O Tao do Reiki

Descobrir, Desenvolver e Crescer com Reiki

Categoria: Inspirador (Page 1 of 6)

Reiki sintoniza-nos com a vida

Se já te sentiste desligado com a vida, desconectado com tudo e com todos? Diz-se que Reiki também nos sintoniza com a vida, mas como o poderemos fazer de uma forma consciente?

A sintonização que Reiki nos traz com a vida

A sintonização com a vida significa a tua capacidade de sentires que estás no bom caminho, que pertences aqui e que tudo faz sentido. De facto, muitas coisas podem tirar-nos desta percepção, tais como as desilusões, a tristeza, a falta de amigos, a deslocação para uma terra nova, o stress quotidiano, a falta de amor, entre muitas mais…

Com a tua prática de Reiki podes encontrar essa sintonização de duas formas:

  1. Sentir a Energia Universal;
  2. Aplicar as técnicas de Reiki.

Sentir a Energia Universal para uma sintonia com a vida

O Mestre Usui dizia «Nós, humanos, detemos o Grande Reiki que preenche o Grande Universo. Quão mais alto elevarmos a vibração do nosso ser, mais forte o Reiki que temos, interiormente, será.»

Quanto mais sentires a Energia Universal, ou seja a energia vital que te rodeia, que está em todo o lado, mais em sintonia estarás com a vida. Este sentir não é o byosen, a percepção que temos nas mãos, mas sim um sentir interior, uma entrega, uma rendição que nos ensina… vale a pena confiar na vida.

Aplicar as técnicas de Reiki para encontrar o sentido da vida

As técnicas de Reiki podem também ajudar-te neste processo, ou seja o Usui Reiki Ryoho, o nosso método de Reiki é empoderador. Vamos ver de que forma podes aplicar as técnicas para te sentires cada vez mais em união com a vida:

  • Filosofia de vida – Pratica os cinco princípios diariamente e faz reflexão com os cinco princípios sobre os teus bloqueios, para que os possas compreender e desapegar. Observa também os poemas do Imperador Meiji.
  • Desintoxicar – Aplica a técnica do umbigo, o Heso Chiryo, pedindo à energia que te liberte dos pesos que entenderes precisar libertar;
  • Meditar – Medita pelo menos 15 minutos usando a técnica da respiração, o Joshin Kokyu Ho.

Observa o teu progresso com estas técnicas e conjuga-as com o teu autotratamento. Tenta compreender os teus bloqueios interiores e no fluxo de energia, para que melhor possas tratar. Lembra-te do que o Mestre Usui dizia sobre a nossa missão… “guiar para uma vida pacífica e feliz…”.

Acredita em ti e entrega-te.

Um exemplo de iluminação na vida comum

A partir de um determinado momento de consciência, todos procuramos a iluminação. Mas o que é a iluminação?

Mais uma vez, a nossa sociedade ocidental é desafiada com uma perspectiva oriental que nos pede um momento de compreensão transcendental e um acesso à paz e felicidade duradouras, a que no Reiki aplicamos o conceito de anshin ritsumei.

A iluminação num momento

Partilho contigo uma pequena história sobre a monja Chiyono também conhecida no Japão por Mugai Nyodai, a primeira mulher mestre Zen.

A monja Chiyono estudou durante anos, mas não foi capaz de encontrar a iluminação. Uma noite, ela carregava um velho balde cheio de água. Enquanto caminhava, olhava para a lua cheia reflectida no balde de água. Subitamente, a cana de bambu que usava para transportar o balde, partiu-se, e o balde caiu ao chão. A água espalhou-se, o reflexo da lua desapareceu e Chiyono tornou-se iluminada.

Ele escreveu este verso: Desta e daquela forma, eu tentei manter o balde em equilíbrio, à espera que o bambu fraco nunca se partisse. De repente, o fundo caiu. Deixou de haver água. Deixou de haver lua na água – o vazio na minha mão.

iluminação

Como escutares os teus momentos de iluminação

Osho dizia que a iluminação vem num só momento, não através de um acto contínuo, mas a verdade é que sem o cultivo da consciência e da atenção, podemos passar pela iluminação e nem nos apercebermos disso. Assim como Nyodai pode obter o seu momento de iluminação através de um balde de água, tal só aconteceu porque antes ela soube contemplar o que existia, podendo assim compreender a impermanência e o vazio criador. Da mesma forma, tu podes carregar um balde, deixá-lo cair e apenas lamentar, ou podes deixar cair um balde e encontrar a clareza que te traz paz e felicidade.

A iluminação é um estado que todos alcançamos, cada um com o seu próprio caminho. A iluminação é mostrada em muitos momentos, pois o universo “conspira” a teu favor. Assim, não precisas correr para alcançar a iluminação, mas precisas estar atento e isso exige diligência e esforço. Este é um esforço positivo, construtivo e renovador da tua humanidade.

Por isso mesmo, os cinco princípios de Reiki levam-nos ao anshin ritsumei, a um caminho de paz e felicidade duradouros – no momento presente, com harmonia, com confiança, gratidão, honestidade e bondade.

Só por hoje, observa a tua iluminação.

enraizamento

Porque o enraizamento é realmente importante

Na prática de Reiki, usamos o enraizamento para nos ligarmos à terra e mantermos o equilíbrio e harmonia ao longo de um tratamento.

A importância do enraizamento

Para nós, praticantes de Reiki, o enraizamento ajuda a equilibrar a quantidade de energia que vem de cima, com a energia que vem de baixo, aquilo a que é chamada a “energia do céu” e a “energia da terra”. Também usamos a técnica por outra razão – o escoar a energia mais densa que possamos acumular.

Hoje em dia, estão a ser realizados cada vez mais estudos sobre a importância do enraizamento. Neste sentido fala-se sobre a importância dos pés descalços, do andar na terra, na praia, do estar mais ligado à energia da terra, evitando assim problemas como algumas inflamações e dores. Entre a terra e a nossa cabeça, existe uma carga de electricidade que ronda os 200 volts, mas se estivermos em contacto directo com o chão, sem calçado, conseguimos usufruir do campo natural da terra e protegermo-nos dessa voltagem.

Mas nada melhor que ler algumas referências sobre o assunto, que poderá ajudar a compreender o que é e qual a importância do enraizamento.

Ground yoursel for better health – Enraiza-te para uma saúde melhor

 

Earthing the most important health discovery ever? Enraizamento, a mais importante descoberta sobre a saúde, de sempre?

Cientistas descobriram o que nos faz verdadeiramente felizes

Costuma dizer-se que quando uma pessoa se sente infeliz o melhor a fazer é afoga as suas mágoas consolando-se com “caprichos” – como ir às compras, comer guloseimas ou fazer festas com os amigos. Mas não é isso que nos faz feliz – instantaneamente.

Segundo um estudo realizado por investigadores da Universidade Sulista de Sewanee, no Tennessee, Estados Unidos, o que na realidade torna as pessoas felizes são os actos de generosidade com outras pessoas.

De acordo com os resultados da investigação, publicados na revista Emotion, da Associação Americana de Psicologia, são os pequenos gestos de amabilidade que nos fazem sentir bem connosco próprios.

O estudo envolveu 473 voluntários, divididos em 4 grupos, que tinham que completar um conjunto de tarefas durante 6 semanas.

Um dos grupos tinha que realizar tarefas bondosas que melhorassem o mundo que nos rodeia – como por exemplo ir apanhar lixo num jardim.

Um segundo grupo tinha que realizar tarefas bondosas para outras pessoas – como pagar um café a um amigo, ou ajudar um familiar a fazer o jantar.

O terceiro grupo tinha que realizar acções sobre si próprios – como tirar um dia de folga, ou fazer exercício físico.

O quarto grupo, de controlo, não tinha tarefas atribuídas.

Os participantes preencheram questionários acerca da sua auto-satisfação antes e depois do período do estudo.

Os resultados do estudo mostraram que as pessoas que realizaram actos de bondade registaram uma melhoria assinalável no seu bem estar.

Os membros do terceiro e quarto grupos não registaram quaisquer melhorias nos seus níveis de felicidade.

“Já estava à espera de resultados que confirmassem a ideia de que as interacções sociais contribuem para o nosso bem-estar”, diz a psicóloga Katherine Nelson, autora principal do estudo, citada pelo Huffington Post.

“Mas o que achei interessante”, diz a investigadora, “é que quando centramos as nossas interacções apenas em nós próprios, não há nenhuma melhoria assinalável no nosso estado de espírito”.

“Isto é muito importante, porque as pessoas são encorajadas a oferecer-se uns miminhos quando se sentem infelizes”, acrescenta Nelson.

“No entanto, o nosso estudo conclui que a melhor forma de nos sentirmos bem, pelo contrário, é ter um gesto de amabilidade com outra pessoa”, conclui a cientista.

Fonte: ZAP

Namaskar e Namaste

Há uns tempos atrás fomos assistir a um concerto de Pandit Basant Kabra e a abertura foi feita pelo embaixador da India em Portugal. Ao iniciar, cumprimentou todos com namaskar.

A palavra namaskar significa reverência ou saudação e representa «és superior a mim em todas as qulidades e em todos os caminhos». Faz-se namaskar a alguém ou a uma divindade para alcançar benefícios espirituais, isto por as virtudes dessa divindade ou pessoa «superior a nós» ficar gravada na nossa mente, como um exemplo para melhoria. Na India, namaskar tem um sentido muito concreto pois, quando feito às divindades hindus, permite a recepção da sua energia, trazendo desenvolvimento espiritual. Namaskar é também uma maneira de receber sattva, uma das formas mais puras dos três gunas.

Curiosamente, este tipo de cumprimento evita a passagem de energia que, geralmente, costumamos ter na forma de cumprimento ocidental – o aperto de mão.

Alguns benefícios de praticar namaskar

  • Ajuda-nos a desenvolver o respeito pelos outros – Ao saudar genuinamente, curvando-nos, estamos a criar respeito e amor incondicional no coração;
  • Promove a humildade – A simplicidade do gesto e o reconhecimento que no outro há algo de divino, promovem em nós o respeito por tudo o que existe;
  • Entrega – Ao saudarmos uma divindade ou uma pessoa, estamos a dizer-lhe que partilhamos o mundo, a vida, os ideais;
  • Gratificação – É uma forma de promover a gratidão por todas as coisas na vida.

Namaste

Namaste significa eu saúdo o divino em ti e é o que se costuma dizer ao fazer namaskar. Tanto se diz namaste como namaskar na saudação.

images

Ao realizar namaskar, pode dizer-se namaste ou namaskar

 

 

As lições do meu avô

O meu avô era um grande homem. Quando eu era pequeno, pensava que era um gigante, muito grande e quando eu cresci em tamanho, apesar de ser mais alto que ele, continuava a sentir o mesmo. O meu avô era uma pessoa muito sábia. Aprendeu as coisas num tempo onde não havia internet mas sim correio, onde muitos dos livros que precisava eram proibidos e tudo requeria muito sacrifício, secretismo e humildade. Eram tempos diferentes.

Naquele tempo não havia «os grandes mestres», não dava para saltar de curso em curso sem praticar à espera de uma solução milagrosa. Havia companheiros, havia quem se dedicava a fazer muito bem. Era um tempo onde a dedicação vinha de dentro, assim como a motivação. E com toda a sua experiência de vida, o meu avô ensinou-me. Algumas dessas lições quero partilhar contigo.

Quando tinha 16 anos partilhou comigo a filosofia Sufi, o Dhammapada e outras correntes. Ensinou-me o que ver e compreender que a Terra é um Ser Vivo, que a energia flui nela, assim como em nós. Fizemos muitas experiências que deixam grandes saudades. Vi coisas assustadoras e outras fantásticas. E em tudo, estavam lições.

As lições do meu avô

1 – Há sempre algo maior que tu

Podemos saber muito, praticar muito. Outros podem dizer que somos isto e aquilo em grandeza mas, manter em mente que há sempre algo maior que nós.

2 – Não há nada maior que Deus

Acima de todas as coisas, nelas e entre elas, está Deus, o Divino, ou o Universo. Nada acontece sem o seu saber, tudo tem uma razão.

3 – A humildade é uma força

Sabendo estes dois passos anteriores, reconhece o que sabes e o que te falta saber. Mantém-te humilde em todas as situações. Isso dará força. Se alguém te acusar, não é a arrogância que cai em ti mas sim a experiência que responderá.

4 – Nunca trabalhar as relações dos outros

Sobre o amor, as relações, nunca intervir. Não sabemos o que é melhor para outros. Muitas vezes nem para nós, quanto mais para os outros. É presunção assumir que tal caminho será melhor. Quem está nas relações deve assumir a sua responsabilidade e consciência. Os outros podem ajudar num processo de cura mas não tomar decisões por eles.

5 – Há sempre dois lados de uma moeda e o caminho do meio

Temos sempre dois lados. O Bem e o Mal. O Positivo e o Negativo. Mas há o caminho do meio, difícil de ser percorrido mas necessário. Conhecer os dois lados traz-nos sabedoria para o caminho do meio.

6 – Escolhe o teu objectivo de vida, escolhe o lado a que pertences

Compreendendo os dois lados, devemos escolher o nosso «lado». Qual é o teu objectivo de vida, o que vais dar à vida, pela vida que te dá?

7 – Sobre a vida e a morte, apenas Deus sabe

É presunção achar que se sabe tudo sobre a vida e a morte. Quando alguém vive ou quando alguém morre. Essa presunção, traz-nos ruína mais cedo ou mais tarde pois acaba por ser uma manipulação sobre os outros. Novamente, a humildade.

8 – Escolhe bem o carro que tens

Podes comprar um carro fraquinho mas se fizeres subidas inclinadas, gastas muito mais combustível e esforças mais o carro. Por vezes a sabedoria vem por outras palavras.

9 – Tudo tem o seu tempo

O meu avô não me ensinou tudo de uma só vez. Dava-me uma migalha e eu tinha que trabalhar. Depois, podia aprender mais. Tudo tem o seu tempo, não aquele que queremos mas o que precisamos.

Então, ser Mestre é assim. É não ter títulos ou se os tem não precisar de os usar, é ser e viver. É viver a vida como todos vivemos mas com sabedoria e inteligência. É partilhar e dar. O meu avô ensinou muitas mais coisas, durante o mesmo tempo que o Mestre Usui ensinou. Um dia partilho um pouco mais.

avo

_/|\_

Compreender a sincronicidade o 11-11 e um carro em dois sentidos

Quantas vezes encontras o que procuravas da forma mais inesperada e simples possível? Ou observas o surgimento de números como 11:11? Ou então encontras a mesma pessoa em situações distintas no mesmo dia? Então poderás estar a viver um momento de sincronicidade.

A sincronicidade é um termo criado por Carl Jung para explicar o acontecimento de eventos sem aparente sentido mas que ao serem observados atentamente apresentam um significado para o observador ou um sinal de atenção, de despertar. Jung dizia que «a sincronicidade é uma realidade sempre presente para aqueles que têm olhos para ver». Este tipo de acontecimentos demonstra o teu despertar para o significado da vida e a comunicação que esta tem contigo.

Será a sincronicidade algo de especial que apenas acontece a alguns?

Claro que não. Todos temos um papel incrível na vida e ela espera por nós. Não é preciso termos crenças algumas para compreender como tudo tem um sentido. Um matemático, físico, filósofo, tenta encontrar esse sentido, assim como qualquer pessoa quer encontrar o sentido da vida e do seu papel nela. A sincronicidade surge para que possamos compreender como tudo está ligado, que devemos estar atentos, pedir (por um Bem Supremo) e saber agradecer por tal, seja qual for o resultado.

Muitas vezes procuramos por algo, um texto ou uma resposta, por exemplo. E, por um mero acaso, encontramos a sua resposta, na página de um livro, na internet, nas palavras de alguém. As respostas sempre estarão disponíveis, nós é que nem sempre estamos atentos para as escutarmos.

Exemplos de sincronicidade

Quando começamos a perceber que as coisas acontecem, tentamos compreender porque… faz parte da nossa humanidade, espírito crítico e tentativa de perceber o sentido de todas as coisas para conseguirmos compreender o sentido de nós mesmos. Certo dia, vi um carro castanho quando estava na autoestrada. Passadas horas, regressava no sentido contrário e vi novamente o carro castanho a passar. O que isto quereria dizer?

Muitas vezes vejo 11:11 no relógio mas, vejo também 08:08; 10:10; 14:14; 17:17. Certa ocasião, pedi para que pudesse ver esta sincronicidade ao longo de todas as horas e assim foi. Desde as 08:08 até às 21:21. O que isto quereria dizer?

Para mim, estes dois casos e a sincronicidade, mostram-me que não temos que saber tudo mas sim que estarmos atentos, predispostos, disponíveis e ligados ao Universo. Quando observo um momento repetitivo ou de significância, agradeço, peço para que tudo esteja bem, deixo fluir energia. O mais importante, não é compreender racionalmente, ter as provas escritas em papel. É sim sentir e entender o lugar que temos na vida e a importância da mais ínfima coisa. A sincronicidade é uma lição de escuta. Deseja sempre e pratica sempre o Bem Supremo.

A mudança de vida no Reiki – fugir ou permanecer?

A prática de Reiki leva-nos a uma mudança de consciência, quer na forma de observar, sentir ou de viver. Ao mudarmos a mente e o coração, compreendemos que muito do que eram os nossos padrões e crenças sociais, não fazem mais sentido. Porque correr tanto para alcançar um objectivo? Porque o desgaste de mil actividades, sem haver um proveito real? Porque viver a ansiar pelo tempo futuro sem viver o presente?

Read More

Um abraço por dia afasta o stress… e a gripe

Odeia constipações e quer ficar livre delas na época de gripes e infecções que atravessamos? Nada mais simples: um estudo publicado esta semana sugere que podemos inocular-nos com uma nova droga revolucionária – ou algo parecido.

Um estudo desenvolvido por investigadores da Carnegie Mellon University, de Pittsburgh, nos EUA,publicado esta quinta-feira na Psychological Science, revela que o melhor remédio para prevenir a gripe, depressão, stress e infecções é mesmo… um abraço.

O acto de abraçar, por si só, é antes de mais um indicador de ligações sociais fortes, o que nos protege desde logo da ansiedade, stress e depressão. Segundo o estudo, estes factores têm influência na prevenção da gripe.

Para efeitos do estudo, os investigadores da Carnegie MU mantiveram 404 voluntários, adultos saudáveis, sob observação durante 2 semanas e tentaram perceber quais os seus níveis de interacção social.

Durante esse período, foi perguntado diariamente a cada participante se tinham sido abraçados por alguém, e se tinham tido algum conflito ou tensão com um familiar ou amigo.

Sheldon Cohen, professor de psicologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Carnegie Mellon University

Os cientistas usaram então gotas nasais contaminadas para expor os participantes ao vírus da gripe, isolaram-nos em quarentena num hotel durante uma semana, e recolheram dados sobre os sintomas manifestados em cada pessoa.

Embora todos os participantes tivessem sido expostos, apenas 78% desenvolveram sintomas de gripe, e 31% ficaram efectivamente doente.

Mas 22% dos voluntários não desenvolveram qualquer sintoma de gripe – grupo que coincidiu precisamente com as pessoas que recebiam mais abraços e tinham mais apoio social no seu círculo familiar ou de amigos.

“Sabemos que as pessoas que enfrentam algum tipo de conflito são menos capazes de lidar com os efeitos da gripe”, diz Sheldon Cohen, professor de psicologia da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da CMU, e líder do grupo de investigadores.

“Da mesma forma, sabemos que as pessoas que admitem ter apoio social são parcialmente protegidas dos efeitos do stress”, diz Cohen.

“Há vários indícios que provam que o toque é muito eficaz a proteger as pessoas de vários sintomas de stress e ansiedade”, diz o cientista, citado pela Time. “O abraço é uma forma de comunicar às pessoas que gostamos delas e que lhes damos a nossa intimidade”.

E qual a dose certa de abraços para prevenir uma gripe?

“Um por dia deve chegar”, diz Cohen.

-

ZAP

Estudo indica as 5 regras de ouro para prevenir a demência

Uma revisão de estudos académicos feita pela ONG britânica Age UK identificou cinco passos que podem ajudar os idosos a manter a saúde do cérebro e a reduzir o risco de se desenvolver a doença de Alzheimer e outras formas de demência.

Segundo a organização, cerca de 76% do declínio cognitivo – mudanças nas habilidades cerebrais, que incluem perda de memória – está associado ao estilo de vida do idoso e a outros factores ambientais, como o grau de educação.

Read More

Deixar fluir o que é, para quê e os cuidados na autoilusão

Deixar fluir significa encontrar o sentido, a corrente natural do universo, compreender a vida e o que realmente nos realiza, nos traz bem e leva o bem a outros. Deixar fluir é perceber o enredo da história que leva ao bem comum. Mas, fluir é também muitas vezes uma desculpa para não aceitar responsabilidade e aqui, temos que tomar consciência das fronteiras e do senso que fará toda a diferença.

Read More

Um quinto dos portugueses sofre de perturbações mentais

Um em cada cinco portugueses sofre de perturbações psiquiátricas, patologias que mais contribuem para anos de vida perdidos, a seguir às doenças cérebro-cardiovasculares, segundo o relatório “Portugal – Saúde Mental em Números 2014″, hoje apresentado.

Read More

10 dias de Reflexão Zen – os 10 touros de Kakuan

No século XII o mestre Kakuan Shien escreveu sobre 10 reflexões da natureza humana. Este conjunto de prosa, poesia e ilustração passou a ser chamado de os 10 touros de Kakuan – Jugyu-no-zu.

Read More

Cientistas treinam distraídos a concentrar-se nas tarefas

Está sempre a adiar as suas tarefas? Ou não consegue concentrar-se totalmente no que precisa fazer, deixando a mente vaguear?

Nos EUA, Boston Attention and Learning Lab dedica-se a estudar e “curar” esse tipo de problema, tentando treinar e educar o cérebro a concentrar-se melhor.

As técnicas ali desenvolvidas ajudam pessoas que não conseguem concentrar-se devido a danos cerebrais, doenças ligadas a traumas (transtorno de stress pós-traumático) ou défice de atenção (Transtorno do Défice de Atenção com Hiperatividade, ou TDAH).

Será que uma pessoa fora dessas circunstâncias extremas também pode beneficiar das novas técnicas?

O neurocirurgião Joe DeGutis, que trabalha no laboratório, mostra-se cético com a proposta. “É difícil melhorar o funcionamento já comum para torná-lo algo acima da média ou de nível superior, apesar de algumas empresas de treinamento de cérebros tentarem vender isso.”

Mas talvez exista esperança para pessoas simplesmente distraídas, que costumam interromper constantemente o que estão a fazer para conferir o Facebook ou tomar um cafezinho a meio do trabalho. Estudos nos EUA apontam que isso acontece com 80% dos estudantes e 25% dos adultos.

Com o surgimento de novas distrações, como smartphones, tudo piora, e com prejuízo à saúde mental – com mais doenças, stress e conflitos nas relações. Para o psicólogo Tim Pychyl, procrastinação é um problema emocional. Diante do stress, as pessoas resolvem dar-se “um pequeno presente” imediato, que leva a adiar a concretização das tarefas, mesmo que isso os venha a prejudicar no futuro.

Áreas do cérebro

A mudança está toda no cérebro. Os investigadores do Boston Attention and Learning Lab trabalham para melhorar as ligações entre duas regiões do cérebro: o córtex pré-frontal (acima dos olhos, que nos ajuda a tomar decisões) e o córtex parietal (atrás dos ouvidos, e que coordena nossas sensações).

Juntos, eles formam a rede de atenção dorsal, que é a parte do cérebro que trabalha quando estamos concentrados numa tarefa. Para que essa rede funcione bem, é preciso “desligar” outra parte do cérebro conhecida como “rede de modo default” – responsável pela criatividade, pelo ócio ou por “viajar” com a mente.

Alguns testes mostram que as pessoas com problema de concentração estão a usar a parte esquerda do cérebro – que é a menos eficiente para este tipo de tarefas que requerem concentração.

Controlando as “viagens” da mente

Uma das experiências do Boston Attention and Learning Lab é usar um pulso magnético fraco para tentar desacelerar o “campo de olho frontal” – uma região na parte esquerda do cérebro. Com isso, a parte direita – responsável pela concentração – trabalharia mais.

A jornalista da BBC Caroline Williams fez a experiência e percebeu que começou a melhorar os resultados nos testes de concentração. Antes da aplicação do pulso magnético, a mente vagueava: como escreveria a reportagem, como estariam os filhos, ou se deveria beber cerveja ou vinho ao fim do dia.

Para o neurocirurgião DeGutis, isso é um grande avanço. Estar ciente do que se está a pensar é conhecido na psicologia como “metaconsciência” – e é uma ferramenta útil para quem está a tentar controlar uma mente que “viaja longe”.

“Todos os que passam por este treinamento descobrem que estão num estágio em que ficam um pouco mais metaconscientes. Estão a cumprir as suas tarefas e conseguem perceber que estão a pensar em outras coisas”, diz o neurocirurgião.

Sara Lazar, neurocientista em Harvard, descobriu algo semelhante nos seus estudos, ao identificar outra parte do córtex que facilita que a mente “viaje”, o córtex cingulado posterior. Quanto maior o controlo que exercemos sobre essa parte do cérebro, mais nos conseguimos concentrar.

Será possível, então, mudar a nossa mente em poucos dias para se concentrar melhor? “Não estruturalmente, mas sim funcionalmente – na forma como se conhece e trabalha com o próprio cérebro”, diz DeGutis.

ZAP / BBC

Cinco dias de reflexão com Sementes do Coração

De 17 a 21 de Novembro, vamos criar um momento para nós em cinco dias de reflexão com Sementes do Coração, um livro de Kentetsu Takamori. Serão cinco dias de introspecção, rumo ao nosso coração, para criarmos um jardim fértil e bonito, para nós e para os outros. Irão receber um email por dia, para tal, basta fazerem a subscrição neste formulário, gratuitamente.

Read More

Page 1 of 6

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén