O Tao do Reiki

Descobrir, Desenvolver e Crescer com Reiki

Categoria: Filosofia de Vida Page 1 of 8

A obsessão pela felicidade e será que os praticantes de Reiki são tolinhos?

A obsessão pela felicidade é um tema que se manifesta insconscientemente pelos vários media. Várias publicidades televisivas remetem-nos a bons momentos, a união, a felicidade. Desde medicamentos a produtos de seguros, passando por carros e muitos outros segmentos.

Se a obsessão pela felicidade é uma razão, porque será que ela acontece e porque se há-de considerar pejorativamente um praticante de Reiki?

Reiki, praticantes de Reiki e a obsessão pela felicidade… ou talvez não

Um bom Mestre de Reiki explica claramente que Reiki nada tem a ver com promessa de cura e que não é uma espécie de pó mágico que de repente traz felicidade à vida da pessoa, como se fosse um “Tang” instantâneo.

Essa clarificação vem do entendimento da Missão que o Mestre Usui nos legou e também dos seus preceitos.

“A missão do Usui Reiki Ryoho é guiar para uma vida pacífica e feliz, curar os outros, melhorar a felicidade dos outros e de nós mesmos”. – Mikao Usui

Quando falamos da “Arte Secreta de Convidar a Felicidade“, não estamos a falar de usar um colar que vai trazer felicidade, entoar umas palavras mágicas ou ver um filme. Estamos sim a constatar que ao longo de toda a nossa vida, se queremos um percurso que nos guie a uma vida mais pacífica e feliz, precisamos firmar, sempre com uma atitude de momento presente, as seguintes atitudes.

  1. Sou calmo

    Ao longo dos vários momentos quotidianos, ser capaz de lidar com harmonia as diferentes situações que nos são exigentes emocional e mentalmente, sabendo também levar essa harmonia aos outros.

  2. Confio

    Construir uma autoconfiança positiva e não alicerçada num sentimento de superioridade perante os outros.

  3. Sou grato

    Compreender a sua própria vida e qual o rumo que está a tomar.

  4. Trabalho honestamente

    Ter uma boa consideração pelos outros e por si mesmo, sabendo perseverar nas coisas que há a fazer.

  5. Sou bondoso

    Edificar uma vida onde se consegue distinguir a nossa necessidade das necessidades dos outros, com uma compreensão clara da capacidade de entreajuda e também do que pretendemos com essa ajuda.
    Ser bondoso requer uma grande dose de sabedoria, que só se constrói através da vivência.

Parece tão simples que talvez seja por isso que algumas pessoas catalogam os praticantes de Reiki como “tolinhos”. Na verdade, estes cinco princípios demonstram-se incríveis provações. Por exemplo:

Quando entramos em conflito com um colega de trabalho. Será fácil manter a calma perante tantas situações de importúnio? Ou conseguiremos manter a autoconfiança quando tantos nos tentam diminuir continuamente?

Estes são apenas os dois primeiros princípios, para não falar dos restantes três.

Será que, então, os praticantes de Reiki vão praticar por uma obsessão pela felicidade, ou sabem que apenas estão a construir, através de várias ferramentas, a sua capacidade de gerir melhor as condições internas e externas da vida?

É uma questão que cada um poderá colocar a si mesmo, ao longo de vários anos de prática.

Reiki é exigente e tem uma aplicabilidade em todos os momentos da nossa vida quotidiana.

No livro Reiki Guia para Uma Vida Feliz, poderás compreender de forma mais aprofundada, o que é a prática de Reiki direcionada para a filosofia de vida e para um caminho de construção para uma vida pacífica e feliz.

Como controlar a ansiedade antes dos exames com Reiki

Costumas ficar com ansiedade antes dos exames da escola ou universidade? A prática de Reiki e mais algumas dicas podem ajudar-te a manteres a harmonia e equilíbrio necessários para que possas manifestar o melhor resultado dos teus estudos.

A ansiedade antes dos exames e como a trabalhar com Reiki

Já sabes que as questões médicas devem ser tratadas com os médicos especialistas e Reiki apenas te dá uma perspetiva integrativa e complementar.

Se és praticante de Reiki e estás a sofrer de ansiedade antes dos exames, lembra-te que podes aplicar cinco conceitos muito importantes para te ajudar:

  1. Meditação

    Pelo menos uma semana antes do exame, experimenta meditar todos os dias, de preferência várias vezes por dia entre cinco a quinze minutos.

  2. Autotratamento

    O autotratamento poderá ajudar-te muito na tua gestão emocional. Coloca uma intenção correta para equilibrar a tua ansiedade e depois aplica o autotratamento completo. Também idealmente ao longo de uma semana.

  3. Pensamento positivo

    Se encontraste a atitude que te leva a ter ansiedade, então reconstrói-te com a técnica do pensamento positivo, o nentatsu.
    Começa por esvaziar a mente, coloca apenas a atitude positiva que pretendes alcançar e depois a mão esquerda na testa, a mão direita na nuca e deixa fluir Reiki durante alguns minutos. Faz ao longo do tempo esta técnica para fortalecer uma atitude positiva.

  4. Cinco princípios

    Muitos praticantes indicam que recitar os cinco princípios ajudam-nos a ter calma e capacidade para lidar melhor com o seu dia-a-dia, experimenta em cada momento que sintas a ansiedade a querer surgir a ancorares-te no momento presente, enraizares e recitares os cinco princípios:
    Só por hoje, sou calmo, confio, sou grato, trabalho honestamente e sou bondoso.

  5. Envio de Reiki

    Se tens o nível 2 de Reiki, podes ainda enviar Reiki para a tua situação. Não para teres boas notas, mas sim para que tenhas uma atitude confiante, positiva e calma perante a situação. Imagina-te em cada momento do exame a estar com calma e serenidade, concentrado e com uma respiração correta. Deixa a energia fluir.

A concentração, o estar no momento presente é importante e por isso mesmo lembra-te do enraizamento, da respiração e de deslocares a tua atenção até ao hara, o seika tanden, que é o nosso centro de gravidade e ponto onde acumulamos a energia vital, pois irá ajudar-te a estares mais forte e concentrado.

Usar Cristais para controlar a ansiedade antes dos exames

Há também quem goste de usar os cristais e os conceitos da cristaloterapia para as questões de ansiedade.

A aplicação de cristais não tem a ver com o método Reiki, mas há quem use de forma complementar. Se costumas ter ansiedade antes dos exames podes considerar um autotratamento com cristais ou até mesmo ter um ou mais cristais contigo.

Autotratamento com cristais

Em primeiro lugar observa bem em que parte do teu corpo se manifesta mais a ansiedade. Vamos imaginar que é no plexo solar. Primeiro vamos limpar essa energia e depois vamos carregar a energia da tua aura:

  1. Coloca uma turmalina preta ou quartzo fumado à frente dos teus pés, estando tu deitado;
  2. Coloca um quartzo fumado no teu plexo solar, a zona que está afectada pela ansiedade (ou outro lugar, dependendo do que sentes);
  3. Deixa-te estar assim pelo menos entre dez a quinze minutos e aplica uma respiração profunda e completa, como o Joshin Kokyu Ho;
  4. Podes retirar o quartzo fumado (depois tens que o limpar);
  5. Coloca agora as pedras dos sete chakras principais, pois é uma das formas de limpeza e revitalização da aura:
    1. Coroa – Ametista;
    2. Terceira Visão – Sodalite;
    3. Chakra Laríngeo – Ágata Blue lace;
    4. Chakra Cardíaco – Quartzo Rosa;
    5. Plexo Solar – Citrino;
    6. Esplénico – Cornalina;
    7. Raiz – Jaspe vermelho.
  6. Mantém-te mais dez a quinze minutos com os cristais e quando terminares, limpa-os.

Levar cristais no bolso

Poderás querer também andar com um cristal ou mais no teu bolso, ou como pulseira ou mesmo pendente. Depende muito do que realmente necessitas, mas a ametista pode ajudar-te a ter mais calma, o citrino poderá ajudar-te a concentrar o pensamento e o quartzo fumado irá ajudar a enraizar.

Agenda Reiki de 2019

Este ano de 2019 criamos uma agenda para praticantes de Reiki que te irá auxiliar não só a organizar os teus dias, mas também a manter uma atenção especial nas reflexões que o Mestre Usui, Takata e Hayashi nos deixaram.

A agenda Reiki de 2019 do CENIF

Esta agenda apenas estará disponível no CENIF não está em venda ao público em geral.

Esta é uma agenda semanal, com poemas do Imperador Meiji, num conjunto de 144 páginas a uma cor, em argolas prateadas para facilitar o manuseio. O tamanho da agenda é o A5 para ser facilmente transportado no teu dia-a-dia.

Um pouco além de ser vegetariano

Ser vegetariano começa a ser uma tomada de consciência cada vez mais presente nos dias de hoje. Uns por razões de dieta, outros por questões ideológicas. Podemos considerar que tudo o que seja verdadeiramente bom para nós e para os outros está correto, mas precisamos ter um entendimento real do que está além de ser vegetariano.

Em quaisquer decisões que tomemos na nossa vida, precisamos sempre o fazer em harmonia e equilíbrio. Por exemplo de optamos por uma alimentação vegetariana ou vegan, precisamos observar e sermos observados se realmente é a melhor alimentação para o nosso tipo de corpo e necessidades do dia-a-dia, caso contrário, grandes desequilíbrios poderão surgir e originar doença.

Se nos tornarmos vegetarianos por ideologia, então há muito mais ainda que devemos ter em consideração, precisamos ir bem além do não consumir carne animal e compreender tudo o que está por detrás desse conceito.

Ser vegetariado por ideologia – o que esta além desse princípio

Quando optamos por não comer carne animal, muitas vezes é por pena de todos os seres vivos e por considerarmos desnecessário o seu sacrifício. Esse é um preceito que se segue corretamente, mas por vezes deixam-se outras coisas para traz como continuar a beber álcool, fumar, fumar “outras coisas” além de tabaco, ter más atitudes, entre muito mais.

Das culturas orientais surge este conceito do vegetarianismo, ou até mesmo de movimentos espirituais ocidentais, principalmente do século XIX. Indo observar aqueles que são movimentos milenares, observemos o Budismo.

No Budismo existem cinco preceitos. Eles indicam claramente cinco atitudes que os budistas devem adotar, em cada passo da sua mudança de consciência:

  1. Não matar (onde se inclui a vontade de ser vegetariano);
  2. Não rou­bar;
  3. Não men­tir;
  4. Não ter má con­du­ta ­sexual;
  5. Não se entorpecer com álcool ou drogas.

Não matar 

Não matar é um preceito que nos fala sobre respeito por todos os seres. Este não matar é também algo que pode ser entendido como não magoar, o que nos faz ter ainda mais consciência dos nossos atos, palavras e pensamentos.

Sobre o comer carne, Buda indicava algo de muito interessante no seu Sutra do Grande Nirvana.

Aqueles que comem carne per­tur­bam o desen­vol­vi­men­to da grande com­pai­xão. Onde quer que andem, parem, se sen­tem ou se dei­tem, o chei­ro da carne que come­ram pode ser sen­ti­do por ­outros seres sen­cien­tes, os quais, con­se­quen­te­men­te, se ame­dron­tam.

Sutra do Grande Nirvana

Mas será que ao comer vegetais não estaremos também a incorrer no mesmo erro?

Sim e não. Segundo Buda, os animais têm também consciência e como tal, devem ser respeitados pois estão também a fazer um caminho como nós próprios. No entanto, também as plantas são dotadas de uma natureza búdica e estudos recentes mostram reações perante situações e algo que para nós seria identificado como emoções. É por isso mesmo que algumas religiões e movimentos como o Jainismo tentam observar o máximo possível de Ahimsa, a não violência para com tudo o que é vivo.

Pessoas que gos­tam de matar cau­sam repul­sa noutros seres vivos, ao passo que aque­las que não gos­tam de matar ­atraem para si os ­outros seres vivos.


Tratado sobre a Perfeição da Grande Sabedoria

Não rou­bar

Muitas vezes usamos coisas que não são nossas para benefício próprio e consideramos apenas oportunidade. De um ponto de vista kármico é algo como roubar. Quando alguém se apega a essas oportunidades, ficam a considerá-las um direito e, a partir daí, muito sofrimento pode surgir e desenvolverem-se as sementes da cobiça e da raiva.

Não roubar também nos ensina a saber valorizar. Por vezes não queremos roubar ninguém, mas queremos ter a melhor vantagem para nós mesmos, então desvalorizamos o outro. Se o outro estiver em grande necessidade, ele sucumbirá a essa desvalorização. Que erro cometemos nós?

O Buda disse:

“Ananda, como igno­ram a ver­da­de, os seres sen­cien­tes aferram-se aos seus dese­jos e ocul­tam A sua sabe­do­ria sob o véu das suas ­ideias pre­con­ce­bi­das”.

BUDA, Sutra do Grande Nirvana

Não men­tir

Podemos mentir omitindo ou mentir intencionalmente. Por vezes julga-se que apenas se conta meia verdade, ou melhor, meia mentira, o que é algo que pode levar às mesmas condições prejudiciais da mentira por si. A duplicidade, a distorção da verdade, poderá ser também um ato muito grave pois trata-se da manipulação da realidade e até da vida dos outros.

Aquele que mente ilude – pri­mei­ra­men­te a si pró­prio e ­depois aos ­outros. Trata a ver­da­de como se fosse falsa e o falso como ver­da­dei­ro. Confundindo total­men­te o ver­da­dei­ro e o falso, não con­se­gue aprender o que é bené­fi­co. Ele é como um reci­pien­te tapa­do no qual a água limpa não pode ser des­pe­ja­da.

Tratado sobre a Perfeição da Grande Sabedoria

Não ter má con­du­ta ­sexual

A má conduta sexual toca também nos preceitos anteriores, o que implica termos respeito por todos e não mentirmos e não os desvalorizarmos.

Muitas vezes a má conduta vem de uma má consideração por nós próprios ou por uma falta de olhar para os outros com o respeito que merecem. O que este preceito também nos pede é uma vida em equilíbrio, o que nada tem a ver com ser celibatário, esta parte apenas está reservada aos monges.

Não abu­sar de dro­gas ou bebi­das alcoólicas

Quando estamos alterados pelo uso de substâncias entorpecedoras ou que alteram a nossa vigilância, a consciência fica nublada, distante e o resultado das nossas ações, palavras e pensamentos, poderá ser o que não queremos.

Este é um preceito que em primeiro lugar nos indica que estas substâncias são más para nós próprios e que nos levam a perder o autocontrole, por opção própria, tal poderá ter efeitos no nosso próprio discernimento sobre o que é bom ou mau, o que é correto ou incorreto na vida.

E queres passar uma vida inconsciente ou consciente?

Quem qui­ser atra­ves­sar o gran­de ocea­no do nas­ci­men­to e da morte deve obser­var os Cinco Preceitos de todo o cora­ção e com a mente por intei­ro.


Sutra Upasaka-shila (Sutra sobre os Preceitos de Upasaka)

Como vês, ser vegetariano poderá ter muito mais por detrás como atitude que apenas o não matar seres vivos, ou consumir a sua carne, na verdade, isso nada é se apesar de não consumires outros seres te destróis a ti mesmo. A vida deu-te vida e tens uma responsabilidade para com a vida.

Aquele que obser­va os Cinco Preceitos é sem­pre superior até mesmo que o mais rico e pode­roso que os vio­la.

A fra­grân­cia das flo­res e da doce madei­ra ao longe não pode ser sen­ti­da, mas a doce fra­grân­cia da mora­li­da­de em todas as dez dire­ções será sen­ti­da. 

Aquele que obser­va os Cinco Preceitos está sempre ale­gre e satis­fei­to e sua boa repu­ta­ção à distância será conhe­ci­da; seres celes­tiais amor e res­pei­to por ele sentirão e a sua vida neste mundo será com doce êxta­se preenchida.

Tratado sobre a Perfeição da Grande Sabedoria

Estes preceitos Budistas não são também para serem encarados de uma forma radical. Há uma história em que um barman pergunta a um monge. “Mestre, sou budista e vendo bebidas alcoólicas aos outros, será que devo desistir do meu trabalho? Mas preciso dele para viver”.

O Mestre indicou-lhe o seguinte “Quando tiveres condições para saíres e não tiveres que vender mais bebidas alcoólicas aos outros, então será a altura de o fazeres”. 

Como vês, tudo em harmonia, a tomada de consciência deve ser feita pelo caminho do meio.

Como me ligar à energia através dos cinco princípios

Ligar à energia significa a conexão, a união, que sentimos entre nós e a energia vital que nos rodeia. Cada Mestre de Reiki terá uma forma própria de ensinar como ligar à energia universal e mais ainda, cada praticante tem uma forma muito única e pessoal de o fazer, mas existe uma “fórmula” quase mágica, imediata, para que te ligues à energia Reiki e essa é através dos cinco princípios.

Os cinco princípios para me ligar à energia universal

Porque será que os cinco princípios nos trazem uma grande conexão com a energia?

A resposta é muito facilmente entendida se sentires o que eles realmente querem dizer. Quando, por exemplo, colocas as mãos em gassho, viras-te para o teu interior e recitas com a tua voz profunda, do centro do teu ser, o que estás a ativar é a própria essência de Reiki em ti e a iluminar essa centelha intensa com a Energia Universal que te rodeia.

Os cinco princípios representam algo como um grande lago de energia que nos traz o fogo da vitalidade, não de uma forma “excitante”, mas sim de uma forma harmoniosa, como se a vida nos fosse preenchendo serenamente. Cada princípio é então, por si só, um ligar à energia Reiki. Um fluxo que nos percorre, mas que ao mesmo tempo também nos “acorda”, anima.

Para que sintas Reiki dessa forma profunda, tens que deixar de os encarar como palavras. Não são apenas ar articulado que sai pela nossa boca, mas são um profundo desejo que surge da união da nossa mente e do nosso coração.

Como recitar os cinco princípios para te ligares à energia

O exemplo que vamos ver é o de uma prática formal, poderás estar da forma como queiras para sentir os cinco princípios e te ligares à energia:

  1. Começa por colocar as mãos em gassho;
  2. Inspira e expira serena e profundamente;
  3. Esvazia a tua mente;
  4. Sente a ligação da mente com o coração, como se um tocasse no outro em harmonia, em acordo;
  5. Do centro do teu coração, mantendo a ligação com a mente, recita cada um dos princípios de forma pausada, tranquila e profunda;
  6. Inspira e ao expirar recita profundamente – Só por hoje, sou calmo;
  7. Inspira e ao expirar recita profundamente – confio;
  8. Inspira e ao expirar recita profundamente – sou grato;
  9. Inspira e ao expirar recita profundamente – trabalho honestamente;
  10. Inspira e ao expirar recita profundamente – sou bondoso;
  11. Sente estes princípios a ecoarem em ti e sente a vibração da energia.

Ligar à energia pode ser algo de muito fácil para uns e um conceito um pouco mais estranho para os outros, a prática dos cinco princípios irá ajudar-te, sem dúvida alguma, a compreenderes com maior profundidade o que é Reiki e também a ligares-te a essa energia vital.

Uma pessoa tóxica pode não o ser para outros – a perspetiva positiva de Reiki

O conceito de pessoa tóxica significa que é alguém que traz um desconforto, sofrimento, de forma contínua a outra pessoa. É como se sentíssemos que somos um lago límpido e que a aproximação dessa pessoa o contamina, deixa sujo.

Mas o conceito pode estar demasiado limitado e levar-nos a julgar o outro de uma forma que nos traz ainda mais sofrimento. Vamos observar como Reiki nos pode ajudar a compreender uma pessoa tóxica e como também nos pode ajudar a ultrapassar essa dificuldade.

A perspetiva positiva de Reiki sobre uma pessoa tóxica

Muitas vezes na vida surge alguém que, pelas suas características, torna-se uma pessoa tóxica para nós. Parece ser como uma sanguessuga, uma sombra, um parasita, um virus, algo que consome e destrói de forma mais lenta ou rápida a nossa harmonia emocional, mental, física e energética. 

Quando vemos alguém assim, queremos a maior distância possível e consideramos aquela pessoa tóxica como alguém que não pode ser boa pessoa, mas na verdade, não é bem assim, há uma outra perspetiva que poderá trazer-nos maior entendimento e compreensão sobre essa pessoa e a sua atitude.

A prática de Reiki requer uma mudança de consciência para alcançarmos a vida pacífica e feliz que todos pretendemos. Esta mudança ela não ocorre apenas por fazermos o autotratamento ou recebermos Reiki de alguém, mas sim pelo trabalho continuado, diligente e harmonioso dos cinco princípios de Reiki.

Através desta tomada de consciência, compreendemos que uma pessoa tóxica o poderá ser para nós, mas poderá não o ser para outros. Para nós, ela faz-nos sofrer, mas também está em sofrimento. Compreendendo isto podemos perceber que não existe harmonia entre nós porque ambos estão a sofrer.

Se olharmos para esta situação através da sabedoria dos cinco princípios, poderemos ter mais entendimento e menos sofrimento:

  1. Só por hoje sou calmo

    O outro está em sofrimento, sem a minha harmonia, não o entenderei. Sem uma harmonia conjunto, não haverá serenidade.

  2. Confio

    Preciso confiar em mim, porque duvidar de mim faz com que o outro me possa afectar mais. Esta confiança irá promover a minha autoestima.

  3. Sou grato

    Na verdade, que lições tenho a tirar desta situação? Porque esta pessoa surgiu na minha vida e eu na vida dela? O que há a aprender em comum? E individualmente?

  4. Trabalho honestamente

    Será que tenho comunicado o sofrimento que me causa? Tenho-o feito da melhor forma?

  5. Sou bondoso

    Como poderei resolver esta relação com a pessoa tóxica sendo bondoso para comigo e para com todos os envolvidos.

O poema 90, caminho, do Imperador Meiji, também nos ajuda a refletir sobre este tema:

Mesmo se ficares para trás das outras pessoas com quem estavas a ir, não percas o caminho que deves seguir. Quando todos estão a ir pelo mesmo caminho, pensas que estás a ir no caminho certo, mas isso nem sempre é o caso. Então, julga o caminho com cuidado.

Conviver com uma pessoa tóxica, ou que pelo menos nós consideramos tóxica não é fácil, porque como o próprio nome indica ela irá atingir-nos com algo e retirar-nos a harmonia que temos, mas essa pessoa é também uma grande lição para nós, ela na verdade pode ajudar-nos a uma transformação incrível na nossa vida. Aquilo que nos afeta é aquilo que ainda precisa ser trabalhado.

Então, nem sempre o resultado de conviver com uma pessoa tóxica é a cisão, por vezes há uma transformação terapêutica que resulta numa pessoa saudável e numa relação saudável.

O sofrimento precisa ser compreendido e a decisão sobre lidar com esse mesmo sofrimento é de cada um, ninguém poderá dizer por ti o que fazer melhor. Tenta sim o teu melhor e cada decisão que tomes será também a melhor que tens, nesse preciso momento de consciência.

Lembra-te que tu mesmo podes ser considerado uma pessoa tóxica para outrem, apesar de não o considerares ser. A prática de Reiki ensina-nos a olhar para cada pessoa como única, a sua questão é única, o seu percurso terapêutico é único. Mas ajuda-nos também a compreender que tudo está interligado e que o propósito final é a harmonia.

O livro Reiki Guia para Uma Vida Feliz pode auxiliar-te a desenvolver mais a perspetiva da filosofia de vida e a atitude positiva na prática de Reiki.

Reiki Guia para Uma Vida Feliz – 3ª Edição de um manual de Reiki para a Filosofia de Vida

Em 2016 foi editado o livro Reiki Guia para Uma Vida Feliz, um manual de Reiki, para todos os níveis, orientado à estruturação e esclarecimento da Filosofia de Vida, na prática de Reiki.

É um livro composto por 528 páginas e ainda com tanto por dizer, é um manual dedicado à Memória do Mestre Mikao Usui e à Arte Secreta de Convidar a Felicidade. Só tenho a agradecer-te por leres este livro e por apoiares, praticares a filosofia de vida que o Mestre Usui nos legou. Acredito que aos poucos, com a mudança de cada um, muito poderá mudar no que nos rodeia.

O que uma terceira edição de Reiki Guia para Uma Vida Feliz significa

A prática de Reiki em Portugal era muito baseada na terapia, naquilo que se chamava a “imposição de mãos”, o que era um conceito importado e conjugado com outras práticas espirituais, muito ao lado do que realmente Reiki representava e de alguns anos para cá, tem vindo a crescer cada vez mais o sentido profundo do Usui Reiki Ryoho e do trabalho valioso que podemos encontrar na filosofia de vida.

Então, encontramos cada vez mais praticantes a compreender o que são os cinco princípios de Reiki, a levá-los para as suas questões do quotidiano, a usá-los nas suas variadas profissões e ainda a trabalhar o aspecto terapêutico com estes mesmos princípios. Isto representa uma visão cada vez mais clara da nossa prática e um cumprir do que o Mestre Usui indicava que Reiki é “Para a melhoria da mente e do corpo“.

Neste livro, estão também publicados os 125 poemas do Imperador Meiji, que o Mestre Usui escolheu, uma tradução direta do japonês e que nos traz uma riqueza de interpretação em relação a outras traduções. Então, encontramos também um outro sentido para a nossa prática, através da meditação, reflexão, através dos poemas do Imperador Meiji.

Reiki Guia para Uma Vida Feliz está escrito para ti, praticante de qualquer nível ou mesmo curioso pela prática de Reiki, pois irá abordar os vários aspectos do nosso método à luz das indicações do Mestre Usui, Hayashi e Takata, com textos dos próprios que te trarão grande compreensão em todos os âmbitos da prática, como é exemplo da seguinte citação do Mestre Hayashi, médico e oficial da Marinha Japonesa.

Mais ainda, neste livro poderás encontrar também as palavras do Mestre Usui, orientadoras, sobre a Missão do Usui Reiki Ryoho:

Este é um livro que espero que te auxilie a ver Reiki cada vez mais como uma prática transformadora, como um pilar de filosofia de vida, uma entre tantas válidas e que pode estar na tua vida e na vida de todos, para uma vida pacífica e feliz.

Informações técnicas sobre Reiki Guia para Uma Vida Feliz

Reiki Guia para Uma Vida FelizTerapias AlternativasJoão MagalhãesEditora NascenteMarço 2016150 x 230 x 29,5 mm528Editora Nascente

Este é um guia acessível que o ajudará a abrir a sua mente para a aprendizagem e desenvolvimento de novas atitudes. É o livro perfeito para todos aqueles que procuram uma filosofia que lhes permita mudar, crescer e redescobrir a beleza da vida, com Reiki. 
Ao percorrer o caminho que aqui lhe propomos, estará a transformar a mente e o coração, convidando a felicidade a entrar na sua vida. Os métodos apresentados são adequados a qualquer sistema e a qualquer nível de Reiki.
Um livro que inclui:
– Princípios para desenvolvimento da filosofia de vida no Reiki, para todos os níveis;
– Apresentação de métodos de cura;
– Textos e citações de sabedoria de alguns dos maiores mestres de Reiki;
– Explicação sobre o que é a energia e como transformar os chacras;
– Programas de meditação;
– Técnicas para o aperfeiçoamento do corpo e da mente.

A irritabilidade e os cinco princípios – como a filosofia de vida na prática de Reiki pode ajudar

A irritabilidade surge-nos das mais diferentes causas. Poderá ser porque não estás a fazer o que queres, o que sentes, poderá ser por alguém estar a testar os limites e haver pressão interior, por frustração, por cansaço, por inúmeras outras causas.

Sem dúvida que devemos compreender as causas que nos trazem a irritabilidade e podemos usar os Cinco Princípios de Reiki para nos ajudar nesse entendimento, assim como toda a filosofia de vida da nossa prática.

Os Cinco Princípios de Reiki para a irritabilidade

Não podemos dizer que existe um antídoto para a irritabilidade, mas sem dúvida que a compreensão do que a causa pode trazer serenidade e auxílio à sua resolução. Então aqui fica o desafio para o fazeres através dos cinco princípios de Reiki.

Tudo começa com a nossa concentração e atenção no momento presente, assim começamos com Só por hoje:

  1. Sou calmo

    O que te fez perder a harmonia? Porque e como sentes perder a calma?

  2. Confio

    Perdeste a confiança em ti ou nos outros? Porque?

  3. Sou grato

    Ver-te a ficar irritado não deve ser bonito, como te sentes por isso? Que lição tens a aprender para mudar?

  4. Trabalho honestamente

    Será que tens comunicado toda a questão com honestidade? Por vezes vamos acumulando as coisas.

  5. Sou bondoso

    Ser bondoso é a melhor resposta para tudo, não ser bonzinho. Como te vês a resolver essa situação perante ti mesmo e perante os outros?

Os cinco princípios podem ser uma autêntica orientação para a irritabilidade, por isso escuta-te, revê-te nas situações, sem autocrítica mas sim com sabedoria.

Um poema do Imperador Meiji para a irritabilidade

Os poemas do Imperador Meiji podem trazer-nos uma outra luz sobre a nossa condição, por exemplo, no seu poema 22, o Imperador Meiji indica:


Vais encontrar uma planta útil mesmo num campo cheio de erva. – Imperador Meiji

Mesmo no teu processo de irritabilidade, que tanto transtorno a ti e aos outros possa trazer, poderás encontrar alguma pérola de sabedoria para te iluminar. Essa é a grande tomada de consciência que faz toda a diferença na nossa vida. Observares o teu comportamento e teres sobre ele consciência, fará de ti uma pessoa mais serena e feliz.

Como mudar padrões que se repetem com os cinco princípios de Reiki

Todos nós temos, na vida, padrões que se repetem e fazem com que, muitas vezes, a nossa vida seja de grande tristeza. Parece que apesar de tentarmos muito para mudar as coisas nada muda e esses padrões que se repetem surgem vezes e vezes sem fim.

Se és praticante de Reiki, poderás encontrar na filosofia de vida uma forma de observar os padrões que se repetem e descobrir, através de uma nova consciência, o que se pode estar realmente a passar contigo.

Observar os padrões que se repetem com a filosofia de vida da prática de Reiki

Quando nos tornamos conscientes e decidimos assumir a responsabilidade pela nossa vida, tudo poderá ter um impacto diferente. Muitas vezes começamos por ficar tristes porque vemos tanta coisa que parece impossível – como uma casa que fica bastante desarrumada e depois, não sabemos o que iremos fazer com ela, por onde começar?

Então, da mesma forma, podemos olhar para uma questão que temos, para os padrões que se repetem na nossa vida e seguir os passos orientadores dos cinco princípios de Reiki.

Os cinco princípios começam com uma constatação – Só por hoje. Isto significa estar no momento presente, estar no aqui e agora, entregue. Experimenta escrever as perguntas e respostas, irá ajudar-te a clarificar. Se guardarmos tudo na mente, muito se pode perder ou ficar no inconsciente o que ainda criará mais matéria para trabalhares.

  1. Sou calmo

    De que forma os teus padrões ou a situação que estás a viver te retiram a harmonia?

  2. Confio

    Porque não confias em ti para resolver a situação? Ou porque perdeste a confiança em alguém? O que é para ti confiar e será que está mesmo correto o que pedes em troca?

  3. Sou grato

    Que lições estes padrões que se repetem na tua vida te trazem? Se são lições o que podes fazer para mudar e apreciar a tua nova mudança?

  4. Trabalho honestamente

    Tudo se trata de comunicação. Como tens comunicado contigo, com os outros, com a vida, segundo a tua situação? Queres realmente mudar este padrão ou tornou-se parte de ti?

  5. Sou bondoso

    De que forma sentes que podes resolver a situação, sendo bondoso para contigo e para com todos os envolvidos?

Estas tomadas de consciência podem parecer simples, mas elas são verdadeiramente transformadoras. Por vezes não o conseguimos fazer sozinhos e temos que procurar um profissional para auxiliar, mas nada como experimentar.

Aproveita e reflete também sobre o seguinte poema do Imperador Meiji, o que ele te diz em relação aos padrões que se repetem na tua vida?

Os cinco princípios de Reiki apelam à ação

Quando pensamos nos cinco princípios pensamos na paz que eles nos trazem, na serenidade e força interior. São princípios que apesar de ecoarem para os outros, mais a nós nos dizem respeito, pois é através deles que alcançamos e realizamos a arte secreta de convidar a felicidade, como indicava o Mestre Usui. Apesar de parecerem algo que nos traz quietude interior, na verdade, os cinco princípios incitam, apelam à ação.

Compreender a ação que os cinco princípios promovem em nós

Cada princípio tem sempre uma base que é a atenção plena, a concentração necessária para alcançar cada um dos méritos que esta ação nos traz. Este enfoque na ação pede-nos que observemos os cinco princípios de Reiki como:

  1. Só por hoje, sou calmo – Não significa ser passivo;
  2. Só por hoje, confio – Não significa deixar que te enganem;
  3. Só por hoje, sou grato – A gratidão pede-nos ação na ajuda ao próximo;
  4. Só por hoje, trabalho honestamente – Não significa que deixes aproveitarem-se de ti;
  5. Só por hoje, sou bondoso – É ser consciente.

Então, podes constatar e por em prática a ideia que Reiki é um dos caminhos para um desenvolvimento pessoal equilibrado, entre a nossa necessidade e também a necessidade que os outros têm. 

Nos dias de hoje, existe alguma falta de clareza na direção da sociedade. Para onde vamos como humanidade? Que valores realmente são incutidos em nós, consciente e inconscientemente? E o que é realmente bom para todos nós? Esta falta de clareza leva-nos, muitas vezes, a ter comportamentos quase bipolares, onde nos sentimos naturalmente impelidos a fazer algo, mas que há um peso cultural que nos impede. Assim como há uma espécie de percurso inconsciente da sociedade, que vemos hoje falhar redondamente, como por exemplo – estudar, ter emprego, casar, ter filhos, reformar, morrer. É uma espécie de promessa de percurso social que vemos tantas vezes falhar e na verdade não é natural em nós.

Precisamos desenvolver, cada vez mais, a verdadeira consciência de quem somos, o que fazemos, para onde vamos. É sentir o fluir do caminho e o sentir da nossa missão de vida, compreendendo que todos nós temos uma importância incrível para a vida e para todos.

Sem dúvida que quando começamos a trabalhar em nós a harmonia, a autoconfiança, a gratidão, honestidade e a bondade, que começamos a crescer muito e a realizar todo esse bom potencial também com os outros e é por isso, que os cinco princípios de Reiki nos apelam à ação a ter uma atitude perante a vida.

Podes ler mais sobre a importância da Filosofia de Vida do Usui Reiki Ryoho em Reiki Guia para Uma Vida Feliz.

Sou bondoso é ser consciente

O quinto princípio de Reiki, Só por hoje, sou bondoso, é um apelo ao maior valor de consciência que possamos ter. Sou bondoso pode facilmente levar-nos a crer que devemos submeter-nos a qualquer julgamento ou a qualquer ação por apenas pensarmos que estamos a ser bondosos ou porque será bom, mas na verdade, o quinto princípio tem um valor bem mais profundo e exigente do que à primeira vista aparenta.

Sou bondoso e como o poderei ser de forma consciente

A bondade é uma ação que visa o equilíbrio, harmonia e bem-estar do próprio, de outros, ou de ambos e nesta ação incluem-se também todos os seres vivos, objetos e o próprio planeta. Afinal, ser bondoso não é apenas ser bonzinho, fazer um ato de caridade, é muito mais do que isso e é uma ação exigente que pede de nós a maior das consciências.

Quando queremos fazer o bem por nós, pelos outros, pelo planeta ou por ideais, não podemos apenas cingir-nos ao que acreditamos ser bom, temos que ir bem além dessa pequena perspetiva que temos e alcançar uma consciência mais abrangente. Como o fazer?

A resposta mais simples encontra-se na advertência que o Mestre Usui faz – Só por hoje. Isto significa que devemos entregar-nos à consciência do momento presente, à atenção plena e à concentração. Para desenvolvermos o mérito da meditação podemos praticar, por exemplo, a técnica Joshin Kokyu Ho. Quando aplicamos esta técnica, desenvolvemos uma forma de estar na vida onde há tempo para estar. Através deste tempo criado pela mente vazia, descobrimos o coração compassivo e é este que nos guia ao mais elevado estado da bondade.

Só por hoje sou bondoso requer de nós o aprimoramento dos quatro princípios anteriores:

  • Saber ser calmo e ter a consciência da ação que devemos levar a cabo;
  • Saber que se confio em mim mesmo devo também levar essa confiança aos outros e compreender de que forma me devo relacionar com eles na interdependência;
  • Saber ser grato e consciente do percurso, do caminho de vida que estamos a tomar;
  • Saber ser diligente e trabalhar honestamente em todos os campos da nossa vida, dos nossos pensamentos e sentimentos.

Só por hoje sou bondoso pede-te grande tomada de consciência, compreender de que forma ainda levas sofrimento aos outros e, ao tomares a iniciativa de cessares essa dor, compreenderes como podes ser genuinamente bondoso para todos os seres vivos, assim como para toda a existência.

Ser genuíno é importante numa ação de bondade.

Trabalho honestamente não significa deixares que se aproveitem de ti

O quarto princípio de Reiki, Só por hoje trabalho honestamente, implica o esforço, a diligência, a constância e a honestidade em tudo o que fazemos e somos. Ele é consolidado através da realização dos três princípios anteriores onde promovemos a harmonia, a confiança e a gratidão, mas trabalho honestamente não quer dizer que devas ser permissivo em relação a alguém se aproveitar de ti.

Trabalho honestamente mas sem abuso e com dignidade

Quando o Mestre Usui nos exortou a sermos diligentes na vida, ele indicava a importância de sabermos ser perseverantes na nossa ação. Neste trabalho honestamente, devemos também incluir a forma como comunicamos, pois se houver comunicação em verdade, todos nos compreenderemos bem melhor.

Quando muitas vezes queremos trabalhar honestamente, surgem situações de abuso, até de engano e aproveitamento, pois querendo nós manter uma boa atitude, deixamos que outros se coloquem em cima de nós. Como então saber lidar com essas situações?

Pelas orientações do Mestre Usui, podemos encarar um caso de alguém que se queira aproveitar de nós:

  • Só por hoje – significa que deves estar atento e consciente em todas as situações da tua vida;
  • Sou calmo – a tua capacidade de observação não te pode deixar explodir perante a verdade, mas antes incentivar-te a cultivar condições através das quais, com sabedoria, irás saber lidar com a situação;
  • Confio – tem confiança em ti, muitas vezes o abuso de poder vem da falta de autoconfiança. Tu tens o teu valor próprio e único;
  • Sou grato – que lições tiras desta situação de abuso sobre ti? O que achas que tens a mudar para que não volte a acontecer?
  • Trabalho honestamente – sabendo que és único, que trabalhas para te valorizares e fazes o bem conscientemente, então o que te falta para impedires esse abuso de poder?
  • Sou bondoso – compreende que se alguém te inflige sofrimento é porque essa mesma pessoa está a sofrer, no entanto, não deves ser passivo perante essa atitude, mas sim instrutivo. Adquire condições para que possas manifestar a tua posição.

Observa que num emprego, não devemos apenas trabalhar para nós, mas também para a própria empresa e para aqueles que são servidos por ela. Quando não concordamos com algo, que contraproposta podemos dar e será que aceitamos ter a responsabilidade dessa mudança?

Só por hoje trabalho honestamente fala-nos também de autoresponsabilização, ou seja, de assumir as ideias, os compromissos e as ações, sempre apoiado pelos restantes princípios.

A sabedoria da filosofia de vida na prática de Reiki apela-nos a uma ação construtiva e positiva.

Só por hoje sou grato – a gratidão pede-nos ação na ajuda ao próximo

O terceiro princípio de Reiki – sou grato, traz-nos o pilar da gratidão, um dos grandes valores humanos, universais, sobre o entendimento da vida.

A gratidão traz-nos leveza por, de alguma forma, confiarmos e entregarmos a nossa preocupação a algo, promovendo a nossa harmonia e a dos outros, mas também ensina-nos a olhar para a vida sabendo ajudar os outros que podem também cometer os mesmos erros que nós, ou que podem usufruir do nosso saber.

A gratidão e como esta se pode transformar em ação meritória na ajuda ao próximo

Quando agradecemos algo de bom, estamos num momento de união com a vida e sentimos que a vida nos retribuiu com algo que nos preenche e auxilia. Quando agradecemos algo de mau, entramos em comunhão profunda com o Universo e compreendemos todo o valor da vida, incluindo a necessidade de por vezes termos de perder ou até mesmo ter prejuízo nos vários campos da vida, incluindo o emocional.

Quando atingimos determinada consciência que ganhar e perder fazem parte da nossa vida, a gratidão transforma-se num movimento harmonioso e natural em nós, fruto também da autoconfiança que soubemos criar.

A partir desta tomada de consciência, devemos compreender que a vida passa também por sabermos ajudar o próximo. Se olharmos para as lições de vida que passamos e que, com a gratidão, aprendemos a superar, então teremos uma incomensurável fonte de sabedoria que pode ser partilhada

Só por hoje sou grato, o terceiro princípio de Reiki é também um pedido de ação, é uma força de iniciativa para, através da nossa aprendizagem de vida, ajudarmos também os outros com as suas questões e dificuldades.

A prática de Reiki é para o nosso crescimento, mas também é um conjunto de valores e sabedorias que devem estar ao serviço do próximo, na medida que este assim queira receber e compreender.

Confiar não significa deixar que outros te enganem

Confiar é um desafio que tem sido cada vez mais difícil para todos nós. Onde antigamente havia um compromisso selado com um aperto de mão, hoje até um sorriso pode trazer uma intenção oculta que te poderá fazer perder o chão debaixo dos pés.

Os cinco princípios e Reiki não só nos trazem grandes pilares para o nosso crescimento, mas também nos apelam ao desenvolvimento de uma grande consciência e entendimento das relações interpessoais. O segundo princípio de Reiki apela-nos ao desenvolvimento da confiança, mas não dizendo que devemos ser tíbios no que toca à proteção da nossa privacidade, valores e forma de estar na vida.

Confiar é um pedido de ação, de participação ativa e não significa que deves deixar que outros te enganem

O segundo princípio de Reiki apela-nos ao desenvolvimento de uma grande atenção, ou seja, à tomada de consciência daquilo que “Só por hoje” representa, promovendo essa atitude com a calma, a harmonia que o primeiro princípio tem em nós. Mas porque confiar e ter atenção?

Se todas as nossas intenções são puras, porque somos enganados? Esta é uma questão que muitas vezes surge. Pessoas querem fazer grandes obras e são enganadas pela mesquinhice de alguém. Pessoas querem aliviar o sofrimento de outros, mas acabam também por sofrer, pela mesquinhice de outros. As suas ideias puras deturpam-se nas mãos de outros, os seus feitos de mérito perdem-se pelos actos inconsequentes de outros, como se fossem feitos a seu mando.

Então Só por hoje confio não pede para “entregarmos” tudo ao universo, mas sim, para cultivarmos a mais alta inteligência e sabedoria, aquela que vem fruto do olhar atento do mundo e das relações humanas. Dizia o Mestre Usui:

Confia no Universo que ele confia em ti.

Esta frase tão poderosa, tão inteligente, poderá parecer conduzir-nos a uma atitude inconsciente, a uma vida onde colocamos a responsabilidade no Universo e não em nós mesmos, mas na verdade, conhecer o Universo significa conhecer o nosso próprio propósito e caminho de vida. Para isso, sabemos estar no momento presente, em harmonia e compreendendo o que é a nossa vida e o seu sentido, adquirimos confiança. Esta confiança mostra-nos que ao longo da nossa vida temos tido capacidade para fazer tudo, sempre o fizemos e que os erros ao confiar no outro vêm de alguma inocência ou inconsciência que temos.

Só por hoje, confio. Este confiar é tu saberes exactamente o que estás a pedir e porque, assim como a indicares ao outro o que lhe pedes, o que necessitas e para quando. Sabendo que se ele não o puder fazer, não faz mal, poderás pedir a outra pessoa ou, de certeza absoluta tu o conseguirás fazer da melhor forma possível.

Tendo isto em mente, sabes que é importante confiares em ti mesmo, seres arguto e sábio, teres calma antes de tomares decisões e assim, firmado nos princípios de Reiki, compreenderes o que os outros também te transmitem, evitando assim muitos dissabores.

Confiar, o segundo princípio de Reiki, não é apenas confiar em ti mesmo, nos outros ou na vida, é também saber desenvolver e capacitar os outros a terem também eles confiança.

Os princípios de Reiki pedem-te uma ação ativa, tu tens um papel ativo na tua vida e na sociedade. Construir confiança é um ato para desenvolver boas afinidades e comunidades saudáveis.

Sou calmo não significa ser passivo

Assentes no primeiro princípio podermos confundir ser calmo com ser passivo, mas será que é realmente isso que o primeiro princípio de Reiki quer dizer?

Ser calmo não é ser passivo – um praticante de Reiki deve ter um papel ativo

Os cinco princípios de Reiki estão inscritos nos preceitos que o Mestre Usui deixou sobre o seu Usui Reiki Ryoho. Eles guiam a conduta de um praticante de Reiki e promovem a sua tomada de consciência, para que alcancem um caminho onde a sua vida se vive de forma mais pacífica e feliz.

Quando o Mestre Usui indica que devemos ser calmos, ele adverte-nos para a necessidade de criar harmonia. Gerar harmonia é um princípio ativo e não passivo, pois a inação poderá levar-nos ao que é mais fácil e podemos observar que o que é mais fácil nem sempre é o mais correto, antes pelo contrário, a nossa mudança de sentimentos e pensamentos para uma atitude positiva e correta exige de nós grande diligência e esforço, que se encontram também no quarto princípio de Reiki.

Então, este dever de criar harmonia no mundo é uma ação ativa, o praticante de Reiki não deve ser alguém inerte, mas sim alguém ativo no que toca a criar harmonia. E isto não significa ir “comprar guerras”, partir para “cruzadas” ou encetar diálogo escusados, pois observamos que ao longo da história humana, os conflitos em nome de algo desvirtuam a bondade que possa existir e torna-nos prisioneiros de valores deturpados, assim como perdermos tempo a tentar convencer “tolos” também não leva a lado algum. Então, este papel ativo de um praticante de Reiki é a sua própria transformação de consciência:

  • Cultivar bons pensamentos que constroem pontes de harmonia;
  • Cultivar boas palavras que incentivam os outros a uma vida feliz;
  • Cultivar boas e meritórias ações que ajudam o próprio e todos os que toque para uma vida pacífica.

Olhando apenas para estas três ações inclusas no papel harmónico do primeiro princípio, compreendemos o grande “dever” de um praticante de Reiki, quando compreende realmente o seu papel na vida.

Esta mesma harmonia que cultivamos em nós só nos diz “todos somos iguais, ninguém é melhor que outrem”. E o praticante sente-se cada vez mais incluido na vida e no sentido que esta dá.

Só por hoje sou calmo, significa que promovemos, criamos e mantemos uma grande harmonia, em nós, na comunidade e no planeta, fazendo parte da vida e do sentido que esta tem.

Page 1 of 8

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén