vida. Esta possibilidade e dever é o entendimento que a nossa vida deve mesmo trilhar um caminho pacífico e feliz, como o Mestre Usui indicava. Para o fazer, temos uma filosofia de vida que nos orienta e é indicada por cinco princípios:

  • Só por hoje, sou calmo – Em todas as coisas na vida, pretendo cultivar harmonia;
  • Confio – Aprendo a viver abertamente, compreendendo o que é confiar em mim mesmo e aprender a confiar nos outros, sabendo ser claro no que pretendo e sabendo procurar a clareza no que os outros pretendem;
  • Sou grato – Agradeço por todas as oportunidades, mesmo as mais duras;
  • Trabalho honestamente – Comunicarei sempre comigo mesmo e com os outros, serei diligente no que tenho a fazer;
  • Sou bondoso – A bondade faz gerar paz e felicidade, devo-o ser em primeiro lugar comigo mesmo para depois saber levar essa bondade aos outros.

Além dos cinco princípios, temos também os 125 poemas do Imperador Meiji, que nos auxiliam a refletir sobre as questões na vida e a forma de ter uma atitude positiva perante elas.

Os poemas do Imperador Meiji são apenas uma forma de reflexão, uma conexão com o universo e com a vida, uma perspetiva para as nossas situações. Quando temos este tipo de receptividade, quando escutamos e tentamos compreender, já estamos a gerar uma atitude positiva. Com ela, temos tudo para estar no bom caminho.

Como praticar com uma atitude positiva

Se estás na prática de Reiki é porque com toda a certeza queres mudar algo e para o fazer, precisas de cultivar uma atitude positiva. Isto quer dizer que é preciso teres essa semente no teu coração e na tua mente, para que quando a adversidade surge, como por exemplo, um autotratamento mais exigente, ou que faz surgir situações passadas, então tu saberás lidar com elas através da tua atitude positiva. Ou seja, colocas em prática os cinco princípios e sabes que precisas encarar com harmonia, confiança, gratidão, honestidade e muita bondade, todas essas situações, que sejam tuas internas, ou externas que surgem pela acção dos outros.

Pratica com um sorriso, não te deixes infectar por insatisfação ou desmotivação, pratica, pratica, pratica, cultiva em ti a atitude positiva de uma filosofia de vida.

Mantém a tua prática de autotratamento com regularidade, observa os teus pensamentos e emoções mais negativos e aplica a técnica Nentatsu para os tratares. A mudança do pensamento é muito importante para a ação correta.

Projeto Fotográfico Mãos Que Curam

Durante os próximos meses vamos fazer um projeto fotográfico com os alunos do CENIF, recolhendo imagens das suas mãos e um pequeno testemunho da sua vivência na prática de Reiki.

Mãos que curam

Através deste projecto fotográfico queremos captar a importância que Reiki tem na vida de muitos e diferentes praticantes, todos eles, o veículo da energia universal. É um projeto que pretende captar a singularidade que cada praticante tem e a sua vivência com Reiki.

Como fazer o autotratamento Reiki com os filhos

Se vais fazer o teu autotratamento Reiki e estás preocupado que os filhos te incomodem, não há problema algum… podes praticar com eles.

Estar com os filhos e ao mesmo tempo aplicar autotratamento Reiki

Por vezes colocamos demasiada rigidez onde ela não é necessária, ou preocupamo-nos tanto em não sermos interrompidos por outros que nos esquecemos que a nossa mente nos interrompe muito mais vezes e até de forma ainda mais inoportuna. Então como poderemos fazer o autotratamento estando os filhos por perto?

Se os pequenos mostram interesse em estar contigo, então isso é muito bom e podes fazer várias actividades bem divertidas e úteis com eles:

  1. Começa por explicar o que fazes e porque fazes, até mesmo quais os benefícios de eles também praticarem;
  2. Começa pelas técnicas de limpeza, façam todos em conjunto;
  3. Depois, passa para uma pequena meditação… explica como se faz a técnica da respiração, o Joshin Kokyu Ho;
  4. Recitem os cinco princípios, tu primeiro e eles repetem a seguir a ti;
  5. E agora é a altura de começar o autotratamento. Na tua primeira vez com eles, vê se realmente irão fazer todas as posições ou apenas algumas, podes começar só com o chakra cardíaco e o plexo solar;
  6. No final, agradeçam e recitem novamente os cinco princípios.

Como vês pode ser bastante fácil, não precisas fazer tudo ou até durante muito tempo. Explica-lhes os conceitos e vais ver que perceberão tudo muito bem e facilmente. Não te preocupes por ainda não terem sido sintonizados, eles irão trabalhar com energia à mesma.

Se eles se quiserem ir embora a meio, não há problema algum, deixa-os ir e eles também te irão deixar fazer a tua prática, compreendendo como é importante para ti.

Ultra Violeta é a cor para 2018

O Pantone Color Institute, um serviço de consultoria que dá uma previsão para a tendência da cor, para potenciar, através da psicologia da cor, a sua aplicação em design. Para este ano de 2018 o PCI indica o PANTONE 18-3838 Ultra Violet como a cor do ano.

Estamos a viver num tempo que requer a capacidade inventiva e imaginação. É este tipo de inspiração criativa que o Pantone 18-3838 Ultra Violet, um púrpura com base no azul, que leva a nossa consciência e potencial a um nível mais elevado. Desde explorar novas tecnologias e a grande galáxia, à expressão artística e reflexão espiritual, o intuitivo Ultra Violeta ilumina o caminho para o que está ainda para vir. – Laurie Pressman, Vice President of the Pantone Color Institute

Ultra Violeta – a cor para 2018

O Ultra Violeta é uma cor que faz lembrar o profundo do cosmos e o seu mistério, é a inspiração que nos faz sonhar. Simboliza a experimentação, o não conformismo, o desejo de uma marca única no mundo e levar as fronteiras aos limites através da criatividade.

Esta é uma cor muito boa para o coletivo, para as comunidade, para a meditação, para inspirar a elevação e gerar boas energias.


O Pantone 18-3838 Ultra Violeta é para nós, uma aproximação da cor do sétimo Chakra o Sahasrara, a ligação com o universo, a espiritualidade e a mais profunda cor para a cura espiritual e transmutação.

Limpar a energia dos alimentos com Reiki

Se vais a algum lado comer e achas que não te vai cair bem, podes limpar a energia dos alimentos com Reiki, de duas formas muito simples. Tudo tem uma energia, os alimentos e também quem prepara esses alimentos. Assim como os alimentos nos influenciam energeticamente, também o cozinheiro irá influenciar os alimentos que confecciona.

Como limpar a energia dos alimentos com Reiki

Por vezes é o cozinheiro que pode não estar bem humorado, ou o local que não aparenta boa energia, ou mesmo os alimentos que te trazem uma sensação estranha. Por alguma razão, tens mesmo que comer e não te podes ir embora. Então há algo que tu podes fazer para limpar a energia dos alimentos com Reiki. Para o fazeres, vais ter que trabalhar com a intenção.

Se tens o nível 1 de Reiki

Com o nível 1 de Reiki podes colocar as tuas mãos, ou apenas uma mão, por cima ou ao lado dos alimentos e pedir à energia para que limpe qualquer desequilíbrio que os alimentos possam ter ao nível energético. Deixa estar as mãos ou a mão durante algum tempo a fluir energia, aquele que tu aches apropriado.

Se tens o nível 2 ou 3

Podes desenhar ou visualizar o Seiheki, ou o Daikomyo e o Seiheki, colocando a intenção de purificar, limpar, toda a energia dos alimentos.

Lembra-te que apenas estás a trabalhar com a energia, se os alimentos estiverem mesmo estragados, ou se achares que te irão fazer mal, nem penses duas vezes – não os ingiras. Escuta o teu corpo, ele tem muita sabedoria e comunica com a tua intuição. Mais vale recusar, que depois tentar remediar.

Comer alimentos de boa qualidade energética é muito importante para nós. Confeccionar alimentos com boa disposição e boa energia, será muito importante para todos os que se alimentarem.

Quando praticar Yoga impede de praticar Reiki

Cada prática tem regras muito próprias e algumas práticas podem requerer uma exclusividade de empenho a partir de determinado estágio, nível de proficiência. É o que pode acontecer também entre práticas holísticas, energéticas e disciplinas com uma filosofia de vida própria.

Quando a prática de Reiki pode ser interdita por outra prática

Em primeiro lugar temos que a consciência de duas coisas:

  1. Cada tradição, cada método, disciplina, filosofia de vida, prática, tem regras próprias e quem se insere nelas deve ter a perfeita consciência das mesmas, do que pretende para a sua vida e de que forma vai encarar o seu futuro na nessas disciplinas, tendo em conta o que lhe trará e o que levará aos outros;
  2. A universalidade e coexistência pacífica são dois valores muito importantes para um interrelacionamento pacífico, harmonioso e construtivo para a humanidade.

Em algumas vertentes de Yoga, Chikung, Budismo, Catolicismo, Meditação, a prática de Reiki é proibida. A prática de Reiki é desaconselhada e a prática de Reiki é depreciada. Porque isto acontece?

Seguindo o primeiro ponto do qual tomamos consciência, cada uma dessas disciplinas ou religiões, tem todo o direito de indicar que apenas se deve seguir aquilo que acha ser o seu caminho. No entanto, observando o segundo ponto, não se compreende a necessidade de diminuir e prejudicar outras práticas ou caminhos de vida. Na verdade compreende-se esse comportamento social, porque quer se seja Religião, Método, Filosofia de Vida, Prática, ou Movimento Espiritual, quer-se que a atenção esteja apenas dedicada e entregue àquilo que se ensina.

Como deve reagir um praticante de Reiki quando lhe dizem que tudo o que aprendeu é mau?

Este tipo de confrontação de integridade é muito importante, ele traz-nos a capacidade de revisão, observando o que realmente podemos estar a seguir e o que fizemos até ao momento presente. Aqui estão algumas dicas para ti:

  1. Se o caminho que queres seguir, por exemplo, uma vertente de Yoga, te diz que não deves praticar Reiki e sentes que é esse o teu caminho, então não pratiques Reiki, não tem problema algum e deves fazer aquilo que sentes ser melhor para ti;
  2. Se tens dúvidas de que abandonar a prática de Reiki é realmente benéfico, mantém uma reflexão presente – o que te trouxe Reiki para a vida, o que levaste aos outros com a prática de Reiki?
  3. Se o que aprendes tem mérito e valor, porque diminuir ou mesmo dar um sentido negativo a uma prática que indica a sua missão como “Guia para uma vida feliz, curar os outros, melhorar a felicidade dos outros e de nós mesmos”?
  4. Será que quem diminui a prática de Reiki a aprendeu, se a aprendeu teve uma aprendizagem correta ou o momento de um dia?

E quando as energias não são compatíveis?

Algumas práticas alegam também que não há compatibilidade nas “energias” entre Reiki e outras. Acho mesmo que esta alegação até tem um sentido e uma verdade. Sim, há energias que não são compatíveis, mas nada tem a ver com Yoga ou Chi Kung e nessas incompatibilidade é que não nos devemos meter. No entanto, uma coisa é aquilo que cada um sente, outra é o que uma prática indica como regra. Se Prana não é compatível com Reiki, se Chi não é compatível com Reiki, então há que aceitar a regra que cada um coloca e optar por aquilo que realmente se quer.

O respeito pelas regras de cada instituição ou método é muito importante, é por isso mesmo que deves estar bem consciente do “contrato” que vais assinar em cada coisa que vais fazer.

Sobre a prática de Reiki, sobre o Usui Reiki Ryoho, não há proibições nem restrições, porque não tem a ver com religião, espiritualismos, seitas, ou grupos exclusivos. É sim um método que requer grande trabalho interior, fundamentado em cinco princípios, que pretende ajudar-te a desenvolver a consciência, num caminho para a felicidade e paz duradouras. Não há promessas de ser fácil, mas há sim toda a simplicidade de te convidar diariamente a praticar.

Se alguém te disser que não deves praticar Reiki, pensa com a tua mente e o teu coração. Observa realmente o que é o Usui Reiki Ryoho e então, fundamentado, faz a tua escolha. Eu acredito numa vida em que esse tipo de escolhas não faz parte de um processo evolutivo, que condicionalismos trazem outras coisas por trás, por isso mesmo se vê a questão que está a surgir agora com os gurus tibetanos e indianos, perante escândalos que nada têm a ver com práticas milenares. Por vezes não são as práticas que proíbem, são as pessoas que querem manter amarradas a si o culto.

O respeito entre práticas é muito importante, aprendermos coisas construtivas para melhorar a nossa vida e a vida dos outros também. Tudo feito em consciência e com valores universais ajuda a construir uma sociedade sem fronteiras.

Cuidado com o sal antes de praticares Reiki

Uma pitada de sal é a medida suficiente que pode trazer mais cor ao paladar, mas nem sempre nos ficamos por aí e os resultados para o nosso organismo não serão os melhores. Como pode o excesso de sal prejudicar a prática de Reiki?

O sal e a prática de Reiki

Felizmente vamos estando cada vez mais atentos à alimentação, mas mesmo assim, o sal está escondido em muitos produtos e acabamos por ingerir inadvertidamente.

Se tivermos muito sal no corpo, o coração terá que trabalhar mais, os rins também poderão ficar prejudicados, todo o corpo é obrigado a esforçar-se, a comprimir-se. Reiki necessita de espaço para veicular, necessita de condições apropriadas como o relaxamento do corpo. Em casos de haver uma grande necessidade de energia a passar, por exemplo quando estamos a tratar alguém que esteja muito desequilibrado ou com grandes quantidades de energia densa, o nosso coração também aumenta o seu ritmo, todo o corpo trabalha para que mais energia passe. Nessas condições, se o corpo já tiver que lidar com pressão interior e esforço, então as coisas podem tornar-se complicadas para o praticante de Reiki.

Ao estar a aplicar Reiki a outra pessoa, a energia que passa por si, irá também tratá-lo. Mais sede pode surgir, mais suor pode surgir e o praticante estará a fazer um dois em um – autotratamento e tratamento a outros.

Por isso, observa bem a tua alimentação, tendo cuidado de quando fores tratar outros teres ingerido o suficiente e não o excesso. Quanto mais equilibrado estiver o teu corpo, mais a energia fluirá por ti.

A harmonia é tão importante que vale a pena perseverar para que se mantenha

Imagina-te sentado num jardim. É uma tarde de inverno, um domingo, com o sol a aquecer-te suavemente. A ler tranquilamente bons ensinamentos, a apreciar a alegria e descanso dos que estão também no parque. Tudo parece apontar para um momento de harmonia e descanso.

Surgem duas novas pessoas, sentam-se na mesa do lado, colocam o cigarro mesmo ao meu lado e o vento encarrega-se do resto. A sua exaltação contra o comportamento dos outros é curioso, mas parecem estar contentes com o poderem estar onde estão.

A primeira emoção foi de incómodo e desagrado, de descontentamento. O pensamento foi de perseverança, de âncora no meu próprio bem-estar e aceitação do momento dos outros. Em breve foram-se embora e não passaram de uma lembrança fugaz. Eu mantive-me onde estava, a apreciar o que anteriormente estava a apreciar. O meu momento manteve-se.

A harmonia e o que os cinco princípios nos ensinam

Harmonia é um estado interior cujas condições são criadas por nós, interiormente, mas que podem também ser afectadas pelas condições exteriores. Claro que interiormente, se estivermos no mais absoluto estado de consciência, nada exterior perturba a nossa harmonia. Mas sabemos que a realidade está um pouco além do mais absoluto estado de consciência e que o caminho de nos tornarmos conscientes é longo e exigente.

Tendo isto em mente, sabemos que precisamos perseverar, tendo isto no coração, sabemos que não nos devemos apegar ao desejo ou unicamente ao momento presente ou futuro. Parece um contrassenso, mas de facto tanto temos que saber viver no momento presente como saber qual o nosso percurso e objetivo, tudo em certa medida.

Então como podemos conjugar os nossos cinco princípios para cultivarmos e nos mantermos em harmonia?

Só por hoje, sou calmo – O primeiro princípio pede-te para seres observador. Para encarares os teus pensamentos e emoções, não te deixando aprisionar por eles. A harmonia vem da calma da nossa atitude.

Confio – Acredita na tua capacidade de manter harmonia, acredita que vale a pena cultivar esse valor em ti mesmo. Acreditar é nutrir autoconfiança naquilo que é positivo em nós.

Sou grato – Observa as várias lições que o teu caminho pela harmonia te traz, aprende com elas e faz fortalecer a tua capacidade de gerar harmonia.

Trabalho honestamente – A honestidade é uma grande aliada da harmonia, é a compreensão correta do momento em que estás, do que estás a pensar, a sentir, e também a correta atitude a tomar em consciência, para que a harmonia se mantenha.

Sou bondoso – Bondade e harmonia estão interligadas, porque a bondade implica um desejo de harmonia, seja ela na forma que for, desde que seja para o Bem Maior de todos. A aplicação e desenvolvimento de atitudes bondosas, proporciona harmonia. Uma mente vazia, proporciona um coração compassivo.

Os cinco princípios podem também ser ferramentas na tua construção da harmonia, para que esta sempre possa perdurar em ti. Lembra-te das pequenas lições que vais aprendendo e tenta perseverar.

Reiki não é apenas sintonização

Quando descobres um curso de Reiki, poderás encontrar várias opções. Um dia de curso, um fim-de-semana, seis meses, uma vida. Tudo são opções que hoje em dia se encontram disponíveis em todo o lado, até mesmo no Japão. Mas porque existe então a diferença no tempo.

O tempo, a prática de Reiki e o que é Reiki

Em primeiro lugar temos que encarar este tema de forma simples, sem preconceitos ou prejuízos, apenas observar o que é, racionalizar, duvidar, sentir.

Reiki pode ter dois significados – A Energia Universal (ou Energia Espiritual Vital que permeia o Universo), ou também pode ser usado para representar o Usui Reiki Ryoho.

A Energia Universal já sabemos que é uma energia vital que está em todo o lado, o conceito mais aproximado é o Prana dos Hindus, que surge definido nos Vedas. Por outro lado o Usui Reiki Ryoho é o método criado pelo Mestre Usui, para trabalhar essa mesma energia, que se chama Reiki.

Sobre o que os alunos praticavam no tempo do Mestre Usui, temos a noção que aplicavam a energia em si e nos outros, que faziam vários atendimentos por dia, que entoavam os princípios e os poemas do Imperador Meiji, que meditavam. Era uma prática árdua, exigia tempo, exigia dedicação e também muito dinheiro para passar de nível. Por outro lado, para passarem de nível, tinham que ter proficiência e sabemos que um dos exames que era feito era o byosen, tinham que ter uma boa percepção da energia. Tinham que ser alunos meritórios.

Mesmo a Mestre Takata, que influenciou grandemente a nova vertente de Reiki no Ocidente, teve que ter uma aprendizagem ao longo do tempo e árdua na prática… além de bem dispendiosa ao ponto de ter vendido a casa quando fez o segundo nível, para continuar os ensinamentos do Mestre Hayashi.

Claro que os tempos são outros, tudo mais acessível, mas também tudo mais fugaz. Se desde o tempo iniciar Reiki fosse apenas receber a sintonização, processo pelo qual nós começamos a trabalhar com a energia dentro deste método, então o Mestre Usui não se teria dado ao trabalho de criar preceitos, de ter escolhido 125 poemas de milhares do Imperador Meiji, não nos teria dado 21 técnicas e formas de tratar o outro e nós mesmos, não nos teria colocado uma missão:
Reiki é muito mais que a sintonização e uma forma de verificares isso é questionando-te:

  • Consigo lembrar-me de todos os princípios?
  • Sei aplicá-los na minha vida e realmente proporciono a transformação em mim?
  • Aplico o autotratamento regularmente?
  • Conheço as minhas fragilidade e sei tratá-las?
  • Recebo Reiki de outras pessoas e comparo com a minha prática? Que aprendizagem tiro destas perspectivas?
  • Realizei voluntariado?
  • Sei aplicar todas as técnicas de Reiki em mim e nos outros?
  • Sei meditar e aplicar as técnicas de meditação?
  • Compreendo os valores profundos do Usui Reiki Ryoho?
  • Sei qual é a missão do Usui Reiki Ryoho e cumpro-a?
  • Pratico os símbolos de Reiki em mim? E nas situações?
  • Envio Reiki à distância?
  • Sei viver como um praticante de Reiki e compreendo o que isso significa?

Como vês, nem todas estas perguntas se referem à energia, mas sim a uma vivência e como a palavra o diz, para se viver é preciso viver, é preciso tempo e espaço. Ontem era criança e agia como criança, hoje sou adulto e ajo como adulto.

No final dos preceitos, o Mestre Usui indica “É para a melhoria do Corpo e da Mente”, por isso mesmo, tal como ele indicava “de manhã e à noite”, temos que praticar, precisamos de tempo e entrega.

Os cuidados de um mestre a ter com o sexo oposto

A grande maioria de praticantes de Reiki é do sexo feminino, podemos quase dizer que é algo à volta de 70% dos praticantes. Tendo em conta os preconceitos da cultura portuguesa, torna-se difícil o trabalho de um mestre de Reiki que seja do sexo oposto.

Os desafios e cuidados a ter de um mestre Reiki sobre os seus alunos

Deparamo-nos hoje com uma sociedade muito destruturada. Por um lado convivemos com valores milenares enraizados subconscientemente na cultura, por outro lado sofremos de aculturação e de uma mistura de culturas muitas vezes com atitudes, formas de estar, opostas às nossas, ainda tentamos lidar com a realidade que vivemos diariamente, que muitas vezes nada tem a ver com qualquer cultura e no meio disto tudo, tentamos manter-nos intactos e sãos. Por exemplo, ao nível cultural, temos pessoas de países mais quentes que são mais afáveis e tocam, temos pessoas de países mais frios, um pouco mais distantes e que não tocam, temos as excepções à regra, temos também religiões pelo meio. E como encontramos tudo isto num curso de Reiki?

Uma turma de Reiki pode ser constituída, com sorte, com metade homens, metade mulheres, em alguns casos, até mais homens que mulheres, mas em algumas circunstâncias temos só mulheres. Vamos então ver algumas situações que surgem e como lidar com elas.

  • Os abraços;
  • O vestuário;
  • A desconfiança do conjugue do aluno;
  • O próprio conjugue do mestre.

Os abraços e a prática de Reiki

Não sei como, mas foi-se adquirindo o hábito de dar muitos abraços nos cursos de Reiki.

De alguma forma, as pessoas dão abraços e se alguém vinha a mim para me dar um abraço eu respondia da mesma forma e dava-o, algo a que fui chamado à atenção para não fazer, num encontro em Delães, possivelmente em 2009/2010 e assim fui deixando de dar abraços. Nem sempre é contornável, pois há quem seja mais rápido que a nossa capacidade de reacção, mas o que decidi fazer foi dar abraços de lado ou não estar mesmo em contacto com a pessoa.

É uma decisão bastante desagradável, porque por um lado algumas pessoas sentem-se ofendidas, por outro dizem que não estou a ser aberto como devia ser na prática de Reiki, que nada tem a ver, mas muitas pessoas começam a compreender porque não dou abraços.

Existem vários problemas com os abraços, talvez não entre as pessoas, mas sim com quem está a observar:

  • O abraço a um pode ser mais prolongado que a outro e leva a pessoa a pensar em quem se gosta mais;
  • O abraço pode ter um contacto físico mais próximo e quem observa pode julgar ser outra coisa;
  • Até mesmo que vai abraçar pode ficar com outra intenção.

Claro que estou a dar perspectivas muito negativas, mas elas acontecem e por isso mesmo, nada como termos cuidado para evitar chatices desnecessárias. É pena pois muitas teorias surgem à volta do abraço como sendo curador, porque há pessoas que genuinamente sabemos que precisam de um abraço, porque há pessoas por quem temos profunda amizade e carinho, mas…

O vestuário

Felizmente ainda estamos num pais em que há uma certa liberdade no vestuário, no entanto, nas empresas existe um código de vestuário, mais ou menos explícito. No CENIF Amadora criamos um código de atitude perante o vestuário, que simplifica muito a nossa forma de estar e nos ajuda a cumprir a ética. Ele é:

  • Quem trouxer saias acima do joelho, não pode ficar de frente para mim, nem no ângulo de visão, em alternativa pode colocar uma manta;
  • Não são aconselháveis decotes acentuados, porque quando vão para marquesa, quem for tratar pode ficar num ângulo de visão mais evidente para alguma situação ética;
  • Ao praticar em marquesa, nas situações de saias mais curtas e decotes mais acentuados, usamos uma manta para tapar o corpo e assim não ter qualquer tipo de situação que outro pudesse considerar fora da ética da prática.

Ou seja, cada um pode vir vestido da forma como entender, mas na prática de Reiki, então adoptamos resoluções que nos evitam situações éticas. Não que elas surjam, mas o olhar do outro é sempre crítico.

Felizmente, no tempo quente, os alunos podem todos vir de calções.

Cinco formas de lidar com o conjugue do aluno

Por vezes surgem algumas questões com o conjugue, muito naturais. Por exemplo, o praticante felizmente tem muitas atividades para se desenvolver e então poderá estar menos tempo em casa, neste seu processo de crescimento, ou seja, começa a mudar o seu padrão o que poderá trazer desconfiança no conjugue. Por outro lado, começa a estar mais atento, consciente, começa a querer estar mais feliz e a distribuir essa felicidade, que poderá ser também uma mudança de padrão, o que pode trazer desconfiança.

De forma até cómica por vezes perguntam-se, “como sai tanta mulher feliz por estar uma hora e meia com um tipo gordo e careca?”. Bom, felizmente saem homens e mulheres felizes, fazem-no porque estiveram a praticar e isso tocou-os interiormente. Pela mesma razão, possivelmente o conjugue devia aprender para também alcançar o mesmo. O tempo perdido com questões que apenas cultivam venenos, tira anos de vida e felicidade, mais vale aprender Reiki.

Portanto, quando existe desconfiança porque não convidar o conjugue a ir assistir a uma aula? Muitos já foram e muitos também já se tornaram praticantes de Reiki. Aliás, uma prática consciente da filosofia de vida no Reiki ajuda na vivência do casal.

Mas temos cinco formas para lidar com estas situações, aplicando os cinco princípios. Aqui fica a sugestão para reflexão como casal:

  1. Só por hoje, sou calmo – Mas porque perdeste o teu equilíbrio, o que te tornou desconfortável?
  2. Confio – Porque perdeste a tua confiança em ti mesmo? E em mim?
  3. Sou grato – Que lições aprendemos com esta situação? Individuais e como casal?
  4. Trabalho honestamente – Estaremos a comunicar correctamente?
  5. Sou bondoso – Como podemos resolver esta situação de forma bondosa para ambos?

Nada melhor que o diálogo, no entanto, se o conjugue não conseguir escutar, nem conseguir sair desse processo, talvez seja melhor dares um tempo ao Reiki e irem a uma terapia de casal. Não é apenas desistir das coisas para satisfazer a insatisfação do outro, que sempre a terá, é sim irem aprender a crescer em conjunto e mudar o que há a mudar de ambos os lados.

Como lidar com o conjugue do próprio mestre

O próprio mestre poderá ter problemas em casa, porque se é homem e maior parte dos alunos for mulher, a própria esposa poderá sentir-se de alguma forma colocada em causa com tanta atenção que for dada a mulheres.

Se assim for e se a vivência em Reiki não for o suficiente para o entendimento, nada como a terapia de casal ou mesmo considerar mudar de profissão.

Este tipo de situações não surge apenas com Mestres que são do sexo masculino, o mesmo tipo de questões surge também com Mestres do sexo feminino.

A cultura portuguesa ainda está num caminho que necessita de muito crescimento e temos que, forçosamente, ir ao ritmo do mais lento. Felizmente temos os cinco princípios e a prova que Reiki é mesmo a Arte Secreta de Convidar a Felicidade. Podemos praticar, com ética e atenção, isso não nos impede de sermos compassivos e bons praticantes.

Como vês, ser Mestre de Reiki não é fácil.

Page 1 of 58

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén