O Tao do Reiki

Descobrir, Desenvolver e Crescer com Reiki

Categoria: A condição humana

Como não perderes os sonhos de vida com a tua prática de Reiki

Os sonhos de vida são aqueles grandes desejos que temos e que parecem que realmente fazem parte de nós, que devem ser cumpridos, que de alguma forma terão mesmo que acontecer, algo que é tão forte que só pode acontecer, até vermos tudo ir por água abaixo.

Perder os sonhos de vida faz com que qualquer pessoa se torne desmotivada e, por vezes, a sua vida é apenas um deixa andar. Como poderá a prática de Reiki observar e auxiliar nestas situações?

Os sonhos de vida pela prática de Reiki

Vamos imaginar que o teu sonho de vida é ter uma grande casa com um quintal, um sítio onde podes plantar, mexer na terra, sentires-te livre, protegido e acolhido. Com esforço compram essa casa, mas afinal o trabalho e as obrigações não permitem tanto tempo para o sonho de mexer na terra. Passados anos, por circunstâncias da vida, separam-se e não ficas nem com a casa de sonho nem com o quintal para mexer na terra. Continuam os dias, os meses e os anos, mas não tens condições para novamente cumprir os teus sonhos de vida e sentes que viver não é mais algo com sentido.

Muitas pessoas revêm-se nesta história com condições diferentes, mas em todas elas, muitas vezes perdemos mesmo as condições que permitiriam cumprir o que mais sentimos em nós.

O Mestre Usui indicava que a felicidade e a paz são elementos fundamentais para a nossa vida, mas que para os atingir, temos que fazer um trabalho diligente ao nosso interior.

autoestima Reiki Poemas do Imperador Meiji

Os sonhos de vida são uma espécie de ribeiro por onde sentimos que a nossa vida fluiria melhor, mas por vezes a mente mostra esse ribeiro, esses sonhos, de uma forma um pouco mais dourada e ilusória, não por mal, mas por ser talvez a forma mais fácil de ser identificado um sonho.

Quando sonhamos com a casa grande e o quintal para mexer na terra, o que verdadeiramente sentimos?

A necessidade de termos paz, de termos tempo, de estarmos em contacto com a terra, de termos um lugar de repouso e conforto. Talvez os nossos sonhos de vida não estejam bem naquela casa que vimos há tempos num filme, ou numa fotografia, ou num passeio que demos, talvez os nossos sonhos de vida apenas estejam dentro de nós mesmos.

Então, a prática de Reiki ajuda-nos a reavaliar conscientemente o que pretendemos, o que desejamos. Será que é algo que realmente é bom para nós e para os outros, será que temos as condições reais para o alcançar?

Para cumprirmos os sonhos de vida, precisamos saber cuidar deles corretamente e, novamente, os cinco princípios de Reiki ajudam-nos a ter esse cuidado.

Como os cinco princípios de Reiki nos ajudam com os sonhos de vida

  1. Só por hoje

    Enraiza-te, mantém os pés bem assentes na terra, para poderes realizar da melhor forma possível os teus sonhos.

  2. Sou calmo

    Lembra-te que tudo leva o seu tempo por isso não podes ansiar por algo, mas sim cultivar esse sonho com harmonia, para que ele floresça em harmonia.

  3. Confio

    Acredita em ti mesmo e na tua capacidade de criação. Reavalia os teus sonhos à luz do teu saber várias vezes, para que vás requalificando de forma correta tudo o que desejas.

  4. Sou grato

    Neste caminho de realização, nunca te esqueças de agradecer, mesmo pelas dificuldades, pois elas irão trazer-te grande sabedoria e reorientação para a tua vida.

  5. Trabalho honestamente

    Sê diligente no que pretendes, no criar condições para o tornar possível e também sempre aberta a comunicação contigo mesmo e com a vida.

  6. Sou bondoso

    Acima de tudo sê bondoso em todo o caminho dos sonhos de vida, não atropeles os outros para obter algo, nem o queiras obter de forma incorreta, mas leva todos os teus sonhos com mente e coração, com sabedoria e grande bondade.

Os sonhos de vida de alguma forma irão ser realizados, mas nem sempre como a mente os projeta. A prática de Reiki pode trazer-nos sabedoria, se nos aplicarmos e a entendermos verdadeiramente.

Cinco dicas para a desintoxicação digital com Reiki

Num tempo onde estamos cada vez mais acessíveis, das mais diferentes formas, podemos chegar a sentir-nos saturados e exaustos. A desintoxicação social começa a ser uma necessidade para muitas pessoas. Tudo sendo feito com equilíbrio e harmonia tem sentido.

Vamos ver como a prática de Reiki nos pode auxiliar na desintoxicação digital.

A desintoxicação digital pela prática de Reiki

Com a facilidade de ligação através das redes sociais, do acesso pelo telemóvel e emails, com wi-fi cada vez mais acessível, todos nos sentimos ligados. Observamos o que outros fazem na outra ponta do mundo, falamos com familiares distantes, criamos amizades longínquas e aumentamos o nosso saber com tanta informação, felizmente, disponível.

Muitos são os aspectos positivos desta nova era digital, mas tem também os seus revezes como tudo. A ansiedade criada pela necessidade de resposta, o sentir que os outros os “escutam”, o manifestar opiniões, o sentir que a vida tem sentido e ainda o enredar em amizades digitais que de forma alguma substituem a presença. Por vezes existe uma saturação tão pronunciada que algumas pessoas se sentem intoxicadas – consultam sempre o telemóvel, não conseguem estar momentos em silêncio, precisam constantemente de ir ver novidades ou, de alguma forma, sentirem-se ligadas com o mundo.

A grande questão é que se não for controlado o tempo digital, perdemos tempo real.

Através da prática de Reiki, podes considerar algumas reflexões para este processo de desintoxicação digital, caso aches necessário.

Cinco princípios, cinco dicas para a desintoxicação digital

Partilho contigo as perspetivas que a prática de Reiki te pode trazer para iniciares um processo de desintoxicação digital:

  1. Harmonia e Serenidade

    Se estares sempre atrás do telemóvel e dos contactos te traz ansiedade e perda de tempo, se sentes que há alguma frustração nisso, então lembra-te que é importante viveres em harmonia. Assim, dedica tempo a ti mesmo, voltando-te para o teu interior, não tanto na procura exterior.

  2. Confiança e Capacitação

    Se sentes que ficas mais preenchido com as medias sociais, tenta compreender o que te possa estar a faltar. É essa ausência que queres preencher se estiveres demasiado tempo no mundo digital, ou então apenas criaste um vício. Qualquer uma das situações não será muito positiva, por isso mesmo porque não praticares um pouco de meditação? Na prática de Reiki temos algo muito simples, o Joshin Kokyu Ho. A meditação é uma viagem ao interior e quanto mais tempo sabes estar contigo, mais forte ficas para ti mesmo e para os outros.

  3. Aprendizagem e Gratidão

    O equilíbrio é sempre o estado mais desejável na nossa vida, por isso mesmo, neste processo de desintoxicação digital, não te queiras alhear de tudo, mas sabe sim escolher o que é bom ou menos bom para ti. Essa tomada de consciência faz também com que a nossa vida tenha mais sentido.

  4. Honestidade e Diligência

    Não penses que perdeste tempo com tanto tempo passado ao telemóvel, tablet ou computador, foi um momento da tua vida e daí podes trazer muitas lições valiosas pois tocaste na vida de muitas pessoas ou foste tocado pelas suas vidas. Mas, na verdade, o que queres realmente fazer da tua vida?
    Esta tomada de consciência é um grande trabalho de honestidade para contigo mesmo e quereres manter-te num bom rumo para contigo mesmo é algo que requer diligência e observação. Por isso mesmo, pratica a filosofia de vida da prática de Reiki.

  5. Bondade e Compaixão

    Acima de tudo, quando queres retomar uma vida harmoniosa, tens que ser bondoso. Lembra-te do que te fez sofrer e de que existem também outros que sofrem, que a nossa vida é bem mais rica quando a partilhamos e quando ajudamos os outros. Capacitar, dar um reforço positivo, vivenciar coisas boas, é para isso que se quer construir uma vida harmoniosa e é por isso mesmo que por vezes devemos destralhar um pouco a vida, fazendo em vários aspectos dela algo que estamos a fazer com a desintoxicação digital.

Se fores um praticante de Reiki, aplica também o autotratamento regularmente e ainda a técnica Nentatsu ou Seiheki Chiryo.

Lembra-te que estás no controlo da tua própria vida e, por isso mesmo, podes definir como queres usar o teu tempo livro. Observa e escreve a forma como passas o teu tempo e distribui-o, tranquilamente e aos poucos, da forma mais equilibrada que te parece ser necessária.

Para se ser feliz é preciso assumir a felicidade

Quantas vezes pensas em ser feliz ou sobre o que é preciso para se ser feliz? Mas quantas vezes és feliz e não te apercebes disso?

O que é preciso para realmente se ser feliz?

Existem muitas condições para considerarmos que somos felizes, mas a percepção dessas condições vem da nossa mente, ou seja, consciente ou inconscientemente somos nós próprios que criamos os objetivos, as características e o que consideramos o caminho para se ser feliz.

Assumir a felicidade para se ser feliz

O Mestre Usui afirmou muito categoricamente que o método que praticamos tem duas bases fundamentais – a paz e a felicidade. Ele, pela sua experiência de vida, compreendeu que o ser humano necessita destas duas condições para estar verdadeiramente em equilíbrio e harmonia, em união com a sua própria vida.

Mesmo a pessoa com as menores condições de vida, tem momentos de felicidade. Mesmo alguém com uma condição debilitante ao nível emocional ou mental, encontra momentos de felicidade, mas a dificuldade está em conseguir mantê-los.

Compreender a felicidade

É muito claro que a felicidade é algo de próprio, individual, se bem que também uma comunidade, um povo, um país, podem ser felizes. É uma abordagem micro ou macroscópica dependendo da perspetiva que se tem.

Num indivíduo, podemos observar a felicidade por cada momento, situação e isso é uma abordagem microscópica. Se observamos o somatório da sua vida, estamos a ter uma abordagem macroscópica.

O interessante nesta perspetiva é saber ter um olhar equilibrado, entre o momento presente e o conjunto total da vida, assim como o futuro que se quer construir.

Então, ser feliz começa por compreender que felicidade estamos a construir para nós próprios. Para que isso corra da melhor forma possível, faz a seguinte pergunta a ti mesmo: O que é para mim a felicidade e ser feliz?

Manter a felicidade para se ser feliz

Será que o nosso propósito é sermos sempre felizes e será que isso é realmente possível em todos os momentos?

A resposta é sim e não. Isto quer dizer que sim, o nosso propósito de vida é sermos felizes pois faz parte de uma condição de harmonia e equilíbrio da própria vida, no entanto, é quase impossível que tal se reflita em todos os momentos pois existem condições internas e externas que nos impossibilitam de sentir ou estar em felicidade, como por exemplo o sofrimento que outros possam ter, uma doença, a guerra, entre outras condições.

Para mantermos a nossa felicidade temos que ter isto em mente, que não seremos sempre felizes e termos momentos de dificuldade, mas a nossa felicidade interior dependerá da capacidade de gestão que fazemos desses maus momentos. Se estiveres equilibrado interiormente, passarás pelos maus momentos com a serenidade suficiente para a tua felicidade geral não ser abalada, se não estiveres, sentirás que, de repente, perdeste toda a felicidade.

Seis propostas do Mestre Usui para melhorar e manter a felicidade

O Mestre Usui propunha-nos seis condições para trabalharmos o nosso interior, fazendo revelar o melhor de nós, aprimorar as nossas questões e assim sabermos lidar com as situações adversas que sempre nos surgem.

  1. Só por hoje

    Vive cada momento conscientemente, tendo em atenção as aprendizagens do passado e os objetivos do futuro.

  2. Sou calmo

    Cria harmonia em tudo o que faças, não só numa parte da tua vida, sê inteiro como um todo.

  3. Confio

    Acredita em ti mesmo e não te deixes descompensar. Lembra-te das tuas dificuldades e não faças com que os outros percam a sua autoconfiança, pelo contrário, ajuda-os a alcançá-la.

  4. Sou grato

    Agradece nem que seja pelo simples facto de estares vivo e poderes experienciar todas as questões pelas quais tens passado. Na verdade, se vires bem, tu consegues sempre chegar a um bo fim.

  5. Trabalho honestamente

    Sê diligente nas coisas que genuinamente são importante.

  6. Sou bondoso

    Tudo o que possas querer de bom para os outros, faz o mesmo por ti. O que queiras de bom para ti, leva até aos outros. Não estamos sós na vida e precisamos uns dos outros para crescer, compreender isto pode trazer grande felicidade.

Ser feliz é algo que depende de ti e como existem condições que dependem dos outros, precisas também de te lembrar de levar a felicidade aos outros. A tua atitude genuína e consciente fará toda a diferença na tua felicidade e na dos outros.

Começar um novo ano sem dívidas

Sempre que se chega um final de ano fazemos uma revisão e nada melhor que terminar e começar um novo ano sem dívidas, mas estas dívidas não têm que ser necessariamente monetárias.

Quando começamos a seguir a filosofia de vida do Usui Reiki Ryoho, compreendemos que há coisas que precisamos saber desapegar, pois estaremos ou a sobrecarregar-nos com dívidas ou a criar dívidas aos outros.

Ano novo sem dívidas numa perspetiva da prática de Reiki

A dívida implica que há algo a dever, algo que foi feito ou pedido que necessita de um equilíbrio para todas as partes. Quando criamos a energia de uma dívida, ela pode prender-nos a um determinado tempo e impedir-nos de avançar com a vida. Como se pode explicar isto?

Em muitas coisas da nossa vida nós temos tendência a procrastinar, adiamos, adiamos e adiamos ainda mais um pouco. Ou por esquecimento, ou por acharmos não ser importante ou ainda porque não temos capacidade no momento para lidar com a situação, quer seja por medo, por indecisão ou apenas porque estamos a ser irresponsáveis, não queremos assumir um compromisso.

Quando isso é traduzido para o campo da dívida, podemos começar a compreender porque algumas coisas não se movimentam mais – por vezes andamos a carregar muitas dívidas na nossa mente e no nosso coração.

Quantas mais carregamos, mais parados ficamos.

É por isso mesmo que devemos libertar-nos das dívidas, mesmo que sejam aquelas de dizer um obrigado ou de pagarmos €20.

O mesmo conceito se aplica para a criação de dívidas que levamos para o outro. Há alturas em que criamos condições de dívidas quando a pessoa nunca nos pediu isso e este aspecto é também muito importante de sanar, pois estás a apegar-te a uma pessoa e fazes com que a energia estagne aqui.

Como observar os cinco princípios para começar um ano novo sem dívidas

Uma boa forma de começares o teu ano novo sem dívidas é compreenderes todo este conceito através dos cinco princípios.

  1. Só por hoje

    Neste preciso momento, faz uma revisão do que achas que deves aos outros e do que achas que os outros te devem a ti. Pesa essas dívidas. Em relação às tuas, sabes o que deves fazer, em relação às que os outros têm para contigo, serão realmente importantes? Há apego? De que forma isso te condiciona a vida?

  2. Sou calmo

    Criar harmonia significa não gerar dívidas, tudo está bem. Observa esta questão das dívidas em relação à harmonia na tua vida e de que forma isso te tem perturbado.

  3. Confio

    Se estás a adiar o pagamento de dívidas é porque? Apenas questões financeiras ou porque há uma outra atitude encoberta? Esta reflexão poderá também trazer uma grande serenidade à tua autoconfiança.

  4. Sou grato

    Que lições tens a aprender com as dívidas que foste acumulando, o que achas que há a mudar com o ano novo?

  5. Trabalho honestamente

    Sê diligente a resolver as tuas dívidas. Se não o és isso acontece porque?

  6. Sou bondoso

    Resolver as dívidas poderá ser um ato de bondade, de valorização dos outros ou até mesmo de perdão. Como te sentes perante esta perspetiva?

Para terminarmos esta reflexão, principalmente se te sentes um pouco desorientado na vida, há algo que te pode ajudar a compreender o caminho, isso é uma simples questão: A vida é única, como poderás pagar à vida pela vida que tens?

A prática de Reiki auxilia-nos principalmente a despertar a consciência, é por isso mesmo que o nosso caminho tem tudo a ver com “A Arte Secreta de Convidar a Felicidade“.

Sofrer por amor – como Reiki nos pode dar uma perspetiva

Sofrer por amor é algo que não é apenas o registo da adolescência, muitas vezes esse padrão continua ao longo da nossa vida e, de uma forma ou de outra, acabamos por sofrer por amor. Como a prática de Reiki nos pode auxiliar a ter uma perspetiva mais saudável sobre o amor e como evitar esse sofrimento?

Sofrer por amor

Tudo começa quando somos ainda pequeninos. Quando não temos atenção sofremos pois não temos capacidade por nós mesmos de suprir as nossas necessidades do momento. Não temos capacidade para perceber se são boas ou realmente necessárias, mas sabemos, ou melhor, sentimos, que o que precisamos é urgente. Estas necessidades poderão ser o afeto e a atenção, ao que chamamos commumente de amor.

Quando em crianças sentimos falta de amor, esse vazio poderá criar em nós apego ao que sentimos falta e a ilusão de que realmente essa falta existe. Isto quer dizer que o amor poderá existir por parte de outros para connosco, mas não quer dizer que nós somos capazes de o aceitar, reconhecer ou ter o entendimento que ele é o que procurávamos e por isso mesmo, é o que nos basta.

Como identificar o sofrer por amor

Se estás a sentir que algo falta na tua vida e nada tem a ver com uma missão de vida ou caminho, então poderás estar a sofrer por amor. Isto significa que há algo que falta em ti, algo a que pedes atenção, afeto, carinho, compreensão, apoio. Não quer isto dizer que seja até a necessidade de uma relação amorosa com outra pessoa, ou de uma relação sexual, mas pode haver sim uma falta de amor em determinado aspecto da tua vida. Reflete então sobre as seguintes questões:

  1. Sentes-te incompreendido?
  2. Achas que ninguém te apoia nas tuas decisões?
  3. Há um vazio no teu peito?
  4. Sentes falta de alguém (mesmo que tenhas um relacionamento)?
  5. És uma pessoa que não baixa as defesas?
  6. Preferes ser duro que admitir uma necessidade sobre algo?
  7. Custa-te pedir ajuda?
  8. Achas que o teu lugar não é aqui?
  9. Apesar de seres alegre, há sempre um ruído de fundo de tristeza?

Estas questões são apenas meros exemplos que poderás desdobrar em muito mais, ajudando-te a compreender se estás a sofrer por amor. Se sim, significa que algo que consideras muito importante, está em falta na tua vida. Mas como poderás preencher essa ausência?

Sofrer por amor e a perspetiva da prática de Reiki

Se o amor está em falta na tua vida, na prática de Reiki temos algumas indicações que te poderão auxiliar a compreender o que se passa contigo e o que poderás fazer para suprimir esse sofrimento.

A arte secreta de convidar a felicidade

Mikao Usui

O Mestre Usui indicava que o seu método implicava um trabalho interior, que era um processo evolutivo e que serviria para convidares a felicidade. Isto quer dizer que a tua procura não está fora, não nos outros, mas sim em ti mesmo.

Ao longo da vida, vamos compreendendo que não é nos outros que precisamos encontrar amor. Se o encontrarmos, será muito bom, principalmente se o soubermos retribuir, mas o importante é sabermos descobrir o amor em nós próprios. É uma espécie de arqueologia interior que precisamos fazer pois este amor a que podemos chamar de amor próprio, é verdadeiramente aquele que nos pode aliviar de sofrer por amor.

Para nos ajudar nesse caminho, o nosso querido Mestre Usui indica cinco orientações que começam por uma atitude essencial:

  1. Só por hoje

    A quantidade de coisas na cabeça distância nos dos outros mas a ausência de propósitos leva-nos a ansiedade, ciúmes e obsessão. Só por hoje significa que estaremos presentes, atentos, conscientes. Compreendemos que a nossa cabeça não precisa estar cheia de coisas e as que tiver devem ser avaliadas – serão positivas ou negativas?

  2. Sou calmo

    Se sofro por amor como isso vai contra a harmonia que eu quero? De que forma considero que alguém não me dá algo e se é realmente esse o problema? O que eu dou e o que eu tenho em mim? Será mesmo assim?

  3. Confio

    Se quero ter confiança em alguém, em primeiro lugar tenho que ter confiança em mim mesmo. Terei?

  4. Sou grato

    Amor implica gratidão. Não e dívida, mas é a serenidade de compreender como algo é bom e maior gratidão terei se reconhecer que tudo o que procuro, também eu sei ter em mim e para mim.

  5. Trabalho honestamente

    Será que tenho trabalhado de forma diligente na minha arqueologia interior?

  6. Sou bondoso

    Bondade e amor tem tudo a ver um com o outro. Se não sou bondoso para comigo, também não sou capaz de amar – a mim mesmo e aos outros. Como o poderei fazer?

A prática de Reiki não te dá respostas, traz-te questões e são essas que, quando bem colocadas, te trazem uma grande elevação da consciência.

Os cinco princípios de Reiki são pilares de força interior e podem ajudar-te a redescobrires-te, a entenderes melhor o sofrer por amor que sentias e ainda a ultrapassar esse sofrimento pela prática consciente. Além destas reflexões, do autotratamento que poderás fazer, principalmente com o chakra cardíaco, podes ainda aplicar a respiração das nove purificações que encontrarás em O Grande Livro dos Chakras e da Anatomia Energética.

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén