O Tao do Reiki

Descobrir, Desenvolver e Crescer com Reiki

Categoria: 2018 – Relacionamentos

Como compreender a Missão de Vida

Todos nós chegamos a algum momento em que queremos compreender a nossa missão de vida. O que estou cá a fazer? Para que? sentimos que há algo mais do que aquilo que fazemos todos os dias e que, possivelmente, não nos estamos a cumprir.

Compreender a missão de vida e como a encontrar

Desesperamos por não entender a nossa missão de vida porque consideramos que é uma única, ou seja, algo de grande que é orientador, mas será mesmo?

Se observares a tua vida, irás ver que segues o grande caminho da vida, mas que nesse caminho existem várias vias paralelas. Vias que representam algo como:

  • As amizades;
  • A família;
  • O trabalho;
  • A paixão;
  • Os desafios que temos que ultrapassar;
  • E muito mais…

Em cada uma destas vias, temos uma missão de vida.

Se encarares as coisas que são mais fortes na tua vida, como os exemplos que dei, poderás compreender, realmente, que não existe algo como uma única missão de vida, mas sim um conjunto de missões que no seu todo farão a tua missão de vida.

Começa então por ter o entendimento do teu percurso de vida. Como te relacionas com os teus amigos e o que há a melhorar, o que podes fazer para que a tua família seja mais estruturada, o que há a realizar no trabalho e nos relacionamentos do trabalho, que coisas te motivam na vida e o que tens feito para as alcançares e, principalmente, quais os maiores bloqueios, desafios, na tua vida.

Ao realizares estas questões irás compreender melhor a tua missão de vida, vais entender que há algo de base que precisa ser trabalhado, assim como há uma paixão que te movimenta ao longo da vida… e assim vais descortinando aquilo que antes pensavas ser difícil de descobrir.

Mantém-te firme naquilo que acreditas e muda o que tens que mudar, para teu bem e sempre para bem de todos. Define de que lado da estrada estás e, mesmo que faças alguns desvios, consegues sempre regressar a esse lado.

A tua missão de vida é sem dúvida importante, porque a tua vida é importante.

 

Encontro CENIF com caminhada na Serra da Estrela

Dias 16 e 17 de Junho, as várias escolas de Reiki CENIF irão realizar um encontro na Serra da Estrela
Esta atividade, organizada pelos  grupos de caminhadas das escolas de Guimarães e Amadora, pretende promover o encontro, conhecimento e convívio de pessoas com os mesmos interesses e experiências, afinal somos todos praticantes de Reiki.
Iremos pernoitar na pousada da juventude da Torre, fazer caminhadas, umas mais longas, outras mais curtas, de acordo com as capacidades de cada um (nada é  obrigatório) passear e conhecer alguns locais emblemáticos da serra.
A viagem será realizada em boleias partilhadas, para podermos rentabilizar carros, gasoleo e portagens.
Partida do cenif no sabado pelas 6.30 da manhã. O dia de sabado será dedicado às caminhadas pelo que deveremos levar farnel para durante o dia.  À noite temos restaurante reservado para um jantar convivio.
No domingo teremos oportunidade de comprar mantimentos para o farnel do dia, e mais uma vez procuraremos conhecer os recantos mais bonitos da Serra da Estrela.
O custo deste passeio é  de 25 euros que inclui alojamento, pequeno almoço, caminhadas e atividades programadas no fim de semana.  Não inclui o preço do jantar de sábado (é à carta pelo que cada um é livre de escolher comer mais caro ou mais barato) nem o transporte que será de acordo com as boleias que se conseguirem organizar.
Há  15 vagas que serão  preenchidas por ordem de inscrição, obrigatória, a efetuar para o mail da Maria José Barros até ao dia 30 de Maio: josebarros.fmm@gmail.com
No mail indiquem se tem carro e quantas pessoas se dispõem a levar ou se precisam de ser levados.

Na vida, nem tudo corre bem mas isso até pode ser bom

Nem tudo corre bem, há momentos em que estamos acima da onde, mas outros em que ficamos bem abaixo da linha de água, correndo ainda o risco de nos afogarmos. Mas porque será que quando nem tudo corre bem isso poderá ser bom para nós?

Uma atitude para quando nem tudo corre bem na vida

Zenão era um cínico. Não acreditando numa vida sem apreciar o seu lado bom, resolveu fundar um novo conceito filosófico – o estóico. Sim, podemos apreciar os prazeres da vida, não podemos sim é depender deles ou apenas viver para esses mesmos prazeres. Ser estóico na vida é firmar-se naquilo que é mais importante e saber resistir ao que é aparente. Na nossa educação, somos ensinados a querer alcançar o melhor, a viver o melhor, a ter o melhor. Uns assim se esforçam acérrimamente, outros escolhem caminhos desviados para o ter, outros ainda sofrem porque não conseguem alcançar esse dito “melhor”. Mas há ainda aqueles que observam essa corrida como sendo um completo desperdício de energia, fazendo muitas vezes a pessoa perder a vista do que é essencial na vida.

Quando nem tudo nos corre bem na vida temos a oportunidade de criar um novo eu, de reconstruir ou construir um “sistema de crenças” que realmente faça frutificar o que há de bom e de genuíno.

Assim chegamos à prática de Reiki, do Usui Reiki Ryoho.

O Mestre Usui indicou-nos “A missão do Usui Reiki Ryoho é guiar para uma vida pacífica e feliz, curar os outros, melhorar a sua felicidade e a nossa”. Ele não nos queria induzir em erro, prometendo felicidade, mas sim saber ter uma atitude estoica, recta, directa, no caminho que levamos. Através da nossa filosofia de vida, compreendemos como quando nem tudo corre bem existe um enorme crescimento. Para o fazer, aplicamos os cinco princípios:

  1. Se esta situação está a correr mal, de que forma eu contribuí para a sua criação, como eu perdi harmonia, ou como levei desarmonia aos outros e à situação;
  2. Se a minha vida não está a correr bem, porque perdi a confiança em mim para a endireitar? Porque não aceito que sou capaz de aprender a viver nos bons e nos maus momentos da vida?
  3. Se nem tudo corre bem o que eu tenho a aprender com estas situações? O que a vida realmente me quer dizer?
  4. Será que sou diligente no meu caminho de vida? Espero que as coisas aconteçam ou esforço-me para as concretizar, aproveitando todo o saber que daí vem?
  5. Quando as coisas não correm bem, será que consigo continuar a ser bondoso? O que pode estar a faltar em mim, para que exista desarmonia e desequilíbrio na minha vida? Sem querer atribuir culpas a outros, como posso eu mesmo viver melhor e fazer a minha vida melhor?

Se não tivermos estes momentos em que as coisas nem sempre correm bem, não teremos o impulso de querer mudar o que tem que ser mudado. Há que criar condições genuínas para vivermos uma vida cada vez melhor. Aceitar os maus momentos é incrivelmente importante, porque nem sempre tudo tem que correr bem e o que corre mal, por vezes leva-nos ao nosso caminho ainda mais depressa.

Tem força e serenidade.

Ser mais positivo com a prática de Reiki

Qualquer um quer ser mais positivo na vida, ou seja, encarar os problemas com uma atitude serena, relacionar-se construtivamente com as pessoas, viver cada momento mais plenamente e com maior felicidade. Ser mais positivo na vida pode também ter um caminho através da prática de Reiki.

Como Reiki te pode ajudar a ser mais positivo na vida

Se queres ser mais positivo então tens que perceber o que te levou a encarar a vida de uma forma menos positiva. Para isso podes, por exemplo, escrever num papel uma questão que estejas a encarar de forma negativa. Esta será uma atitude a resolver. Por exemplo o conflito com um colega de trabalho.

Vamos observar de que forma este relacionamento te está a afectar através dos cinco princípios:

  1. Sou calmo – De que forma esta situação te está a tirar a calma e paz interiores?
  2. Confio – Perdeste a tua autoconfiança ou a confiança na outra pessoa, em que momento?
  3. Sou grato – Que lições tu podes tirar desta situação?
  4. Trabalho honestamente – Faz uma observação sincera sobre as tuas reações e as da outra pessoa. Como achas que interferem uma com a outra?
  5. Sou bondoso – Como podes levar a bondade a esta situação? Ou porque perdeste o teu coração com esta situação?

Este tipo de reflexão ajuda-nos a enquadrar o que se passa connosco e a nossa relação com o outro. Depois, precisamos reforçar a nossa forma de estar e ser mais positivo na vida.

Não é de um momento para o outro que alguém se torna mais positivo, mas é um percurso que se vai construindo, por vezes com alguma dor pelo meio, mas não nos podemos esquecer da alegria de percorrer o caminho que nos levará mais longe, aproveitando uma vida genuinamente pacífica e feliz.

Com a prática de Reiki, poderás desenvolver a consciência que te permite ser mais positivo ao longo dos vários desafios de vida. Não quer dizer que isto seja uma promessa, ou que realmente Reiki será algo de bom para ti, nem sempre faz sentido para todos, no entanto, ficam aqui as dicas do que poderás fazer com a prática de Reiki.

A prática de Reiki para ser mais positivo

Em primeiro lugar, precisas compreender o que é a filosofia de vida e o conceito da “Arte Secreta de Convidar a Felicidade“. O Usui Reiki Ryoho foi desenvolvido para que pudesse ser praticado por qualquer pessoa, no entanto, há que fazer sentido pois não é apenas uma prática energética, é também uma filosofia de vida e assim, é indicado que cumpramos essa filosofia de vida nas nossas questões quotidianas. Por isso, faz frequentemente uma revisão de vida através dos cinco princípios e mesmo na loucura do trânsito ou nos apertões dos transportes públicos, recita os cinco princípios e compreende as suas lições.

Depois, aplica-te no autotratamento, é cuidar de ti, por isso há uma razão para o fazeres. Lembra-te do que o Mestre Usui dizia… Só por hoje, porque hoje é que pode fazer toda a diferença.

Compreende as técnicas de Reiki e faz uso do Nentatsu, a técnica para alcançar o pensamento positivo, pois irá ajudar-te a construir uma atitude positiva genuína, uma mudança de pensamento o que te levará a ser mais positivo.

E claro, não te esqueças de meditar regularmente, por isso aplica-te com o Joshin Kokyu Ho, a grande técnica da respiração.

Ser mais positivo perante as questões da vida não é algo que se alcance num minuto, ou até num ano, mas é um trabalho construtivo do qual deves ter orgulho de ti mesmo por o realizares. Experimenta ler Reiki Guia para Uma Vida Feliz, para que compreendas a profundidade da filosofia de vida, na prática de Reiki. Escuta os poemas do Imperador Meiji para as tuas situações e partilha com os outros os grandes ensinamentos que a vida te trouxe.

Ser mais positivo na vida é entregares-te à vida de uma forma harmoniosa, confiante, com gratidão, honestidade e bondade. Tudo isso que queres para ti, leva também aos outros. Só por hoje…

O que indicar para mudar de vida a quem não é praticante de Reiki

Por vezes alguém quer mudar de vida mas não sabe como o fazer, ou pode até ler e escutar, mas mesmo assim não saber como mudar de vida. Se és praticante de Reiki, poderás ajudar.

Como ajudar alguém a mudar de vida através da prática de Reiki

Imagina que conheces alguém que não é praticante de Reiki, mas que se encontra numa fase de vida que necessita mudar de vida. Possivelmente essa pessoa já te disse que está farta do seu momento actual, que não aguenta mais a pressão de tudo aquilo que tem a fazer e de como as coisas lhe estão a correr. Ela quer mudar de vida rapidamente, mas não está a conseguir. Já se inscreveu num ginásio, já foi viajar, ela até já comprou muitos livros de auto-ajuda, mas nada a fez mudar de vida.

Na prática de Reiki temos várias formas para a ajudar a fazer essa mudança de vida:

  1. A filosofia de vida, através dos cinco princípios;
  2. Receber Reiki;
  3. Aprender Reiki.

A filosofia de vida, para mudar de vida

Muitas vezes as situações estrangulam-nos porque não temos uma forma de agir ou reagir a elas diferente, porque talvez nos faltam pedras basilares na nossa construção interior que nos fortaleceriam mais. O que o Mestre Mikao Usui nos transmitiu, foram cinco princípios para a “melhoria do corpo e da mente“. Para nós, eles são recitados como “Só por hoje, sou calmo; Confio; Sou grato; Trabalho honestamente e Sou Bondoso”.

Mas para alguém que não esteja dentro de uma prática de Reiki, podemos transmitir a profundidade destes princípios de uma outra forma, levando a pessoa a reflecti sobre:

  • O que tens feito para levar uma vida calma? E como tens proporcionado a harmonia aos outros?
  • Tens tido confiança em ti mesmo para resolveres as situações? Perdeste a confiança nos outros, na humanidade?
  • Que lições te têm surgido na vida e como as tens encarado? Tens agradecido pelas tuas lições?
  • Tens-te aplicado no que deves fazer e comunicas o que sentes?
  • De que forma tens sido bondoso para contigo? E como tens levado essa bondade aos outros?

Esta filosofia de vida coloca-nos questões muito importantes, mas dá também uma resposta aberta a elas – promover a harmonia, a confiança, saber escutar e comunicar, ser genuinamente bondoso.

Receber Reiki

A pessoa poderá até receber Reiki para a auxiliar a equilibrar-se, a encontrar harmonia. Pode ser feito através de uma consulta profissional, onde aspectos mais profundos são trabalhados, ou então de uma sessão de voluntariado, que apesar de mais simples, irá auxiliar energeticamente a pessoa.

Receber Reiki é uma forma de equilibrarmos o nosso todo energético, ao nível físico, mental e emocional, quando tudo isso se conjuga, começamos a ter um “tempo” interior que nos permite observar como mudar de vida, fazendo sentido para nós mesmos.

Aprender Reiki

Apesar de Reiki ser “simples” e todos o poderem aprender, não quer dizer que faça sentido a todas as pessoas, por isso mesmo, não há uma necessidade que todas as pessoas aprendam, mas que quem queira aprender o saiba porque está a fazer. A prática é uma vivência de uma filosofia de vida e um trabalho terapêutico que começa com nós próprios.

Assim vamos praticando e aprendendo, não num só dia, mas em anos de vivência, contínua formação e prática. Não para “curarmos” os outros, mas para compreendermos realmente o nosso caminho para “uma vida pacífica e feliz“. Ao longo desse caminho, sim, vamos ajudando outros, assim como a nós mesmos, vamos contribuindo para uma maior harmonia, através da filosofia de vida e da terapia. Chegamos a todos, desde animais a pessoas, desde grávidas, bebés, a pessoas em fim de vida.

O Usui Reiki Ryoho traz-nos uma grande profundidade na vida, traz-nos uma certeza interior por fazer sentido na vida. Mudar de vida é compreender um pouco melhor para onde a vida nos leva, através de sólidas bases.

Nem sempre são pessoas felizes os praticantes de Reiki

O que pode fazer de nós pessoas felizes sem nos estarmos a iludir? Será que Reiki pode fazer de nós pessoas felizes ou é apenas um apregoar publicitário?

Um caminho para sermos pessoas felizes e porque nem sempre os praticantes de Reiki o são

O que nos traz infelicidade?

  • A pressão diária dos afazeres quotidianos;
  • O não termos tempo para nós mesmos;
  • A incapacidade de exprimirmos o que sentimos;
  • Estarmos em sofrimento inconsciente;
  • A mente incontrolável com pensamentos excessivos;
  • O sentirmo-nos incompreendidos;
  • As obrigações sociais;
  • A cultura e crenças que nos são incutidas, mas que não correspondem ao que sentimos ser melhor;
  • A incapacidade de relacionar harmoniosamente com os outros;
  • A falta de crença na humanidade;
  • Entre muitas outras coisas…

Quando iniciamos a nossa aprendizagem de Reiki, podemos ir ao engano de pensarmos que vai fazer de nós pessoas felizes. Isso pode mesmo ser um grande engano.

Ao iniciares a tua prática de Reiki, irás aprender que o Mestre Usui indicava que é “A Arte Secreta de Convidar a Felicidade“. Isto quer dizer que, ao praticares os cinco princípios, estarás a desenvolver consciência e a mudar a atitude perante ti mesmo e perante os outros.

Só por hoje, sou calmo, confio, sou grato, trabalho honestamente, sou bondoso.

Então, não há uma promessa de felicidade, mas sim uma indicação clara que terás que trabalhar, diligentemente, para construires o caminho interior que te leva pela felicidade.

Quando encaramos o Usui Reiki Ryoho desta forma, compreendemos que sim, os praticantes de Reiki podem ser pessoas felizes, mas apenas se realmente praticarem aquilo que é a base estrutural do Reiki – a filosofia de vida.

Encarares a vida com uma filosofia assente em cinco princípios poderá parecer simplista, mas na verdade é um trabalho árduo que irá exigir de ti a criação da harmonia, o desenvolvimento da confiança, o entendimento pelas lições de vida, a diligência e a bondade genuína, à qual podemos chamar compaixão e amor incondicional.

Assim, não penses que os praticantes de Reiki são pessoas felizes ou que milagrosamente o iremos ser, os praticantes de Reiki são pessoas que continuam numa vida comum, com os problemas que todos têm e a lidar com as mesmas dificuldades que todas as pessoas lidam, todos os dias. No entanto, eles têm os cinco princípios e, passo a passo, vão construindo o seu caminho na Arte Secreta de Convidar a Felicidade… Possivelmente é esse trabalho, o viver esse caminho, que os faz verdadeiramente pessoas felizes. A mim faz, apesar de todas as dificuldades.

vida feliz mikao usui

Como lidar com a perda aplicando os conceitos de Reiki

A perda de alguém querido deixa-nos sempre com um vazio interior, bastante impossível de preencher, assim como muitas vezes nos leva a sentimentos de dúvida, raiva, tristeza, entre muitos outros. Podemos observar a perda de alguém querido através da prática de Reiki, como ferramenta auxiliar no processo, devendo também consultar alguém especializado no campo médico.

A perda e como lidar com ela através da prática de Reiki

A relação que temos com a família, poderá ser de ligação tão grande que é como se essa pessoa tivesse uma parte de nós dentro dela e, naturalmente, uma parte dela dentro de nós. No momento em que ela falece, fica um vazio em nós, não só pela sua ausência física, mas pela ligação emocional, mental e energética que tínhamos com ela.

Uma das formas de compreendermos a perda é entender que, ao nível energético, a ligação sempre existirá, que apesar da pessoa não estar connosco fisicamente, a energia continua. Claro que não conseguiremos falar com ela, procurar o seu conselho, proteção, força, carinho, amizade, mas ela não deixa de estar connosco. Então, compreender que a ligação continua, é muito positivo. Precisamos cultivar esta nova ligação de uma forma bondosa, ou seja, não expressarmos sempre tristeza, mas partilharmos alegria, boas vivências e agradecimento.

É exactamente pelo agradecimento que podemos continuar a ligação a essa pessoa, auxiliando a ultrapassar a perda. É honrando os seus ensinamentos, a sua vida, aquilo que nos transmitiu que nós também podemos fazer crescer no nosso coração um jardim bonito, que irá ultrapassar o buraco que nele sentimos.

A prática de Reiki sugere que se faça autotratamento, com a intenção de compreender realmente porque há essa dor na perda. Esse entendimento ajudará a desapegar da dor e da necessidade física da pessoa, compreendendo a dimensão em que as essências estão sempre interligadas. Caso não consigas, por favor contacta um profissional para te auxiliar.

Podes ainda enviar Reiki para a situação, promovendo o teu bem-estar, talvez até criando uma situação em que te despedes deste momento físico com a pessoa, em paz, em serenidade, com um bom abraço, porque depois, no campo da energia tudo acontece.

Lembra-te dos cinco princípios. Lembra-te da harmonia que a pessoa ajudou-te a criar, das lições de autoconfiança e outras que foram ensinadas, do trabalho e da forma de estar, de todos os momentos bondosos – estes são tesouros no nosso coração, que o tempo não apaga e esses sim, podem ajudar a suplantar o vazio da perda.

A perda acontece, é mesmo assim e é preciso chorar, fazer o luto, compreender o estado em que se está no momento presente sem a pessoa. E a partir daí, construir o mais bonito jardim em nós, como homenagem a ela. A saudade nunca sai de nós, é natural, mas a forma de a encarar, essa vai mudando.

Tem força, serenidade, vai fazendo coisas bonitas com a memória que tens.

Não confiar pode fechar a nossa vida, o que fazer?

Não confiar nos outros e muitas vezes em nós mesmos, é uma tónica comum nos dias de hoje. Há pessoas já descrentes nos outros e outras que, pior ainda, dificilmente acreditam nelas próprias. Não confiar pode mesmo fechar a nossa vida e isolar-nos das experiências e do crescimento, mas como podemos mudar essa atitude?

Passar de não confiar a saber confiar

Confiar e saber confiar são duas atitudes muito distintas. A confiança tem a ver com abertura, transparência e comunicação verdadeira.

Em muitas situações na vida vamos perdendo a confiança nos outros e, de forma mais grave, em nós mesmos. Então, precisamos compreender o nosso padrão na falta de confiança. Experimenta colocar a ti mesmo estas questões:

  • Quando perco a confiança em alguém o que sinto em mim e como se reflete isso no meu corpo?
  • Quando perco a confiança em mim, o que me dá vontade de fazer? O que sinto?

Nestas duas situações ao não confiar estamos a ficar cada vez mais distantes dos outros e até de nós mesmos, o que nos dará uma sensação mais profunda de tristeza, desilusão e abandono. Se ações nos levam a não confiar, precisamos cultivar uma nova aprendizagem para a confiança e aqui pode entrar a nossa prática de Reiki.

O Mestre Usui indicava que a prática é “A Arte Secreta de Convidar a Felicidade“,  o que quer dizer que precisamos trabalhar interiormente para ir cultivando e preparando este caminho de ser feliz. A confiança é algo que surge em nós quando estamos bem connosco, quando estamos bem orientados e com uma força interior que nos traz serenidade. Vamos tentar observar esta forma de estar através dos cinco princípios:

  • Só por hoje – a confiança é vivida um dia de cada vez, isto ensina-nos a saber gerir expectativas e a não criar ansiedade;
  • Sou calmo – criar harmonia é muito importante, por vezes necessitamos da confiança de outra pessoa para nos sentirmos bem, ou queremos confiar noutra pessoa porque faz parte da nossa forma de estar na vida, mas isto leva-nos a considerar o que entregamos como valor da nossa confiança e de que forma queremos que o outro saiba valorizar e guardar o que entregamos… será isso criar harmonia ou realmente necessário?
  • Confio – saber confiar significa ter um entendimento alargado sobre o outro e compreender que todas as pessoas têm um mau momento, ou que têm os seus limites, que poderão ser diferentes dos nossos. Num momento de necessidade, precisamos de alguém, queremos confiar em alguém para auxiliar e se ninguém corresponde, ficamos desiludidos… Saber confiar é compreender os limites, o que damos, o que queremos, o que é realmente necessário. Saber confiar é compreender as relações humanas;
  • Sou grato – a gratidão representa a aceitação, desapego, nas lições aprendidas. Esta aceitação significa compreender o que a vida nos ensinou quando em algum momento não confiamos e tudo o que daí adveio. A gratidão é uma das mais incríveis formas de nos libertarmos da dor e tristeza por não confiar;
  • Trabalho honestamente – comunicar verdadeiramente é muito importante para qualquer relação. A entrega é necessária, assim como a lealdade e transparência. Quando compreendemos que a comunicação é um pilar para que qualquer relação de confiança funcione, tudo começa a melhorar. Esta comunicação tem que começar, em primeiro lugar, connosco, ou seja, com o teu diálogo interior. Depois, vamos então tentar compreender para onde a vida nos está a levar, para comunicarmos corretamente com a pessoa na qual queremos confiar;
  • Sou bondoso – o último princípio é como uma constante na vida que deve estar sempre presente. A confiança precisas estar de mãos dadas com a bondade. Isto não é ser bonzinho, é mesmo ser bondoso, connosco em primeiro lugar, para depois sabermos ser com os outros.

A confiança pode construir-se com estes cinco pontos de vista, compreendendo a importância da harmonia, do valor das relações, da aprendizagem das lições, da comunicação genuína e da bondade que sempre deve existir. Acima de tudo, compreende também os limites da confiança e que deves cultivar em ti algo de muito valioso – a amizade por ti mesmo.

A imperfeição é saudável – um antídoto para a ansiedade

Certo dia tive uma manhã de descanso e aprendi a lição de como a imperfeição é saudável. Ia dar uma boa caminhada, mesmo que houvesse chuva, mas vi a previsão de tempo e durante a minha manhã, tudo estaria bem. Vesti-me confortavelmente para caminhar, tinha tudo pronto, mas apercebi-me que alguns pelos da barba não tinham sido desfeitos… e agora?

O mais natural teria sido removê-los, mas curiosamente o que senti foi que os devia deixar, que não devia cultivar o desejo pela “perfeição”, que muitas vezes leva antes à ansiedade.

As lições da imperfeição e a ansiedade

Na pérsia, os tapetes eram feitos com uma ligeira imperfeição, para que sempre se lembrassem que só deus é perfeito. Conjugando esta história, com a sensação da barba, consegue-se perceber que precisamos ansiar menos e viver mais.

Isto quer dizer que o caminho para a perfeição, para o bem fazer, é um percurso de vida no qual devemos ser diligentes, no entanto, se nesse percurso nos tornarmos ansiosos à conta disso, não chegaremos ao fim que queremos.

Sobre a ansiedade, podemos questionar se uma das razões da ansiedade é um desejo, muitas vezes em surdina, de querermos que tudo esteja perfeito. Esta perfeição é, por vezes, aquela vontade que temos que tudo corra bem, que tudo corra de feição e como queremos. Mas e se o nosso propósito for como o de fazer um tapete persa?

Um tapete persa é magnífico, é lindíssimo, é como nós queremos que tudo na vida fosse, mas lembra-te como os tecelões deixavam sempre uma imperfeição… então reflecte sobre isso. E se no teu propósito deixasses uma imperfeição?

Como seria a tua vida se tudo não tivesse que ser perfeito? E se te permitisses falhar? E qual é a folga que dás a ti mesmo?

Sobre a imperfeição, ou a nossa demasiada exigência pela perfeição, podemos refletir com os cinco princípios:

Só por hoje, sou calmo – De que forma o teu desejo que tudo corra bem, te leva a perder a harmonia, a simplicidade, a calma?

Confio – Porque te falta confiança em ti mesmo para teres tanto desejo de perfeição, ou de que tudo corra sempre favoravelmente?

Sou grato – O que o teu caminho para que tudo esteja sempre perfeito te tem trazido?

Trabalho honestamente – Se és diligente a seguir a tua perfeição ou a vontade de que tudo corra bem, consegues sentir que isso é o melhor para ti e para todos? Que impacto tem esse desejo na vida dos outros? Existe um stress latente? Uma ansiedade que te exige atenção? E aos outros?

Sou bondoso – Quando aceitamos que a vida será sempre “incompleta”, impermanente, interdependente e imperfeita, conseguimos aceitar que os outros também sejam imperfeitos nas suas acções? Que lição de bondade pode esta aceitação te trazer?

Assumir a imperfeição é saudável, ajuda-nos a compreender melhor a vida, os outros e também a relaxar. Estar relaxado é necessário para manter a harmonia.

 

Perder a calma – o que podemos fazer depois?

Com certeza que já tiveste daqueles momentos de perder a calma e pior ainda, depois de praticares Reiki também aconteceu algo que te fez perder a calma e disseram “então onde está a tua calma, não és praticante de Reiki”?

Perder a calma – tudo tem uma solução

Podemos ficar bastante incomodados e até perder a vontade de praticar mais, quando algo nos faz perder a calma e alguém nos chama a atenção para isso, uma espécie de bullying por se ter falhado. Mas será que se falhou?

A calma ecoa no primeiro dos cinco princípios – só por hoje, sou calmo. Este é o grande pilar da nossa prática e é o que nos pede para cultivarmos a harmonia, para sabermos esperar pelo tempo certo, para não querermos fazer as coisas a correr ou de forma incorrecta. Só por hoje, sou calmo, é mesmo o grande incentivo para a harmonia entre todos.

Então será que devemos ficar contentes por falhar um princípio tão importante?

Não se tratar de falhar. Toda a vida é uma experiência de aprendizagem e muitas vezes lidamos com tentativas. Não estamos sempre no mesmo estado, mesmo que façamos muitas vezes o autotratamento, pois se a pressão exterior for contínua, não há forma de conseguirmos descarregar. Apesar de ao se perder a calma estarmos a perder, por vezes, razão, isso não quer dizer que estejamos absolutamente errados. Esta compreensão é o que deve fazer o nosso comportamento em comunidade crescer, ou seja, se eu aceitar o comportamento errado do outro como um comportamento ocasional, eu adquiro entendimento sobre o meu próprio comportamento. Isto não significa que se pode agir mal, nem pensar, mas significa sim que compreendemos os motivos poderemos ter mais sabedoria, menos julgamento e mais compaixão. Esse sim, é o grande propósito da compaixão.

Como vivemos em interdependência, quando uma pessoa perde a sua calma, ela também está a partilhar uma experiência e por vezes é necessário, quando se torna urgente impor limites sobre o abuso. O maior dano de perder a calma é claro que é nosso, mas podemos sempre considerar o seguinte:

  • Compreender o que nos levou realmente a perder a calma?
  • Houve algum caso de falta de autoconfiança ou quebra de integridade?
  • Será que estavamos sobre pressão contínua há muito tempo?

Sobre estas questões, devemos então procurar algumas técnicas da prática de Reiki:

  • Joshin Kokyu Ho, para que desenvolvas a meditação e possas construir uma maior paz contigo mesmo;
  • Tratamento específico dos chakras que possam estar em desequilíbrio devido a essa perturbação e que te levam a perder a calma;
  • Nentatsu ou Seiheki Chiryo, para que possas mudar a tua atitude perante situações semelhantes.

Reiki é verdadeiramente incrível e não te preocupes, perder a calma por um momento não é o fim do mundo, principalmente se daí puderes tirar grandes e valiosas lições que farão de ti uma pessoa cada vez melhor. Isto é também trabalhar a autoestima.

Ser praticante de Reiki é isto mesmo, é estar consciente, atento, é saber mudar e melhorar, é continuamente praticar. E para que? Para seguirmos o que o Mestre Usui nos indicou “Guiar para uma vida pacífica e feliz”.

Meditação do sorriso interior para praticantes de Karuna

Esta meditação está inserida no curso de nível 1 de Karuna, mas nada como partilhar pois o sorriso é algo de universal.

O autotratamento Reiki para a autoestima

Se a autoestima tem maus dias, o autotratamento Reiki poderá ser uma das formas para te ajudar a equilibrar e harmonizar. Não é uma promessa de cura, mas é um compromisso contigo mesmo para que te compreendas, sintas e até tragas algum equilíbrio aos teus pontos em desarmonia.

Como aplicar o autotratamento para situações de falta de autoestima

Temos sempre a opção de aplicar o autotratamento completo, em todas as posições e colocar a intenção para aquilo que mais necessitamos em relação à autoestima, mas também podemos orientar o nosso autotratamento para algo mais específico. Experimenta fazer da seguinte forma:

  1. Faz as técnicas de limpeza;
  2. Recita os cinco princípios;
  3. Deixa a energia fluir para as tuas mãos;
  4. Faz o byosen em todos os chakras do teu corpo;
  5. Tenta perceber quais os que tens que tratar mais;
  6. Quando quiseres, podes colocar a mão esquerda no teu chakra cardíaco e a direita vai andando pelos chakras que sentiste necessitarem de tratamento;
  7. Vai tentando perceber o que a energia te diz;
  8. Vê se surgem emoções ou memórias;
  9. Aplica o tratamento ao longo de vários dias seguidos e podes também aplicar os cinco princípios em cada uma dessas posições;
  10. Quando quiseres terminar, agradece.

autotratamento Reiki

É muito importante escutares o teu corpo, o que ele te diz, o que necessitas, irá ajudar-te muito. Tem confiança em ti mesmo e cuida-te.

Reiki e a mudança de trabalho

Se estás a pensar fazer uma mudança de trabalho e tens alguma dificuldade, podes trabalhar o aspecto energético da questão com a tua prática de Reiki.

Como preparar uma atitude para a mudança de trabalho com Reiki

Antes de mudares de trabalho, sentes uma necessidade, quando escutas essa necessidade e se ela faz parte do teu sentido de vida, então começa-se a formar uma urgência. A mudança faz sempre parte da nossa vida, mas há coisas que precisamos reflectir antes de uma mudança de trabalho ou de uma mudança de vida:

  • Porque vou mudar de vida ou de trabalho?
  • Terei resolvido tudo o que tinha a aprender e as situações a lidar com o emprego?
  • Sinto que tenho condições para uma mudança de trabalho ou ainda estou apenas a sentir que há essa necessidade?

Quando precisamos fazer a mudança de trabalho devemos contemplar estas três questões interiormente e refletir com elas em profundidade. Temos mesmo que perceber se fechamos em paz e harmonia um ciclo de vida, caso contrário, as questões a resolver sempre irão aparecer. Elas surgirão não para nos perturbar, mas sim para que possamos crescer na vida.

Quando tudo está resolvido, precisamos ter a consciência clara das condições que criamos para uma mudança de trabalho, principalmente se aquele que pretendemos inicialmente nos trará menos dinheiro. O importante não é quanto ganhamos, mas sim quanto gastamos. As condições são muito importantes, porque poucas condições levam à frustração e esta ao sofrimento.

Então como fazeres uma prática de Reiki para esta mudança de trabalho?

Cria um período de retiro interior. Ao longo deste tempo, por exemplo 10 ou 21 dias, pratica o seguinte:

  1. Meditação Joshin Kokyu Ho, todos os dias, para que a tua mente não sofra;
  2. Autotratamento, todos os dias, para que todos os corpos estejam em harmonia e te disciplines;
  3. Se houver necessidade, faz desintoxicação de alguma situação ou estado, pelo menos cinco dias;
  4. Aplica o nentatsu, para que possas reforçar a tua vivência e energia para essa mudança de trabalho ou de vida;
  5. Envia Reiki para a situação, não para forçar nada, mas sim como atitude positiva que tu geras na vida;
  6. Pratica o agradecimento por todas as coisas maravilhosas que chegam à tua vida, mesmo os desafios.

A atitude positiva na prática de reiki

Ter uma atitude positiva é muito importante em todos os campos da nossa vida e o mesmo se aplica também à prática de Reiki, quer ao fazer aos outros, quer a fazer o autotratamento, ou seja, o cuidado a nós mesmos.

A atitude positiva e como a adquirir e viver na prática de Reiki

Com a prática do Usui Reiki Ryoho, podes (deves) desenvolver uma atitude positiva na vida. Esta possibilidade e dever é o entendimento que a nossa vida deve mesmo trilhar um caminho pacífico e feliz, como o Mestre Usui indicava. Para o fazer, temos uma filosofia de vida que nos orienta e é indicada por cinco princípios:

  • Só por hoje, sou calmo – Em todas as coisas na vida, pretendo cultivar harmonia;
  • Confio – Aprendo a viver abertamente, compreendendo o que é confiar em mim mesmo e aprender a confiar nos outros, sabendo ser claro no que pretendo e sabendo procurar a clareza no que os outros pretendem;
  • Sou grato – Agradeço por todas as oportunidades, mesmo as mais duras;
  • Trabalho honestamente – Comunicarei sempre comigo mesmo e com os outros, serei diligente no que tenho a fazer;
  • Sou bondoso – A bondade faz gerar paz e felicidade, devo-o ser em primeiro lugar comigo mesmo para depois saber levar essa bondade aos outros.

Além dos cinco princípios, temos também os 125 poemas do Imperador Meiji, que nos auxiliam a refletir sobre as questões na vida e a forma de ter uma atitude positiva perante elas.

Os poemas do Imperador Meiji são apenas uma forma de reflexão, uma conexão com o universo e com a vida, uma perspetiva para as nossas situações. Quando temos este tipo de receptividade, quando escutamos e tentamos compreender, já estamos a gerar uma atitude positiva. Com ela, temos tudo para estar no bom caminho.

Como praticar com uma atitude positiva

Se estás na prática de Reiki é porque com toda a certeza queres mudar algo e para o fazer, precisas de cultivar uma atitude positiva. Isto quer dizer que é preciso teres essa semente no teu coração e na tua mente, para que quando a adversidade surge, como por exemplo, um autotratamento mais exigente, ou que faz surgir situações passadas, então tu saberás lidar com elas através da tua atitude positiva. Ou seja, colocas em prática os cinco princípios e sabes que precisas encarar com harmonia, confiança, gratidão, honestidade e muita bondade, todas essas situações, que sejam tuas internas, ou externas que surgem pela acção dos outros.

Pratica com um sorriso, não te deixes infectar por insatisfação ou desmotivação, pratica, pratica, pratica, cultiva em ti a atitude positiva de uma filosofia de vida.

Mantém a tua prática de autotratamento com regularidade, observa os teus pensamentos e emoções mais negativos e aplica a técnica Nentatsu para os tratares. A mudança do pensamento é muito importante para a ação correta.

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén