O Tao do Reiki

Descobrir, Desenvolver e Crescer com Reiki

Page 2 of 126

O que podes fazer com o nível 1 de Reiki

Será que o início da prática é algo de básico e que te dará pouco que fazer?

Com toda a certeza que não. Podes fazer com o nível 1 de Reiki muitas práticas que te acompanharão não só ao longo dos meses para completares o curso, mas também como base para toda a tua vida como praticante.

As várias práticas que podes fazer com o nível 1 de Reiki

Estes são alguns dos exemplos que podes aplicar ao longo da tua prática de nível 1 de Reiki:

  1. Autotratamento

    O autotratamento é uma técnica que aprendes logo na primeira aula e irá auxiliar a:
    – Cuidar profilaticamente de ti, ao nível energético;
    – Auxiliar a compreender os vários locais que possam precisar de tratamento;
    – Ter uma consciência de ti mesmo;
    – Desenvolver a sensibilidade;
    – Compreender a importância do saber dar e receber.

  2. Cultivo da filosofia de vida

    A base do Usui Reiki Ryoho é a filosofia de vida assente em cinco princípios, que o Mestre Usui indicava que devíamos recitar de manhã e à noite:
    – Só por hoje, sou calmo;
    – Confio;
    – Sou grato;
    – Trabalho honestamente;
    – Sou bondoso.

    A filosofia de vida, na prática de Reiki contém também a prática meditativa e a reflexão através dos 125 poemas do Imperador Meiji, escolhidos pelo Mestre Usui.
    É através da filosofia de vida que trarás grande transformação à tua consciência e forma de estar.

  3. Tratamento a familiares e amigos próximos

    Irás aprender ou já aprendeste a aplicar Reiki em cadeira ou em marquesa. Como a energia já é familiar, poderás aplicar sessões de Reiki informais a familiares e amigos próximos. Não te esqueças de seguir sempre a ética, indica onde irás tocar e já sabes, Reiki não tem promessa de cura.

  4. Tratamento a animais e plantas

    Algo também extraordinário é que podes aplicar Reiki aos teus animais e a plantas. Poderás ainda ser voluntário no tratamento de animais, quando acompanhado por um supervisor mais experiente. Experimenta e vais ver como é interessante.

  5. Técnicas para a melhoria do corpo e da mente

    Neste nível aprenderás muitas técnicas que servirão de grande base para a tua prática ao longo de todo o tempo. Duas muito importantes são a técnica da desintoxicação e a do pensamento positivo.
    Através destas duas técnicas, conseguimos bem perceber que Reiki não é tão simplista quanto por vezes querem fazer crer, mas sim uma prática profunda para o teu crescimento e bem-estar.

  6. Desenvolvimento da percepção da energia

    Irás compreender o sentido do byosen e poderás então praticar em muitas situações a “irradiação do desequilíbrio”, o que te irá ajudar a entender a condição energética de ti mesmo, de outra pessoa, animal, planta ou mesmo objecto.

O que podes fazer com o nível 1 de Reiki é verdadeiramente extraordinário. Em primeiro lugar cuidar de ti, mudar as questões que são necessárias entender e ainda poder aplicar a outros. Vale a pena dedicares-te, a recompensa vem pela prática.

A prática de autotratamento

Poderás ler também O Grande Livro do Reiki como manual auxiliar, não só para o nível 1 de Reiki, mas para todo o percurso. Este é um manual recomendado pela Associação Portuguesa de Reiki.

O Grande Livro do Reiki é manual recomendado pela Associação Portuguesa de Reiki

O Grande Livro do Reiki é um manual recomendado pela Associação Portuguesa de Reiki, em aprovação por unanimidade na Assembleia Geral de 26 de Janeiro de 2019. Além de ser um apoio ao esclarecimento sobre o que é Reiki, torna-se também uma referência e auxiliar à construção de cursos de Reiki com acompanhamento continuado, indicações já dadas pela Assembleia Geral de Outubro de 2018.

O Grande Livro do Reiki

De uma forma simples, compreensível e estruturada, O Grande Livro do Reiki apresenta os conteúdos sobre:

  • O que é Reiki e o Usui Reiki Ryoho;
  • A filosofia de vida;
  • Como se preparar para iniciar um curso de Reiki;
  • O manual para cada nível de Reiki;
  • Os símbolos de Reiki;
  • A preparação entre cada nível de Reiki;
  • O corpo energético e práticas para cumprir os propósitos de cada nível;
  • Como estruturar cursos com acompanhamento continuado;
  • E muito mais…

Do Shoden (Nível 1) ao Gokukaiden (nível 3B) o manual pode ser usado por todos os praticantes de qualquer sistema de Reiki.

Como dormir melhor aplicando os conceitos de Reiki

Em determinadas alturas não conseguimos ter um sono descansado e repousante, existem várias formas para o fazer, mas podemos também considerar como dormir melhor através da prática de Reiki.

Para que o nosso sono seja mais tranquilo, podemos considerar vários aspectos da filosofia e da terapia Reiki.

Como dormir melhor através da prática de Reiki

Em primeiro lugar precisas observar tudo o que se passa relativamente às tuas rotinas antes de ires dormir. Mesmo que só agora é que estejas a ter algum distúrbio de sono, revê todas as situações que se passam antes de dormir:

  • Vês televisão?
  • Tens o telemóvel perto de ti?
  • Estiveste nas redes sociais ou a responder a emails antes de ires dormir?
  • Tomaste uma refeição perto da hora de ir dormir?
  • Tens preocupações?
  • Sentes-te triste?
  • Há alguma situação que te perturba ou provoca raiva?
  • Estás ansioso pelo dia seguinte?
  • Sentes o quarto/cama confortáveis e limpos?
  • Acordas durante a noite?

Todas estas questões têm uma razão de ser, elas podem afectar bastante a forma como passas o tempo de sono. A emissão de luz pelos ecrãs pode afetar o sono, assim como as interações sociais pelas redes digitais podem trazer agitação pelos pensamentos e emoções que despoletaram.

A barriga cheia poderá prejudicar a qualidade do sono, assim como sentimentos e emoções de preocupação, tristeza, raiva, ansiedade ou desconforto.

Também a própria forma como sentes o teu espaço pessoal e a cama, poderá ser importante a refletir. Observa ainda se acordas durante a noite e porque isso acontece, pois poderá revelar-te situações que andas a transportar para o inconsciente e que não te deixam descansar.

Aplicar Reiki para dormir melhor

Se já resolveste a maior parte das questões que podem ser resolvidas, mas ainda ficaram a faltar o tratamento das emoções, ou mesmo o desconhecimento de causa de porque não consegues dormir bem, aqui ficam algumas dicas para experimentares.

  1. Cinco princípios

    Os cinco princípios podem ser bastante desafiantes, poderás questionar-te com eles para compreender o que se passa contigo:
    Sou calmo – o que me tem perturbado a calma para não dormir?
    Confio – será que tenho alguma questão que perturba a autoconfiança?
    Sou grato – o que tenho a aprender com esta situação? Porque não agradecer por todas as más situações?
    Trabalho honestamente – será que tenho comunicado bem comigo mesmo ou há coisas por dizer?
    Sou bondoso – o que realmente sinto que necessito para estar bem?
    Recitares os cinco princípios à noite é também uma recomendação que o próprio Mestre Usui indicava.

  2. Técnica da respiração

    Muitos praticantes experimentam fazer esta técnica, principalmente quando acordam a meio da noite. Cessar os pensamentos e praticar a técnica da respiração – o Joshin Kokyu Ho.

  3. Autotratamento

    O autotratamento é também uma boa forma de adormecermos, na verdade é o que acontece à maior parte dos praticantes quando está na cama a fazer o autotratamento. Existe uma condição necessária e que é o fazeres enraizamento, ou seja, proporcionares o escoamento de energia.

Se nada destas práticas resultam, além de consultares um médico sobre a higiene do sono e a tua condição, se quiseres, procura também um terapeuta que possa compreender o que se passa com a tua energia.

Numa infeção urinária como pode Reiki auxiliar no tratamento

A infeção urinária é uma condição de saúde que requer uma vigilância atenta e, em primeiro lugar, a pessoa deve ser consultada e acompanhada por um médico. O tratamento de Reiki pode servir como um complemento, auxiliando o corpo a reagir positivamente ao tratamento médico.

Como aplicar Reiki na condição de uma infeção urinária

Este tipo de tratamento pode ser realizado na forma de autotratamento, ou seja, pela própria pessoa, ou então por outro praticante de Reiki.

  1. Compreensão do que possa ter causado a infeção urinária

    Tenta refletir ou descrever em profundidade como foram os teus dias que antecederam a infeção urinária. O que mudou na alimentação, nas tuas rotinas, que tipo de situações emocionais passaste, como está a tua mente, o stress, em locais estiveste, entre outros.

  2. Percepção das zonas mais afectadas no corpo

    Realiza o byosen para tentar sentir que zonas possam estar a irradiar o distúrbio da infeção urinária, tendo isso mesmo por intenção.

  3. Limpeza

    Se tens o nível 2 de Reiki, aplica o segundo símbolo ao longo de toda a tua aura, para limpares a energia;
    Sente como está o corpo e as zonas mais afectadas;
    Experimenta limpar todo o byosen que sintas antes de aplicares Reiki;
    Visualiza a zona pélvica como se estivesse toda limpa (usa a tua criatividade de visualização).

  4. Tratamento

    Faz um autotratamento completo, mas começa pelo chakra raiz, vai descendo pelas pernas até aos pés;
    Depois sim, faz da cabeça até ao chakra raiz;
    Tem uma atenção especial à zona do estômago/fígado/baço;
    Aplica também Reiki abundantemente na região pélvica (nota: eticamente se for outra pessoa não pode tocar nessa região);
    Se sentires que houve questões emocionais ligadas, envia Reiki para essas situações.

Este tipo de tratamento requer uma continuidade de cuidados e depois uma manutenção profilática, visto que a infeção urinária poderá ser um tipo de fragilidade na pessoa, que se manifestará sempre que esteja com o sistema imunitário mais fraco.

Como enviar Reiki para uma situação do passado para trazer harmonia

A prática de enviar Reiki à distância é uma técnica aprendida no segundo nível de Reiki e em japonês chama-se Enkaku Chiryo (tratamento ausente).

Esta técnica pode ser aplicada no tratamento do corpo energético ou também no tratamento de situações, mas não será isso algo de estranho? Como pode uma técnica de enviar Reiki tratar uma situação do passado?

Uma técnica para enviar Reiki para uma situação do passado

Na nossa vida temos sempre situações com outras pessoas que resultaram em desarmonia e mesmo mágoa. São situações que acabamos por não conseguir voltar a ter um contacto, não podemos resolver nada verbalmente e fica uma espécie de paz que sentimos ser falsa. Essa sensação gera-nos inquietude, que poderá agravar a forma como estamos presentes na vida.

Enviar Reiki para esta situação do nosso passado não é fazer um qualquer milagre de desaparecer a situação, de mudá-la a nosso favor, ou de fazer desaparecer a pessoa do nosso pensamento, é sim um alívio da energia emocional que sentimos, que possivelmente também a outra pessoa sentirá e ainda um serenar do nosso subconsciente.

Como poderás enviar reiki para uma situação do passado, para promover a sua harmonia e a de todos os envolvidos?

  1. Reflexão

    Começa por meditar um pouco. Esvazia a tua mente para serenares as emoções. Coloca-te num estado neutro e observa a situação que queres tratar. Verifica genuinamente o que há a tratar.

  2. Protocolo do início do envio de Reiki à distância

    Senta-te confortavelmente, por exemplo e indica “vou iniciar o envio de Reiki à distância para o tratamento da situação…….”. Visualiza o terceiro símbolo e o seu mantra, o segundo e o primeiro e os respectivos mantras.

  3. O tratamento da situação

    Podes colocar as mãos palmas frente a frente, como se segurasses uma bola invisível e como se a situação ficasse entre elas.
    Deixa fluir a energia e se sentires que é necessário algum símbolo, visualiza-o na situação e o seu mantra.

  4. Finalização do tratamento

    Quando quiseres terminar este tratamento, visualiza a situação mais serena, todos os envolvidos em harmonia e depois indica “vou terminar o envio de Reiki à distância”. Visualiza novamente o terceiro, segundo e primeiro símbolos e os respectivos mantras.
    Agradece.
    Faz o banho seco (Kenyoku Ho).

  5. Tratar emoções que emergem

    Ao tratar situações do passado poderás ter uma consciência mais clara sobre as emoções que tinhas guardadas e que, de alguma forma, te traziam mágoas, rancores, dor, tristeza. A prática trouxe ao de cima o que precisava ser harmonizado.
    Para tratares essas emoções, verifica qual a parte do corpo que se manifesta afetado, para harmonizares com o autotratamento, reflete com os cinco princípios e envia também Reiki para essas emoções. Por exemplo, se te visualizas com rancor, envia reiki para que estejas com mais compreensão, serenidade e paz.

O Enkaku Chiryo foi uma técnica, segundo dizem, também muito usada no tempo da segunda guerra mundial pelas esposas de soldados. Enviavam para sentir a energia do seu marido e quando deixavam de sentir essa energia, compreendiam que tinha falecido.

Os pantones das cores dos chakras

As cores dos chakras podem ter também uma representação através do código de cores Pantone. Existem diferentes abordagens, que dependem muito dos gostos pessoais e aqui ficam representadas duas, com cores mais intensas e com cores mais suaves.

É sempre recomendado haver uma prova de cor antes da impressão final, para que se verifique a cor. Poderá o resultado depender do tipo/qualidade de papel, ou mesmo parede.

Palete Pantone de cores dos chakras

Estas cores dos chakras são mais brilhantes e aproximadas daquelas que geralmente são visualizadas.

  • Pantone 485 C / CMYK – 5.98.100.0
  • Pantone 1585 C / CMYK – 0.72.98.0
  • Pantone 7408 C / CMYK – 2.26.100.0
  • Pantone 347 C / CMYK – 89.10.100.0
  • Pantone 2905 C / CMYK – 41.9.2.0
  • Pantone7687 C / CMYK – 100.86.15.3
  • Pantone Violet C / CMYK – 89.100.1.2

Palete Pantone suave de cores dos chakras

As cores dos chakras podem ter também um aspecto mais suave, mais pastel.

  • Chakra da Coroa – Pantone 18-3224;
  • Chakra da Terceira Visão – Pantone 18-3949
  • Chakra Laríngeo – Pantone 15-3920
  • Chakra Cardíaco – Pantone 15-6114
  • Chakra do Plexo Solar – Pantone 14-0852
  • Chakra Esplénico – Pantone 17-1360
  • Chakra Raiz – Pantone 18-1651

Quando surge uma raiva dentro de ti e como lidar com ela através da prática de Karuna e Reiki

A raiva e a irritabilidade são pequenos grandes venenos que estão dentro de todos nós. Muitas vezes conseguimos lidar com eles, mas na verdade são como ervas daninhas, as suas raizes ficam, por vezes bem fundas e poderão trazer-nos grandes danos.

Quando a raiva polui o “grande lago” da nossa serenidade, começamos a sentir uma inquietude, uma necessidade de extravasar, de transbordar e derramar este sentimento tão prejudicial. Mas o que provoca esta raiva ou irritabilidade?

Um olhar de Karuna e Reiki sobre a raiva

A raiva é um dos três grandes venenos que polui a nossa mente, estando de mãos dadas com o apego e com a ignorância. Esta raiva pode surgir da insatisfação, do descontentamento, da tristeza, de mágoas, ou outros sentimentos e situações que tenhamos passado e nos tenham deixado uma marca na integridade, forma de estar na vida ou felicidade.

Se a raiva surge significa que há uma insatisfação em nós, um sofrimento. Qual será ele?

Uma forma de analisares essa insatisfação e sofrimento é questionando-te através dos cinco princípios.

Cinco princípios para a raiva

  • Só por hoje – o que me tira do meu momento presente e faz sentir a raiva? Que pensamento ou sentimento surge oculto?
  • Sou calmo – Que situações tiram a minha harmonia e despoletam este sentimento?
  • Confio – Este sentimento retira-me a capacidade de confiar em mim, de acreditar em mim?
  • Sou grato – O que esta raiva ou irritabilidade na verdade me quer dizer? Será que andei demasiado submisso, esquecendo-me de mim mesmo? Será que andei a adiar muitas decisões? Será que não estou em paz com algumas situações passadas ou futuras?
  • Trabalho honestamente – O que sinto que esta situação traz para mim e para a minha vida?
  • Sou bondoso – Como sinto que estarei em paz perante este sentimento? Como sinto que poderei levar paz aos outros porque a minha raiva ou irritabilidade também atinge os outros? Qual o caminho do meio?

Um tratamento de Reiki e Karuna para a raiva e irritabilidade

A tua raiva não deve ser menosprezada, ela representa um sofrimento para ti e uma dor que te poderá magoar e levar também mágoa aos outros. Poderás através da tua prática tentar ganhar mais consciência sobre a raiva e tentar tratá-la.

  1. Medita

    A meditação é muito importante para a raiva, ela pode servir como a febre serve para uma doença. A meditação poderá fazer sair de ti o veneno que sentes a perturbar-te, por isso, se puderes, medita diariamente, várias vezes ao dia. 15 a 20 minutos, ou pelo menos 5 a 10 minutos.

  2. Trata-te

    Se sentes que essa raiva surge com um determinado tratamento que fizeste, tenta sentir o que te fez vir à tona. Por exemplo, um Om de Karuna pode trazer um grande sentimento de unidade, mas ao mesmo tempo poderá mostrar-nos o que não nos faz ester em unidade. Um Daikomyo poderá trazer-nos grande harmonia, orientação e iluminação, mas ao mesmo tempo poderá mostrar-nos o que nos falta trabalhar para alcançar esses pilares da vida.
    Aplica o teu autotratamento com a intenção correta, faz sair de ti o “veneno” que sentes, mas com bondade e entendimento.

  3. Cultiva um amor e compaixão por ti mesmo

    Tu és alguém de grande valor e uma pessoa única, a tua vida é preciosa e este momento faz parte da tua vida. Ele traz-te grandes lições e poderá representar um enorme progresso, por isso mesmo confia em ti e trata esse sentimento com grande amor por ti mesmo e com dedicação para aliviar o teu próprio sofrimento.

A raiva e irritabilidade existem em todos nós. As situações pelas quais passamos ajudam-nos a compreender cada vez melhor a própria vida e todos aqueles que nos rodeiam.

Como lidar com a crise de cura com Karuna

A crise de cura é uma reação natural do corpo ao seu tratamento, ela acontece porque havia um desequilíbrio que impedia o correto funcionamento.

Este desequilíbrio não é apenas necessariamente físico, ele pode ser emocional, mental ou energético.

Karuna para lidar com a crise de cura

Se a crise de cura surgiu após um tratamento de karuna ou a prática de sintonização, poderás fazer o seguinte para lidar com ela. Vamos imaginar que sentes que algo não está bem contigo, mas não sabes bem o que é.

  1. Meditação

    Começa por meditar um pouco, pelo menos quinze minutos, podes aplicar a técnica Joshin Kokyu Ho ou o Gassho Kokyu Ho.

  2. Autotratamento

    Volta a aplicar exatamente o mesmo autotratamento que aplicastes e que te fez surgir a crise de cura, ou aplica a intenção para compreenderes o que estás a sentir.

  3. Tomada de consciência

    O que aconteceu? O que se passa em ti? O que te apetece fazer em relação a essa inquietude que sentes?

  4. Mudança de padrão e tratamento

    O que achas que deves mudar, é mesmo o que é necessário para essa crise de cura passar, concentra-te nessa mudança e verás que tudo começa a ter um sentido diferente.
    Volta a aplicar o autotratamento e meditação durante dias consecutivos para harmonizares esse desequilíbrio.

A crise de cura não é um processo fácil e é claro que nos traz desconforto, mas se tentarmos compreender o que nos quer dizer, então tudo fará um enorme sentido e a nossa progressão será grande. Tem força, serenidade e continua a prática.

Karuna, a prática da grande compaixão – ultrapassar as questões pessoais e interpessoais

Karuna é um método terapêutico que foi criado como um ramo do Reiki. Neste método procura-se desenvolver a compaixão e a prática terapêutica dentro da energia de cada um dos símbolos presentes nos diferentes níveis.

Esta prática irá também ajudar-nos a ultrapassar as grandes fronteiras interiores que criamos perante as nossas questões pessoais e interpessoais.

Como karuna pode construir a compaixão para as nossas questões

O que é a compaixão senão uma vontade consciente para aliviar o sofrimento?

Muitas vezes esta compaixão surge para com os outros. Vemos alguém sem abrigo, vemos uma criança com fome, a guerra, a miséria, o infortúnio, mas nem sempre vemos o próprio sofrimento que temos, nem compreendemos que é necessário libertar-nos dessa prisão.

A prática de Karuna leva-nos a esse entendimento, “se eu estou em sofrimento, como posso libertar os outros do seu sofrimento?”, “Se eu vou com ansiedade querer um resultado para o alívio do sofrimento dos outros, como poderei não cair em sofrimento?”.

Através das técnicas, reflexão na filosofia de vida e prática através da terapia, compreendemos que há um trabalho que é feito par a par – o aliviar o sofrimento dos outros e o aliviar o nosso próprio sofrimento.

Ganhar consciência deste caminho com duas vias no mesmo sentido, ajuda-nos a apaziguar a mente e a confortar o coração.

Este entendimento ajuda-nos também a compreender que barreiras temos em nós e que barreiras colocamos perante os outros. A dissolução dessas barreiras traz-nos crescimento, paz e felicidade.

Como tratar sentimentos de Raiva com Reiki

Acredito que todos temos em nós sentimentos de raiva, uma espécie de semente que está plantada, muitas vezes adormecida, mas que surge em vários momentos da nossa vida.

A raiva é um dos três grandes venenos da nossa mente sendo os restantes o apego e a ignorância.

Os sentimentos de Reiki e como os trabalhar com a prática de Reiki

A raiva é uma espécie de fogo latente em nós, aquecido pelas situações que afetam a nossa integridade, modo de vida e forma de estar, mas a raiva pode também surgir pela quantidade de stress que acumulamos ou até pela frustração de não realizarmos algo.

Ela torna-se uma espécie de ruído de fundo que está sempre presente, nem sempre consciente, mas que nos perturba em vários momentos.

Cultivar raiva sem termos consciência disso fará de nós um vulcão prestes a rebentar.

A prática de Reiki tem um olhar muito atento sobre a raiva, não só pelo seu primeiro princípio “sou calmo“, mas também por toda a sabedoria que a filosofia de vida nos pode trazer.

Aplicar Reiki aos sentimentos de raiva

Podes trabalhar as questões dos sentimentos de raiva, através da prática de Reiki, seguindo estas dicas:

  1. Tomada de consciência

    Em primeiro lugar precisas mesmo compreender o que é que te causa a raiva. Possivelmente irás descobrir que são muitas situações, mas todas elas tocam em ti apenas de uma forma, que forma é essa?

  2. Autotratamento

    O autotratamento é uma peça fundamental para o equilíbrio de qualquer praticante de Reiki. Todos os dias aplica-o perante a tua intenção de harmonizar a raiva que sentes.

  3. Desintoxicação

    Desintoxica-te desses sentimentos de raiva. Durante ou após o autotratamento, aplica a técnica Heso Chiryo, a técnica de desintoxicação pelo umbigo.

  4. Cultivo do pensamento positivo

    Trabalha agora a atitude que te permitirá não cultivar mais sentimentos de raiva e que te auxiliará a mudar a perspetiva de vida. Podes aplicar a técnica Seiheki Chiryo, do nível 2 de Reiki.

  5. Envio de Reiki

    Envia Reiki para a situação (a causa e as condições, separadamente) do que te traz os sentimentos de raiva.

  6. Meditação

    Serenar a mente e cultivar a compaixão, é um dos propósitos da meditação. Pratica a técnica Gassho Kokyu Ho.

  7. Revisão

    Após uma semana de trabalho consecutivo (diligente) sobre estes sentimentos de raiva que tinhas, como te sentes? O que achas que há a trabalhar?

O processo de desintoxicação não é fácil, assim como a tomada de consciência, mas refletindo e praticando os cinco princípios de Reiki, irás começar a trazer cada vez mais à consciência, o que te perturba e porque.

Compreender o sofrimento – Não podemos levar o sofrimento aos outros, mas também não podemos deixar que os outros tragam o seu sofrimento a nós. Será mesmo assim?

Porque será importante compreender o sofrimento?

Ele chega à nossa vida em diferentes fases, de diferentes formas e com causas distintas, provocando também efeitos diferenciados. Quando sofremos não estamos bem e podemos também levar aos outros o sofrimento que temos, fazendo-os também sofrer.

Será que a nossa vida é só dor?

Claro que não! A vida é completa com bons sentimentos, bons pensamentos, boas emoções e vivências, mas também faz parte dela a dor e o sofrimento. Quando o entendemos surge uma serenidade interior que nos “ilumina”, que nos auxilia a compreender o que é a vida, o que é viver e como viver.

Compreender o sofrimento e as lições que ele traz

Sofremos quando, de alguma forma, não estamos a ir na vida em sintonia com o nosso próprio propósito, quando estamos em dor, quando não nos sentimos amados ou apreciados.

Ao sofrer nem sempre temos força para irmos em frente, quando isso acontece, essa dor parece transbordar de nós e ela afecta os outros e tudo o que nos rodeia, consciente ou inconscientemente.

Por exemplo, um colega de trabalho conflituoso pode estar a sê-lo por ter em si sofrimento, o seu relacionamento pode estar deteriorado, a sua família pode estar doente, ele pode estar perdido na vida, pode sentir que está a agir incorretamente, mas não sabe como mudar. O seu sofrimento irá fazer sofrer os outros.

Então compreender o sofrimento, como ele nos afecta e como tal pode levar sofrimento aos outros poderá ser um dos passos mais importantes para que a nossa vida possa ser mais pacífica e feliz.

Como poderás então ter essa reflexão sobre o teu sofrimento e o sofrimento dos outros?

Não é uma tarefa fácil, mas implica abrandar um pouco, avaliar as várias situações em que tens vindo a estar presente na vida e que te trazem sofrimento e perceber também de que forma fazes sofrer os outros.

Sabendo que o sofrimento não é bom, em primeiro lugar tentamos não levar o sofrimento aos outros, depois, com bondade e tranquilidade, tentamos serenar o nosso próprio sofrimento.

Nesta troca de dor de um para o outro, compreendemos que isto foi o que aconteceu ao longo de toda a história da humanidade e que, de alguma forma, nos traz a resposta de porque vivemos e o que podemos fazer para vivermos cada vez melhor.

Sós não conseguimos evoluir, em sociedade, o nosso crescimento é bem mais acelerado e quando bem conduzido, leva-nos ao caminho correto.

Autotratamento Reiki com a intenção para um curso de Reiki

Se vais iniciar um nível 2 ou nível 3 de Reiki, podes também auxiliar a tua preparação com um autotratamento.

O autotratamento Reiki é uma forma de proporcionarmos a nossa harmonia e equilíbrio e isso poderá ser também algo de muito interessante para os dias que antecedem um curso de Reiki.

Como fazeres o teu autotratamento Reiki com a intenção para o curso que vais realizar

O autotratamento traz muitos benefícios para o praticante de Reiki, desde o alinhamento e limpeza dos canais energéticos, à harmonia dos pensamentos e emoções, passando pelo alinhamento energético dos centros de consciência que são os chakras.

Na semana antes do teu início de curso de Reiki, podes então aplicar um ou mais autotratamentos, principalmente com a intenção que queiras colocar para o teu curso.

A intenção é uma forma de focarmos a energia e, para nós, essa intenção deve ser algo exclusivo e único para o nosso desenvolvimento pessoal, sempre para o nosso bem supremo e com serenidade.

Tempo necessário: 45 minutos.

  1. Realiza a limpeza

    Antes de começares, realiza o teu banho seco e se quiseres a chuva de Reiki.

  2. Liga-te à energia e coloca a intenção

    Sente a tua ligação com Reiki, recita os cinco princípios e aqui coloca a tua intenção pessoal, feita da forma como entenderes melhor.

  3. Deixa fluir a energia

    Aplica as várias posições do autotratamento e mantém o enraizamento para ir escoando a energia.

  4. Observa o byosen

    Vai observando o que cada posição no teu corpo te transmite e o que achas que necessita ir sendo trabalhado.

  5. Termina

    Quando quiseres terminar, agradece, se quiseres recita novamente os cinco princípios e se for necessário, faz o banho seco.

Sente a alegria de praticar Reiki e do novo percurso que vais realizar. Se adormeceres no autotratamento não tem problema algum, estás a vivenciar o teu repouso e conforto.

Como lidar com um colega de trabalho conflituoso através da prática de Reiki

Em alguma altura surge sempre um colega de trabalho conflituoso que diariamente nos traz o grande desafio de conseguirmos realizar o nosso trabalho com harmonia.

As suas intervenções trazem-nos desequilíbrio a um ponto em que, muitas vezes, apenas a sua presença é o suficiente para nos causar mau estar e um bloqueio imediato do raciocínio.

Como pode Reiki ajudar a lidar com um colega de trabalho conflituoso

Este tipo de situações, o ter um colega de trabalho conflituoso pode também surgir no seio familiar ou nas amizades que vamos cultivando. Há alturas em que essas situações surgem na pior fase da nossa vida e cria-nos um desequilíbrio ainda pior.

A nossa prática de Reiki, em primeiro lugar, observa a situação de uma perspetiva de tomada de consciência e depois de tratamento terapêutico.

Como observar a situação

Compreendemos que na vida tudo deve estar em harmonia e equilíbrio para haver um correto funcionamento do ecosistema, quer ele seja o planeta, a sociedade ou mesmo a nossa vida pessoal. Esta espécie de homeostasia indica-nos que se não há harmonia e equilíbrio, algo deve ser corrigido e é exatamente isso que vamos tentar compreender.

Uma pessoa que nos traga desestabilização, tem um problema que necessita resolver, mas se nos afeta, nós também temos um problema a resolver, ou seja, precisamos entender de que forma a pessoa estimula em nós algum desequilíbrio. Assim, vamos usar os cinco princípios para compreender melhor esta situação:

  • Só por hoje, sou calmo – De que forma este colega de trabalho me faz perder a calma? O que em si, na sua forma de ser, trabalhar, agir, me faz perder a calma? O que isso me faz lembrar? Como hei-de mudar para lidar com essa situação?
  • Confio – Perdi a confiança no meu colega ou perdi a confiança em mim mesmo para resolver a situação? O que poderei fazer para retomar essa confiança?
  • Sou grato – Esta situação traz-me lições preciosas para o meu crescimento, sem ser a fuga da situação, que lições podem ser essas?
  • Trabalho honestamente – Quero resolver a situação ou fugir dela? Já tive uma conversa profissional e honesta com o meu colega de trabalho conflituoso?
  • Sou bondoso – De que forma acho que esta situação se pode resolver, sendo boa para todos, pelo bem pessoal, interpessoal e da companhia?

A tomada de consciência é o mais importante pilar para este nosso trabalho.

Como tratar uma situação com um colega de trabalho conflituoso

Ao ter a consciência do que há a fazer com o colega de trabalho conflituoso, vamos usar as nossas técnicas para cuidarmos de nós mesmos e trazermos equilíbrio perante esta situação.

  1. Filosofia de vida

    Após a tua reavaliação da situação, aplica os cinco princípios sempre que tenhas que lidar com esse colega. Tenta compreender que se ele é incorreto, está ou num processo de ignorância, ou seja, não tem um entendimento correto, ou está em sofrimento e leva esse sofrimento a ti também.

  2. Autotratamento

    Coloca a tua intenção para o tratamento desta questão e aplica o autotratamento com regularidade para compreenderes que chakras podem estar mais afectados e que tipo de fragilidade tu possas estar a desenvolver ou ter que é estimulada por esta situação.

  3. Atitude Positiva

    Lembra-te que a tomada de consciência é o que nos ajuda a vivermos cada vez melhor, mas por vezes isso traz-nos alguma tristeza, por isso a tua atitude positiva é muito importante, mesmo que haja algo a mudar em ti, fá-lo com contentamento, tudo acontece para que vivas de forma mais pacífica. Não deixes que a situação te pare a vida, nada vale isso e tu vales bem mais. Aplica a técnica Nentatsu, ou Seiheki Chiryo, será muito importante e irá ajudar-te a criar a melhor atitude possível para esta situação.

  4. Envio de Reiki

    Usa a técnica de Envio de Reiki à distância para lidares com esta situação, trazendo harmonia e a tua capacidade de lidar com a situação.

A prática de Reiki ensina-nos que só nós podemos mudar e crescer com as situações, tendo isso em serenidade na nossa mente, começamos a cultivar as sementes para uma resiliência cada vez maior aos nossos problemas.

A importância de um Mestre de Reiki para o crescimento do aluno

Cada curso de Reiki é um momento único na vida, quer para o Mestre de Reiki quer para o aluno que se torna praticante, ou que vai crescendo na prática através dos vários níveis.

Mas qual será o impacto que um Mestre de Reiki tem para a vida do seu aluno e de que forma o ensino poderá ter uma grande influência?

Como um Mestre de Reiki pode ter um papel importante no crescimento do aluno

O que ensinamos num curso de Reiki?

A filosofia de vida e a prática terapêutica do Usui Reiki Ryoho.

Lembrando-nos desses ensinamentos compreendemos que o que estamos a facilitar aos que nos procuram para este caminho no Reiki é também um apoio na vida. Este apoio não é uma bengala, mas sim a passagem de ferramentas importantes para a resiliência, tomada de consciência e cultivo dos maiores valores humanos.

Então, refletindo sobre o ensino, a forma, a duração, o estar, podemos até escutar as imortais palavras de Camões:

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, 
Muda-se o ser, muda-se a confiança: 
Todo o mundo é composto de mudança, 
Tomando sempre novas qualidades. 

Luís Vaz Camões

Ser Mestre de Reiki requer um grande empenho, uma constante revisão de vida e de ensino, não apenas o “eu faço o que vi fazer, eu ensino o que me ensinaram”, mas uma observação mais profunda da realidade, das necessidades pessoais e dos grupos e também uma consciência de um caminho correto.

Quando alguém procura a prática de Reiki vai com uma questão e como pode o Mestre de Reiki auxiliar na procura dessa resposta?

O Mestre Usui ensina-nos como o fazer de uma forma bastante simples, mas tão exigente e profunda que leva-nos uma vida a compreender e aplicar – os cinco princípios de Reiki.

Lembrar que o que ensinamos tem impacto na vida de outra pessoa é algo que nos faz refletir seriamente sobre o fazemos.

Assim, o que precisamos saber cultivar nos nossos alunos?

A importância da harmonia; A descoberta da autoconfiança e da valorização de nós próprios e dos outros; A imensidão da gratidão por tudo; O esforço, a diligência e honestidade em tudo na vida; O florescimento da bondade.

Ser Mestre de Reiki é uma profissão de grande responsabilidade que com cinco raizes bem profundas e sólidas se torna também numa melhor árvore da vida.

Cuidados a ter em relação a pessoas com doença para Mestres e Terapeutas de Reiki

As terapias complementares começam a ter cada vez mais um papel presente na saúde dos portugueses e já muitos recorrem aos serviços de Terapeutas de Reiki para o auxílio na profilaxia, manutenção e cuidado do bem-estar.

Apesar da validade de formação que Mestres e Terapeutas de Reiki têm é necessário uma enorme atenção com a forma de tratar um utente ou aluno, que esteja a passar um momento de cuidado com uma doença.

Os cuidados que Mestres e Terapeutas de Reiki devem ter com a forma de abordar pessoas com doença

Para se tornar Mestre de Reiki, um praticante deve ter todos os seus níveis efectuados, assim como aprender a sintonizar outros. Para se tornar terapeuta de Reiki, o praticante deve ter o seu nível 3 de Reiki concluído e prática terapêutica alcançada.

A prática do Usui Reiki Ryoho é fundamentada por uma filosofia de vida assente em cinco princípios.

Só por hoje, sou calmo; Confio; Sou grato; Trabalho honestamente; Sou bondoso.

As indicações terapêuticas que o Mestre Usui nos deixou, podem ser encontradas num manual da sua associação que está publicado no livro Reiki Guia do Método de Cura.

Mas compreender o que é a forma de abordar uma pessoa não é algo que esteja explícito nos ensinamentos e cada um vai abordando a sua própria forma de o fazer.

Muitas são as abordagens no momento de uma consulta ou de uma formação, no entanto devemos sempre lembrar que a pessoa que nos procura pode estar em sofrimento e que o seu sofrimento não deve ser menosprezado. Menosprezar o sofrimento é desvalorizar a pessoa.

Isto não significa que não devemos ter uma ação que leve ao indicar de um caminho mais correto para a pessoa, mas a decisão de tomar esse caminho deve ser dela e a nossa atitude deve ser harmoniosa, capacitadora, instrutiva, honesta e bondosa.

Hoje em dia tem surgido uma corrente de pensamento que aborda a doença como sendo apenas psicossomática e tal não é verdadeiro, é um erro um praticante de Reiki cair em fórmulas e não observar cada pessoa como ela é.

Alguns exemplos são quase “criminosos” quando se diz que alguém “tem cancro porque é uma pessoa triste”. A pessoa que tenha doença oncológica e ouça isto se já estava debilitada, mais ainda fica, sentindo-se destruturada pois alguém ainda a acusa de ter a doença pela qual está no momento a passar esta fase de vida.

Em certa ocasião pude ouvir esta frase publicamente para uma grande plateia de pessoas e alguém indignado, justamente, indicou que isto do “Reiki é uma farsa porque a sua esposa tinha falecido com um cancro e era a pessoa mais positiva, com força de vida e alegre que conhecera em toda a vida”.

Naturalmente que um terapeuta e Mestre de Reiki poderão ter os seus maus dias e dizerem algo que não é o mais apropriado. Isso não tem problema algum e podemos sempre corrigir as nossas questões, não podemos é apegar-nos a preconceitos prejudiciais pois, na verdade, não estamos a estabelecer empatia com a pessoa e com o seu momento de vida.

De que forma poderemos abordar uma pessoa com doença, através da prática de Reiki

A instrução mais preciosa que o Mestre Usui nos deixou encontra-se inscrita na sua Missão.

Através desta missão temos uma noção clara que tudo devemos fazer para poder guiar aqueles que nos procuram terapeuticamente ou através da ação formativa, para uma vida pacífica e feliz, isso significa ter um cuidado especial no trato das pessoas.

Depois, ele ainda nos refere os cinco princípios e assim compreendemos:

  1. Só por hoje

    Ajudar a pessoa a viver cada dia e cada momento, apoiar com as técnicas de meditação da prática de Reiki.

  2. Sou calmo

    Promover um estado receptivo de harmonia e ajudar a pessoa a harmonizar a sua mente e coração.

  3. Confio

    Capacitar a pessoa, levá-la além da doença, pois a pessoa não é a doença, apenas está a passar por ela numa fase da sua vida.

  4. Sou grato

    Auxiliar a ver o lado positivo da vida, empoderar e trazer a serenidade e apaziguamento também com a vida, a família e todos os que conheça.

  5. Trabalho honestamente

    Auxiliar a pessoa a ser diligente no seu bem-estar e a não ter receio de ser honesta quanto à forma como se sente e às coisas que tem guardadas em si.

  6. Sou bondoso

    A bondade através da sabedoria e da compaixão é a mais preciosa de todas as jóias, é a que traz conforto a um coração aflito e serenidade a uma mente perturbada.

A forma como tratamos alguém com uma doença é muito importante, tão ou mais importante que a aplicação de Reiki pois é um ato de humanidade. Um praticante, terapeuta e Mestre de Reiki não deve colocar a pessoa numa situação de maior fragilidade que àquela onde ela se encontra, muito pelo contrário, agir para todas as condições favoráveis possíveis se tornem reais.

Page 2 of 126

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén