O Tao do Reiki

Descobrir, Desenvolver e Crescer com Reiki

Categoria: 2018 – Relacionamentos (Page 1 of 2)

Novo emprego e como ir com boa atitude com Reiki

Se vais para um novo emprego há sempre uma nova boa atitude a ter e podemos usar a nossa prática de Reiki para nos ajudar a compreender alguns aspectos, para irmos com uma vitalidade e atitude positiva.

Como ir para um novo emprego com uma boa atitude e prática de Reiki

Podemos procurar um novo emprego por várias razões e algumas predem-se com mudança de padrões ou atitudes que não desejamos ter num emprego.

No emprego não precisamos ter amigos, mas precisamos cultivar afinidades para que possa haver um trabalho de equipa valioso e eficiente, aqui aplica-se o uso da inteligência emocional e não apenas do raciocínio lógico que nos faz ter a capacidade de executar o trabalho.

A gestão emocional, do ponto de vista energético, é um campo relacionado com o nosso Chakra do Plexo Solar. Ele é o responsável por gerir as emoções, filtrá-las, observar o que nos preocupa e ainda guiar-nos através do poder pessoal. Quando há um bom equilíbrio neste centro de consciência, vemos que a pessoa tem uma boa capacidade de dizer que sim, mas também de dizer que não. Dizer que não é uma forma de sabermos estipular fronteiras para os nossos limites. Não é encostarmo-nos, mas sim respeitarmos as nossas necessidades. Se o soubermos fazer, também saberemos respeitar melhor as necessidades dos outros. Então, um novo trabalho pede-nos também novas atitudes que podemos rever através dos cinco princípios:

  • Só por hoje – saber manter a atenção plena em cada tarefa que estamos a realizar, estarmos focados, uma coisa de cada vez, pois será o mais eficiente;
  • Sou calmo – a nossa harmonia é importante, por isso medita um pouco antes de ires para o trabalho e porque não fazeres pequenas pausas de 1 a 2 minutos para manteres a mente vazia? Quando crias a tua harmonia, consegues também criar harmonia no teu novo emprego;
  • Confio – acredita em mim, vale mesmo a pena. É claro que consegues porque sempre conseguiste de uma forma ou de outra. Estás no aqui e agora e sempre conseguiste, por isso vale a pena acreditares e confiares em ti. Ao criar afinidades há algo de muito importante – saber cultivar e capacitar a autoconfiança dos outros!
  • Sou grato – aprendemos muitas lições de vida com os trabalhos anteriores, quando estamos atentos percebemos o que queremos e o que não queremos, podemos então mudar a nossa atitude e até agradecer pelas más experiências, foram elas que nos trouxeram a este bom momento;
  • Trabalho honestamente – a verdade, integridade e a comunicação são peças fundamentais no nosso trabalho. Sabemos que mesmo o novo emprego não será perfeito e cada empresa tem os seus lados a trabalhar, ter isto em mente ajuda-nos a fazer parte da equipa e a ajudar a melhorar o que há a melhorar, sem nos apegarmos às diferenças. A comunicação é importante, principalmente quando aliada ao quinto princípio;
  • Sou bondoso – ser bondoso não significa dizer a tudo sim ou concordar com tudo, mas sim ter harmonia, confiança, sentido de gratidão e verdade no que fazemos. Cultiva a bondade em ti e fá-la espelhar-se nos outros, sê gentil, educado e divertido, a alegria cultiva boas afinidades e ajuda a levantar alguns maus ambientes. Ajuda os teus colegas da melhor forma que possas, assim como ajuda a empresa, tudo isso faz parte do nosso trabalho como ser humano. Quanto melhor a tua empresa e os teus colegas estiverem, com certeza que tu também estarás bem.

Ter um novo emprego é sempre um bom desafio, não vale a pena ficar nervoso ou até elevar demasiado as expectativas, vamos encarar cada dia com realidade, mas também com uma atitude positiva. A tua prática de Reiki pode ajudar-te a manter o equilíbrio com o autotratamento e ainda mais com as técnicas para a meditação e pensamento positivo.

Muitos parabéns pelo novo emprego e que tudo corra bem, só por hoje, um dia de cada vez.

Como compreender quando a doença faz vir toda a adversidade ao de cima

Já te aconteceu estares doente e de repente toda a adversidade, todas as coisas começarem a correr mal? Isso poderá acontecer e vamos tentar compreender porque.

A adversidade que se abate sobre nós, quando estamos doentes

Há alturas em que por alguma razão ficamos doentes e depois parece que o céu cai sobre nós. Toda a adversidade surge, as coisas tornam-se muito complicadas e parece que tudo corre mal.

De um ponto de vista da energia, isso pode ter uma explicação. Ao longo de muito tempo, a nossa capacidade positiva pode conter a adversidade, como se fosse uma barragem. Mas essa energia da adversidade continua presente de alguma forma, por vezes até mesmo a cultivar doença, ou melhor, desequilíbrio e desarmonia, que um dia irá despontar.

Ao ficarmos doentes, tornamo-nos frágeis, a capacidade de estar atento à adversidade diminui porque estamos focamos na doença, a nossa aura, ou seja, a soma da nossa energia está fragilizada, intermitente e, de repente, a barragem abre as suas comportas e todo o potencial da adversidade abate-se sobre nós.

É por isso que temos sempre que ter em atenção dois aspectos:

  1. Aplicar e receber Reiki regularmente;
  2. Observar constantemente o potencial de adversidade que se acumula em nós.

A adversidade é, de alguma forma, energia densa, é como se estivesses a acumular electricidade estática no teu corpo e um dia, ou descarrega ou irás levar ou choque, ou dar um choque a alguém. Da mesma forma, a adversidade ou é removida, transformada, ou então torna-se num potencial que te poderá magoar ou magoar outros.

Como lidar com a adversidade

Em primeiro lugar precisamos compreender que a adversidade ou melhor, o potencial da energia densa, é algo que faz parte da vida de todos. É impossível escapar, pois faz parte, no entanto podemos ter a capacidade de a observar, para o fazeres podes meditar regularmente, usando a técnica Joshin Kokyu Ho.

Tenta compreender o porque da adversidade, porque ela surge, como surge, o que tu fazes com ela. Pratica o Ikari no Kokyu Ho, a técnica da respiração luminosa, para ires trabalhando essa acumulação de energia. Se vires que não estás a conseguir, faz uma consulta de Reiki e tenta também perceber de que outra forma poderás trabalhar contigo mesmo.

Trabalha com os cinco princípios de Reiki e sê bondoso para com a própria adversidade, compreende as lições de vida que te traz e de que forma isso te pode conduzir à harmonia.

Lembra-te, a adversidade e o potencial negativo são naturais, podem ser trabalhados e evitados, com as condições que criares. Pratica Reiki com uma atitude positiva.

O que fazer quando família e amigos não acreditam em Reiki

Alguns membros da família e dos nossos amigos, não acreditam em Reiki e por vezes isso tem um impacto grande na nossa prática, motivação ou mesmo poderá ser uma razão para se desistir.

Se a família e amigos não acreditam em Reiki não há problema

Se há alguém que tem que acreditar na prática de Reiki és tu. O Usui Reiki Ryoho, ou seja, o método criado e ensinado pelo Mestre Mikao Usui, não faz apologia de religião ou de movimentos espirituais, é uma filosofia de vida universal e uma prática terapêutica, em primeiro lugar para ti e depois para os outros.

Assim sendo, há um grande foco nesta prática – tu mesmo. Não precisamos de crenças ou de cultivar crenças, mas precisamos perceber se isto realmente nos é benéfico ou não, se encontramos benefício em ser útil aos outros ou não. Se encontramos este benefício mútuo, sabemos que é uma prática valiosa.

Se a família e amigos não acreditam em Reiki e no que fazemos, temos que ter o coração no lugar certo e não nos sentirmos ofendidos ou fragilizados por isso. É natural que não compreendendo corretamente o que é Reiki e vendo algumas práticas mesmo muito esquisitas que dizem ser Reiki, mas nada tem a ver, é muito compreensível que por vezes tenham um mau julgamento ou nem queiram saber o que é. Assim, podes fazer o seguinte:

  • Sem querer “vender” ou “convencer”, indica claramente o que é a prática de Reiki, mostra em primeiro lugar a filosofia de vida e como os seus valores são universais, como essa prática é para ti e como te tem mudado;
  • Depois, explica que é para te tratares em primeiro lugar;
  • Enquadra também o sentido de que trabalhamos apenas com energia, não usamos santos, anjos, guias, ou quaisquer referências espirituais, isso sim fará parte da crença de cada um;
  • Esclarece que é um método japonês criado em 1922;
  • Indica que qualquer pessoa pode praticar, porque a energia é algo comum em todas as pessoas;
  • Pergunta à pessoa se não quer experimentar, para perceber melhor o que é. Lembra-te que, por vezes, “santos da casa não fazem milagres” e poderás recomendar experimentar com um colega teu.

Acima de tudo não sintas que as outras pessoas te têm que compreender, pois o mais importante é que tu mesmo sintas a “Arte Secreta de Convidar a Felicidade” e continues o teu progresso, para o equilíbrio e harmonia. Não precisamos apregoar que praticamos Reiki, nem precisamos que todas as pessoas pratiquem Reiki, este é um caminho único que, se fizer sentido para alguém, essa pessoa o encontrará, não precisa ser convencida, apenas o precisa de viver.

Sente no teu coração os cinco princípios, vais ver que não há problema algum em família e amigos não acreditarem em Reiki, não há nada em que acreditar, mas há muito que viver em prática.

Quando não temos bondade pelos outros

Com certeza que já tiveste momentos em que não tiveste bondade pelos outros ou que até sofreste da ausência de bondade pelos outros, mas porque surge esta falta de vontade e de que forma a prática do Usui Reiki Ryoho nos pode ajudar?

Quando não temos bondade pelos outros e como ultrapassar esse sentimento

Muitas situações na vida nos podem fazer ir perdendo a bondade pelo caminho – as desilusões, as aparências, mágoa, tristeza, e também a falta de quem transmita corretamente o que é a bondade, como ser bondoso e não cair no erro de ser “bonzinho”. As relações humanas não são fáceis e surgem cada vez mais dificuldades pelo meio que não fomos aprendendo a lidar com elas, como uma sociedade genuinamente preocupada com o bem comum. Com tantas desilusões na vida, nos nossos vários sectores, é fácil chegarmos a um momento em que não temos bondade pelos outros e apenas queremos centrar em nós mesmos.

Fazê-lo irá trazer grandes riscos. O nosso chakra cardíaco irá fechar-se, o plexo solar ficará cada vez mais incapaz de gerir emoções. Então, ao invés de ficarmos melhor por nos afastarmos dos outros, iremos é, na verdade, ficar cada vez pior. Todos precisamos de todos, é uma interdependência comum e a bondade é uma “cola” muito especial que nos pode unir.

A bondade faz parte do quinto princípio de Reiki, onde o Mestre Usui constata – Só por hoje, sou bondoso. É uma tomada de consciência diária onde nos é pedido para que nos lembremos de nós mesmos, para cultivarmos uma grande bondade no nosso coração e também na nossa mente. Com a bondade, podemos levar aos outros algo de bem melhor em todos os campos da nossa vida, pois esta é uma bondade construída com sabedoria e não apegada a uma ausência que se tenha e se queira compensar com os outros.

Ser genuinamente bondoso para com os outros é saber expressar com sabedoria a compaixão, compreender que nem tudo tem que ser sim e que por vezes até um não é educativo. Se perderes a bondade pelos outros ou se alguém não for bondoso para contigo lembra-te que o sofrimento nos faz encolher, mas que a aceitação, o entendimento, nos fazem expandir.

Pratica Joshin Kokyu Ho, a prática meditativa que te irá auxiliar a esvaziar a mente, para que o teu coração cresça cada vez mais compassivo.

Os poemas do Imperador Meiji para quando não temos bondade pelos outros

O poema que me surgiu é bastante curioso, é o poema 101 e é uma advertência ao cuidado, ao trabalho diligente e decente que deve ser feito por aqueles que governam. Podemos também aplicar este conceito a nós mesmos, que supostamente governamos a nossa própria mente e coração. Tendo isso em consideração, o poema faz muito sentido na construção da bondade.

101 — CRÍTICA

Espero que o nosso país seja considerado como um país decente, governado corretamente. Governadores e políticos, façam o vosso melhor!

Quando nos apetece baixar os braços como pode Reiki ajudar?

Há alturas na vida que só nos apetece baixar os braços e pronto, ficar por ali, bem quietos, não mexer, sem querer que ninguém nos chateie. Baixar os braços pode ser bastante prejudicial para tudo o que representamos e para a nossa autoestima, por isso mesmo, vamos observar o que a filosofia de vida na prática de Reiki tem a dizer sobre isso e como nos pode ajudar.

Quando Reiki nos ensina a não baixar os braços

O nosso quarto princípio é, em português, Só por hoje, trabalho honestamente. Na verdade, no Japão, este princípio é uma advertência – trabalha diligentemente, trabalha arduamente. Este conceito tem tudo a ver com aquilo que agora se descobre, o “ikigai”, uma vontade de viver cultural e que tem como um dos pilares, a diligência, ou seja, nunca baixar os braços, nunca parar, ser sempre ativo na sociedade, de forma construtiva e positiva.

Temos a tendência de baixar os braços quando sentimos que nada podemos fazer, não podemos mudar os outros, o mundo, há corrupção, há insensibilidade, há oportunismo e bom, fartamo-nos de quem é falso e, muitas vezes se faz parecer de grande, sábio e bondoso. Por vezes sofremos de bullying no trabalho, outras na escola e até mesmo em casa… baixamos os braços.

Mas a prática de Reiki, à qual o Mestre Usui indicava como sendo “A Arte Secreta de Convidar a Felicidade“, pede-nos para cultivarmos harmonia, confiança, gratidão, sendo diligentes e bondosos. Ou seja, prosseguindo sempre apesar das adversidades.

A grande lição de vida é mesmo observar a nossa frustração. Porque será que queremos que os outros e o mundo sejam de determinada forma?

Como podemos observar que tudo necessita de evolução e que a evolução humana, da mente e do coração, é algo de tão longo que mais rápido falamos de evolução tecnológica do que inteligência emocional. Assim, não percas de vista a excelência que se pretende para a humanidade, mas tem em consciência que isso será um processo bem longo, que se tu mesmo não evoluires, então de nada serve.

Baixar os braços é parar a evolução, é parar a vida. É como uma árvore dizer “agora desisto, podem queimar-me pois já não vale a pena viver”. O problema é que muitas espécies dependem daquela árvore singular, de formas que nem ela sequer desconfia. Assim é connosco, não podemos baixar os braços porque a nossa diligência para uma vida mais harmoniosa e feliz contribui para a harmonia e felicidade mundial.

Pratica autotratamento, não desistas, procura alguém que te possa tratar e estimular a compreender porque estás a baixar os braços. Só por hoje, vale a pena todo o esforço que se faz, até ao fim da vida.

Os ensinamentos do imperador Meiji para não baixar os braços

Tentando compreender a sabedoria nos poemas do Imperador Meiji, trouxe-me a sorte este poema 57, sobre a noite. Uma boa advertência para não se baixar os braços perante a vida.

57 — NOITE

Quando a noite chega, percebes como desperdiçaste o dia todo. Vive o momento e não desperdices tempo.

Enviar Reiki para amigos

Os nossos amigos são tão importantes que precisamos enviar Reiki para eles com regularidade e podemos fazê-lo de uma forma tão bonita e preciosa.

Como enviar Reiki para os nossos amigos de coração

Com o segundo nível de Reiki aprendes a técnica Enkaku Chiryo, o envio de Reiki à distância. Muitas vezes enviamos Reiki para quem está doente, ou para quem nos pede ou necessita, mas devemos também enviar Reiki mesmo para quem “não esteja a precisar”, neste caso prático, os nossos amigos.

Na vida temos amigos genuínos, amigos de coração, que talvez sejam menos que os dedos de uma mão. São amigos que o tempo não distancia, mas que os momentos da vida podem ter em distância, no entanto, no nosso reencontro, tudo está como antes, a amizade mantém-se.

Então, esses amigos são como uma jóia preciosa que não se gasta com o tempo nem se desvaloriza, por isso mesmos, sempre que possamos, podemos enviar Reiki para eles, por exemplo, da seguinte forma:

  1. Faz o banho seco;
  2. Liga-te à energia e recita os cinco princípios;
  3. Desenha ou visualiza os três símbolos do último para o primeiro;
  4. Indica “Vou iniciar o envio de Reiki à distância”;
  5. Visualiza o teu amigo;
  6. Imagina como se estivesse entre as tuas mãos e envia-lhe Reiki;
  7. Pede para a energia lhe dar alegria, paz, felicidade e muitas coisas boas na vida;
  8. Visualiza-o muito feliz;
  9. Quando quiseres terminar, imagina que ele vai desaparecendo muito contente;
  10. Desenha ou visualiza os três símbolos;
  11. Indica que “Termino o envio de Reiki à distância”;
  12. Faz o banho seco;
  13. Agradece.

Os nossos amigos são mesmo muito importantes, vale a pena enviar-lhes Reiki e dar-lhes o desejo de tudo o que há de bom na vida.

Como lidar com a falta de gratidão

Um dos temas mais interessantes na prática de Reiki é a filosofia de vida e a falta de gratidão é algo que podemos observar à luz da sua sabedoria, pois pertence à categoria do terceiro princípio – Só por hoje, sou grato.

Como lidar com a falta de gratidão tendo entendimento e cumprindo a prática de Reiki

Quando alguém sente a falta de gratidão de outrem é como se lhe retirasse as esperanças do que faz, ou como se lhe espetassem uma faca no coração. Como esta atitude é tão fulcral para todos nós, precisamos compreender os dois lados – o da pessoa que manifesta a falta de gratidão e o da pessoa que sofre com essa ausência.

Alguém que, em determinado momento, falha a expressão da gratidão, é porque talvez não saiba o que isso quer dizer para a outra pessoa, porque talvez tenha introversão, ou não consiga mesmo comunicar aquilo que sente, claro que podem existir muitas mais razões, algumas que podem tocar a indelicadeza, mas isso será sempre algo que apenas nos transmite uma ideia – a ausência de entendimento.

Para quem sofre com a falta de gratidão, há muito a refletir. Por um lado, não nos devemos apegar, não é bem o conceito de “fazer o bem sem olhar a quem”, mas sim o de compreender que se necessitamos de dar algo a outrem, porque o fazemos?

Tendo esta consciência, sabemos que a maior gratidão é aquela que está dentro de nós mesmos, o reconhecimento valioso da autoestima e o da autoconfiança, então, se a falta de gratidão te magoar, ela irá tornar-se um excelente exercício para tu te reforçares interiormente.

Observa bem esta questão através dos cinco princípios, tenta compreender de que forma a pessoa te magoou e porque isso tirou a tua calma, porque fez tremer a tua autoconfiança e que lição bondosa isto traz, para que possas continuar a dar, sabendo lidar com todas as possíveis situações.

Aplica o teu autotratamento, nas zonas que possas sentir mais fragilizadas, para que a mágoa não se instale e não percas a tua capacidade de doação.

Refletir com os poemas do Imperador Meiji sobre a falta de gratidão

O primeiro poema que me surgiu ao procurar uma indicação sobre a falta de gratidão, foi o terceiro, “Às vezes”. A sua reflexão traz-nos muita sabedoria e lembrança que, mesmo que alguém tenha uma lição de falta de gratidão para nós, podemos sempre crescer muito com isso mesmo.

3 — ÀS VEZES

Quando pensas sobre os agricultores pobres, que trabalham arduamente no campo de arroz, no verão quente, como podes reclamar por estar quente?

Também nós, em muitas coisas na nossa vida demonstramos falta de gratidão, pois elas parecem ser óbvias. Por isso, agradecer por termos conduzido sem um acidente, agradecer por vermos pessoas desconhecidas a rir, agradecer pelo mau tempo, agradecer pelo sol, agradecer até por uma refeição que foi mal confecionada, tudo isto nos ajuda cada vez mais a ter uma mente e um coração cheios de cinco princípios, tendo-os assim, nunca teremos a falta de gratidão.

A falta de autoconfiança e como lidar com ela

A falta de autoconfiança é uma questão que assola a vida de todos nós, algures na vida e poderá manter-se mais ou menos tempo, consoante a nossa capacidade compreender quem somos e o potencial que temos. A falta de autoconfiança pode ser um trampolim para um grande crescimento humano ou um caminho descendente e vertiginoso, do qual não se vê volta a dar.

Como podes lidar com a falta de autoconfiança

Vamos encarar uma situação e, de repente, parece que algo em nós está a faltar, uma força, uma vontade, algo de interior. Procrastinamos, adiamos o inadiável e, cada vez mais, vamos sofrendo com esta falta que estamos a ter.

A autoconfiança pode surgir da nossa própria desatenção ou de condições exteriores, como a pressão, atitudes constantes que outros possam ter para connosco, ou da dificuldade que encontramos em determinado percurso da vida. Em última análise, a falta de autoconfiança é como o esquecimento do regar e cuidar de uma bela flor interior. À medida que vai faltando água e nutrientes, ela vai mirrando, até murchar.

O segundo princípio de Reiki, Só por hoje confio, vai ao encontro da necessidade que temos de ultrapassar as crises de falta de autoconfiança, compreendendo que tipo de sofrimento estamos a passar, que insatisfação permanece em nós e o que precisamos de cultivar para conseguirmos chegar a nós mesmos.

Se estás a passar por uma crise de falta de autoconfiança, observa a tua questão à luz dos cinco princípios. De que forma foste perdendo o teu equilíbrio e harmonia e que lições tens a compreender, para que possas olhar para ti e perceberes o que é realmente importante neste longo caminho da vida.

Aplica autotratamento regularmente, trabalha bem os teus chakras inferiores e lembra-te que tudo requer trabalho e aplicação – tu consegues, isso sem dúvida alguma. Se necessário procura também um terapeuta de Reiki e caso haja uma condição médica, procura um especialista recomendado.

A reflexão através dos poemas do Imperador Meiji

Procurei, entre os 125 poemas do Imperador Meiji, um que à sorte me pudesse falar sobre a autoconfiança:

40 — TOPO DA MONTANHA

Pode parecer impossível escalar o topo da montanha que sobe alto no céu, mas irás encontrar uma forma se tentares. Há um caminho se houver uma vontade.

Na sua grande sabedoria, o Imperador Meiji adverte-nos que, apesar da montanha parecer inalcançável, há sempre uma forma de chegarmos ao seu topo. Precisamos tentar, com vontade e com o desenvolvimento da sabedoria.

Como lidar com a falta de calma

A falta de calma é algo que nos assola o quotidiano, com frequência. Não porque sejamos pessoas que não cultiva a calma, ou não quer ser calmo, mas sim porque algo nos faz ter falta de calma.

As lições da prática de Reiki para lidar com a falta de calma

Se te encontras num momento de falta de calma, a energia pode ajudar-te a perceber o que se está a passar contigo. Reiki, a Energia Universal, tem tudo a ver com equilíbrio e harmonia, ela representa a Energia Criadora da Natureza e, como tal, no mundo natural tudo tem que permanecer em harmonia, caso contrário, as reacções podem ser devastadoras.

Experimenta aplicar o autotratamento completo. Coloca a intenção de compreenderes porque estás com falta de calma e que a Energia te auxilie a encontrar a harmonia que perdeste temporariamente. Sente como estás em cada posição, que imagens surgem na tua mente, que emoções transbordam do teu coração. Tudo isso pode ter a ver com a tua falta de calma.

Observa se estás com demasiado stress acumulado. A prática do autotratamento poderá auxiliar, a não ser que tenhas ficado com algum “trauma”, ou seja, com um novo padrão que te leva sempre a um comportamento errado ou até autodestruidor.

Lembra-te dos cinco princípios. Esta falta de calma tem tudo a ver com o primeiro princípio, por isso mesmo é que a harmonia é a base da nossa prática. Tenta pensar porque razão perdeste a tua harmonia, a calma e se realmente vale a pena estares a prosseguir com essa falta de calma. Num segundo, tudo pode mudar se a tua mente se iluminar, ou seja, se te desapegares ao objecto do teu sofrimento e te focares naquilo que é verdadeiramente importante, ou seja, tu mesmo.

Sempre que te estejas a sentir com falta de calma, retira-te interiormente, mesmo que estejas rodeado de gente. Silencia-te e recita interiormente os cinco princípios, de forma genuína. Entrega-te a eles, à filosofia de vida e sente como nada do que te tira a calma faz sentido.

Se estás a lidar com alguém que está com falta de calma, então observa também alguns conselhos da nossa prática.

Se essa pessoa te está a fazer sofrer, significa que ela também está em sofrimento. De alguma forma, ela tem uma dor, como se fosse um espinho cravado e está a reagir violentamente. O que é preciso é que não interpretes essa reação como se fosse dirigida a ti. Muito possivelmente ela nem sequer te está “a ver”, apenas está estimulada por algo que lhe aconteceu e, perante esta situação, reage com falta de calma.

A reflexão através dos poemas do Imperador Meiji

Para estes momentos com falta de calma, procurar encontrar o teu centro também nas palavras sábias do Imperador Meiji. Por exemplo, ao escrever este artigo para ti, deparei-me à primeira vista com o poema 85 e fez todo o sentido.

85 — BARCO ATRAVÉS DO CANAVIAL

Pode ser difícil atravessar o rio cheio de canas grossas. No entanto, leva tempo para controlar a forma como usas uma longa vara lentamente: alcançar o objetivo é um caminho longo e difícil, mas leva o teu tempo e mantém-te focado.

As dificuldades da ausência de harmonia e calma são como as canas grossas que dificultam a travessia do rio. Se souberes ser sábio, usando a tua harmonia interior e genuína como condutora do teu comportamento, da tua acção e reação, aquele que é um caminho longo torna-se mais fácil de levar.

Reconquistar o poder pessoal

Poder pessoal é um conceito que pode estar agora em voga, mas nem sempre é bem compreendido, apesar de muitas vezes sofrermos com o efeito do excesso ou defeito da sua energia.

O poder pessoal e como o reconquistar

Já sentiste borboletas na barriga quando tens que ir a uma reunião? Ou uma espécie de murro no estômago em determinadas situações e confrontos de opinião?

Estas são algumas das formas de expressão do teu poder pessoal. No campo da energia, podemos encontrar o poder pessoal no Chakra do Plexo Solar, ou seja, o nosso terceiro Chakra que fica na região abdominal do estômago, pâncreas. Este terceiro Chakra é conhecido, pelos hindus, como Manipura, que significa a Cidade das Mil Jóias. Mas porque terá um Chakra um nome tão efusivo?

Este Chakra não representa apenas energia, mas também uma tomada de consciência, é aqui que reside a nossa “digestão” emocional, a gestão de todas as emoções/pensamentos que temos e, por consequência, a nossa capacidade de lidar com elas, daí ser também o centro do nosso poder pessoal.

Muitas situações da nossa vida destroem o nosso poder pessoal. Isto acontece porque muitas razões, como a pressão de actividades que temos que pouco espaço nos deixa para refletir, filtrar e construir as emoções/pensamentos, a fraca capacidade de comunicação com que lidamos diariamente, o bullying que sofremos pela parte da moralidade e racionalidade, assim como a destruturação que as relações têm estado a encarar nestes nossos dias.

Sem dúvida que são muitos os fatores que te podem deixar sem poder pessoal, esses são fatores exteriores, mas o teu interior está também com alguma fragilidade, caso contrário, nada exterior te afectaria. Então, para recuperares o teu poder pessoal e reconquistares a tua autoestima, poderás fazer algumas práticas de Reiki:

  1. Através do byosen, sente que partes do teu corpo estão mais em desequilíbrio e necessitam de tratamento;
  2. Depois, aplica o teu autotratamento, tendo um especial cuidado com esses locais;
  3. Irás reparar que o poder pessoal tem a ver com uma atitude, por isso mesmo, reflete com os cinco princípios, de que forma o teu poder pessoal está a ser minado ou de que forma não te estás a saber valorizar;
  4. E porque não refletires com os poemas do Imperador Meiji?
  5. Quando compreenderes bem o que há a mudar, experimenta a técnica Seiheki Chiryo, será muito importante para o teu trabalho interior.

A reconquista do poder pessoal é muito importante e tenho a certeza que o conseguirás fazer. Nunca te esqueças de quem és e lembra-te de uma preciosa lição – o que sofreste, não faças os outros sofrer. Ou seja, revê as tuas ações para com os outros, capacita-os e não os faças sofrer. Inconscientemente fazemos muitas pessoas sofrer, precisamos levar isso à nossa consciência e começarmos a mudar os padrões que temos. O poder pessoal é muito importante, faz parte de uma enorme harmonia que deve existir na humanidade.

O RGPD como aplicares Reiki para as novas regras do Regulamento Geral de Proteção de Dados

A partir de 25 de Maio de 2018 surge o novo RGPD, o Regulamento Geral de Proteção de Dados e com ele, gigantescas dores de cabeça e muito mais para pessoas, empresas e colectividades.

Podes ler mais sobre o Regulamento Geral de Proteção de Dados no site da União Europeia, aqui e ainda aqui…

Como observar o RGPD através de Reiki por parte de empresas e dos cidadãos

Por um lado, o Regulamento Geral de Proteção de Dados vem trazer um grande alívio a muitas pessoas que recebiam informação sem sequer a ter pedido. Este torna-se um garante que tal não pode acontecer, o que vem a ser um grande desafio para trabalhadores independentes, empresas e colectividades que usam dados como o email para comunicarem os seus produtos ou ideias.

É um esforço que leva a repensar muitas estratégias de comunicação, felizmente, e que para nós, praticantes de Reiki, podemos pensar nisto como um esforço diligente para actos genuinamente bondosos. É como se esta fosse uma oportunidade para limpar a casa e prepará-la para obras que a tornarão ainda melhor.

No entanto, apesar de Portugal ter um elevado índice de compra de telemóveis e computadores, não significa que as pessoas compreendam exactamente o que devem fazer. Quer da parte de empresas, quer da parte do cidadão, não é fácil, poderá ser estranho e, de repente, a pessoa fica num vazio de informação.

Então é mesmo importante observarmos esta mudança drástica através da prática de Reiki.

Vamos colocar uma situação que observei ao longo de muitos anos:

  • Alguém recebe emails de uma empresa e não quer mais recebê-los, no email vem um link que indica para a pessoa remover a sua subscrição;
  • A pessoa não carrega no link, mas envia um email a pedir para removerem a subscrição;
  • A empresa não olha para esse email, porque está habituada à automação do processo, porque tem um link para tal;
  • Sai mais um email e a pessoa recebe-o;
  • Envia um email de reclamação, com algumas ofensas e ameaças pelo meio;
  • Finalmente, alguém na empresa vê o email, fica muito envergonhado com o teor e responde pedindo as maiores desculpas;
  • A pessoa responde novamente com ameaças;
  • A empresa continua a investir na automação e só de vez em quando é que vão ver os emails de resposta.

Com a nova lei, algo pode correr bastante mal devido às reclamações, mas também nada é tão linear quanto isto, não viramos ainda um filme americano onde qualquer pessoa processa outra, é preciso um pouco mais do que isso, mas observando tudo isto através da prática de Reiki, compreendemos que:

  1. As automações não são resposta para tudo e que uma pessoa nunca deve ser “substituída” por um processo automático;
  2. Quem sente que está a receber informações que não pediu, tem todo o direito a requerer a remoção, mas pode levar a situação de forma calma e bondosa, compreendendo que quem está por detrás de um email, por vezes, não tem culpa alguma da situação e que por vezes ainda é uma pessoa em maior sofrimento, com pressão sobre números, click e links abertos;
  3. Se ninguém responde, tentar de outras formas a remoção e ler bem a política de remoção, novamente, reforçando uma atitude pacífica e harmoniosa, pois por vezes os erros acontecem;
  4. Da parte das empresas, tem também que haver uma consciência do processo e um reforço para que tudo corra da melhor forma possível. Há que lembrar que quem reclama, por vezes não está a reclamar sobre um determinado email, mas sim que sofre muito e tem que descarregar em alguém… Precisamos também ser bondosos para com essa pessoa.

Devemos mesmo trabalhar com maior consciência de que fazemos algo de pessoas para pessoas, que cada vez mais deve haver humanidade no processo. Isto também quer dizer que precisamos aprender a comunicar. Quem não se lembra de quando escrevia uma carta para a Madeira e recebia a resposta quase um mês depois?

Hoje escreve-se um email, espera-se uma resposta em cinco minutos, pois de seguida vai sair um whatsapp, mensagem de facebook, sms, etc… ou então perde-se em absoluto a atenção sobre aquela situação por se sentir em desconsideração. É um fruto de toda a comunicação desenfreada, que na realidade não tem nada de real.

O RGPD é uma iniciativa muito interessante, mas não será fácil de cumprir de forma célere, por isso, tem bondade nas tuas reclamações, lembra-te que do outro lado também estão pessoas e quando elas vêm um email de reclamação, se este for bondoso, elas terão o seu dia melhor, ficarão aliviadas e não traumatizadas, quando receberem novos. Assim vamos criando uma cultura mais genuína e bondosa, sem dúvida que seguindo os cinco princípios:

  • Estar presentes nas nossas decisões e promover harmonia;
  • Sentir confiança nas ações, mas também promover a autoconfiança aos outros, principalmente não os rebaixando;
  • Compreender a lição de cada momento;
  • Ser diligente na resolução das questões;
  • E sem dúvida, ter uma atitude bondosa, quer na realização ou no recebimento de reclamações.

Só por hoje, é bom ser praticante de Reiki e ter boas ferramentas para trabalhar.

Se de alguma forma perdeste a tua subscrição e quiseres retomá-la, podes preencher o seguinte formulário…

Como compreender a Missão de Vida

Todos nós chegamos a algum momento em que queremos compreender a nossa missão de vida. O que estou cá a fazer? Para que? sentimos que há algo mais do que aquilo que fazemos todos os dias e que, possivelmente, não nos estamos a cumprir.

Compreender a missão de vida e como a encontrar

Desesperamos por não entender a nossa missão de vida porque consideramos que é uma única, ou seja, algo de grande que é orientador, mas será mesmo?

Se observares a tua vida, irás ver que segues o grande caminho da vida, mas que nesse caminho existem várias vias paralelas. Vias que representam algo como:

  • As amizades;
  • A família;
  • O trabalho;
  • A paixão;
  • Os desafios que temos que ultrapassar;
  • E muito mais…

Em cada uma destas vias, temos uma missão de vida.

Se encarares as coisas que são mais fortes na tua vida, como os exemplos que dei, poderás compreender, realmente, que não existe algo como uma única missão de vida, mas sim um conjunto de missões que no seu todo farão a tua missão de vida.

Começa então por ter o entendimento do teu percurso de vida. Como te relacionas com os teus amigos e o que há a melhorar, o que podes fazer para que a tua família seja mais estruturada, o que há a realizar no trabalho e nos relacionamentos do trabalho, que coisas te motivam na vida e o que tens feito para as alcançares e, principalmente, quais os maiores bloqueios, desafios, na tua vida.

Ao realizares estas questões irás compreender melhor a tua missão de vida, vais entender que há algo de base que precisa ser trabalhado, assim como há uma paixão que te movimenta ao longo da vida… e assim vais descortinando aquilo que antes pensavas ser difícil de descobrir.

Mantém-te firme naquilo que acreditas e muda o que tens que mudar, para teu bem e sempre para bem de todos. Define de que lado da estrada estás e, mesmo que faças alguns desvios, consegues sempre regressar a esse lado.

A tua missão de vida é sem dúvida importante, porque a tua vida é importante.

 

Encontro CENIF com caminhada na Serra da Estrela

Dias 16 e 17 de Junho, as várias escolas de Reiki CENIF irão realizar um encontro na Serra da Estrela
Esta atividade, organizada pelos  grupos de caminhadas das escolas de Guimarães e Amadora, pretende promover o encontro, conhecimento e convívio de pessoas com os mesmos interesses e experiências, afinal somos todos praticantes de Reiki.
Iremos pernoitar na pousada da juventude da Torre, fazer caminhadas, umas mais longas, outras mais curtas, de acordo com as capacidades de cada um (nada é  obrigatório) passear e conhecer alguns locais emblemáticos da serra.
A viagem será realizada em boleias partilhadas, para podermos rentabilizar carros, gasoleo e portagens.
Partida do cenif no sabado pelas 6.30 da manhã. O dia de sabado será dedicado às caminhadas pelo que deveremos levar farnel para durante o dia.  À noite temos restaurante reservado para um jantar convivio.
No domingo teremos oportunidade de comprar mantimentos para o farnel do dia, e mais uma vez procuraremos conhecer os recantos mais bonitos da Serra da Estrela.
O custo deste passeio é  de 25 euros que inclui alojamento, pequeno almoço, caminhadas e atividades programadas no fim de semana.  Não inclui o preço do jantar de sábado (é à carta pelo que cada um é livre de escolher comer mais caro ou mais barato) nem o transporte que será de acordo com as boleias que se conseguirem organizar.
Há  15 vagas que serão  preenchidas por ordem de inscrição, obrigatória, a efetuar para o mail da Maria José Barros até ao dia 30 de Maio: josebarros.fmm@gmail.com
No mail indiquem se tem carro e quantas pessoas se dispõem a levar ou se precisam de ser levados.

Na vida, nem tudo corre bem mas isso até pode ser bom

Nem tudo corre bem, há momentos em que estamos acima da onde, mas outros em que ficamos bem abaixo da linha de água, correndo ainda o risco de nos afogarmos. Mas porque será que quando nem tudo corre bem isso poderá ser bom para nós?

Uma atitude para quando nem tudo corre bem na vida

Zenão era um cínico. Não acreditando numa vida sem apreciar o seu lado bom, resolveu fundar um novo conceito filosófico – o estóico. Sim, podemos apreciar os prazeres da vida, não podemos sim é depender deles ou apenas viver para esses mesmos prazeres. Ser estóico na vida é firmar-se naquilo que é mais importante e saber resistir ao que é aparente. Na nossa educação, somos ensinados a querer alcançar o melhor, a viver o melhor, a ter o melhor. Uns assim se esforçam acérrimamente, outros escolhem caminhos desviados para o ter, outros ainda sofrem porque não conseguem alcançar esse dito “melhor”. Mas há ainda aqueles que observam essa corrida como sendo um completo desperdício de energia, fazendo muitas vezes a pessoa perder a vista do que é essencial na vida.

Quando nem tudo nos corre bem na vida temos a oportunidade de criar um novo eu, de reconstruir ou construir um “sistema de crenças” que realmente faça frutificar o que há de bom e de genuíno.

Assim chegamos à prática de Reiki, do Usui Reiki Ryoho.

O Mestre Usui indicou-nos “A missão do Usui Reiki Ryoho é guiar para uma vida pacífica e feliz, curar os outros, melhorar a sua felicidade e a nossa”. Ele não nos queria induzir em erro, prometendo felicidade, mas sim saber ter uma atitude estoica, recta, directa, no caminho que levamos. Através da nossa filosofia de vida, compreendemos como quando nem tudo corre bem existe um enorme crescimento. Para o fazer, aplicamos os cinco princípios:

  1. Se esta situação está a correr mal, de que forma eu contribuí para a sua criação, como eu perdi harmonia, ou como levei desarmonia aos outros e à situação;
  2. Se a minha vida não está a correr bem, porque perdi a confiança em mim para a endireitar? Porque não aceito que sou capaz de aprender a viver nos bons e nos maus momentos da vida?
  3. Se nem tudo corre bem o que eu tenho a aprender com estas situações? O que a vida realmente me quer dizer?
  4. Será que sou diligente no meu caminho de vida? Espero que as coisas aconteçam ou esforço-me para as concretizar, aproveitando todo o saber que daí vem?
  5. Quando as coisas não correm bem, será que consigo continuar a ser bondoso? O que pode estar a faltar em mim, para que exista desarmonia e desequilíbrio na minha vida? Sem querer atribuir culpas a outros, como posso eu mesmo viver melhor e fazer a minha vida melhor?

Se não tivermos estes momentos em que as coisas nem sempre correm bem, não teremos o impulso de querer mudar o que tem que ser mudado. Há que criar condições genuínas para vivermos uma vida cada vez melhor. Aceitar os maus momentos é incrivelmente importante, porque nem sempre tudo tem que correr bem e o que corre mal, por vezes leva-nos ao nosso caminho ainda mais depressa.

Tem força e serenidade.

Ser mais positivo com a prática de Reiki

Qualquer um quer ser mais positivo na vida, ou seja, encarar os problemas com uma atitude serena, relacionar-se construtivamente com as pessoas, viver cada momento mais plenamente e com maior felicidade. Ser mais positivo na vida pode também ter um caminho através da prática de Reiki.

Como Reiki te pode ajudar a ser mais positivo na vida

Se queres ser mais positivo então tens que perceber o que te levou a encarar a vida de uma forma menos positiva. Para isso podes, por exemplo, escrever num papel uma questão que estejas a encarar de forma negativa. Esta será uma atitude a resolver. Por exemplo o conflito com um colega de trabalho.

Vamos observar de que forma este relacionamento te está a afectar através dos cinco princípios:

  1. Sou calmo – De que forma esta situação te está a tirar a calma e paz interiores?
  2. Confio – Perdeste a tua autoconfiança ou a confiança na outra pessoa, em que momento?
  3. Sou grato – Que lições tu podes tirar desta situação?
  4. Trabalho honestamente – Faz uma observação sincera sobre as tuas reações e as da outra pessoa. Como achas que interferem uma com a outra?
  5. Sou bondoso – Como podes levar a bondade a esta situação? Ou porque perdeste o teu coração com esta situação?

Este tipo de reflexão ajuda-nos a enquadrar o que se passa connosco e a nossa relação com o outro. Depois, precisamos reforçar a nossa forma de estar e ser mais positivo na vida.

Não é de um momento para o outro que alguém se torna mais positivo, mas é um percurso que se vai construindo, por vezes com alguma dor pelo meio, mas não nos podemos esquecer da alegria de percorrer o caminho que nos levará mais longe, aproveitando uma vida genuinamente pacífica e feliz.

Com a prática de Reiki, poderás desenvolver a consciência que te permite ser mais positivo ao longo dos vários desafios de vida. Não quer dizer que isto seja uma promessa, ou que realmente Reiki será algo de bom para ti, nem sempre faz sentido para todos, no entanto, ficam aqui as dicas do que poderás fazer com a prática de Reiki.

A prática de Reiki para ser mais positivo

Em primeiro lugar, precisas compreender o que é a filosofia de vida e o conceito da “Arte Secreta de Convidar a Felicidade“. O Usui Reiki Ryoho foi desenvolvido para que pudesse ser praticado por qualquer pessoa, no entanto, há que fazer sentido pois não é apenas uma prática energética, é também uma filosofia de vida e assim, é indicado que cumpramos essa filosofia de vida nas nossas questões quotidianas. Por isso, faz frequentemente uma revisão de vida através dos cinco princípios e mesmo na loucura do trânsito ou nos apertões dos transportes públicos, recita os cinco princípios e compreende as suas lições.

Depois, aplica-te no autotratamento, é cuidar de ti, por isso há uma razão para o fazeres. Lembra-te do que o Mestre Usui dizia… Só por hoje, porque hoje é que pode fazer toda a diferença.

Compreende as técnicas de Reiki e faz uso do Nentatsu, a técnica para alcançar o pensamento positivo, pois irá ajudar-te a construir uma atitude positiva genuína, uma mudança de pensamento o que te levará a ser mais positivo.

E claro, não te esqueças de meditar regularmente, por isso aplica-te com o Joshin Kokyu Ho, a grande técnica da respiração.

Ser mais positivo perante as questões da vida não é algo que se alcance num minuto, ou até num ano, mas é um trabalho construtivo do qual deves ter orgulho de ti mesmo por o realizares. Experimenta ler Reiki Guia para Uma Vida Feliz, para que compreendas a profundidade da filosofia de vida, na prática de Reiki. Escuta os poemas do Imperador Meiji para as tuas situações e partilha com os outros os grandes ensinamentos que a vida te trouxe.

Ser mais positivo na vida é entregares-te à vida de uma forma harmoniosa, confiante, com gratidão, honestidade e bondade. Tudo isso que queres para ti, leva também aos outros. Só por hoje…

Page 1 of 2

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén