Cristais

Um exemplo de aplicação de cristais em pessoa com doença oncológica

Desde o berço das primeiras civilizações na mesopotâmia, aos egipcios, gregos e romanos, à europa da Idade Média, que a aplicação de cristais ou o seu uso é considerado uma forma de fortalecimento, proteção ou forma de cuidado. Não existem estudos que comprovem os benefícios destes usos, apenas os relatos de quem se sente melhor ao usar. Por isso, nunca devemos de deixar ter o acompanhamento médico e este é apenas um exemplo complementar da aplicação de cristais.

Alguns cristais para apoiar uma pessoa com doença oncológica

A aplicação de cristais numa pessoa deve ser feita com ela vestida e pedindo o seu consentimento. Deve ser por cima da roupa pois não sabemos que determinadas propriedades possam existir que reajam na forma de alergia com a pele da pessoa.

São inúmeros os cristais para os diversos tipos de cuidado, mas poderás pensar em, por exemplo, usar os seguintes:

  • Quartzo fumado – colocar por cima das zonas indicadas com tumor, para ir absorvendo o excesso de energia densa. Pode ser também colocado por cima de locais com dor, caso seja possível para a pessoa;
  • Ametista – colocar na terceira visão, para acalmar a mente;
  • Quartzo rosa – colocar no chakra cardíaco para trazer tranquilidade ao coração;
  • Citrino, jaspe amarelo, ou calcite amarela – para o Plexo Solar, para auxiliar na energia da gestão emocional.

Depois, podes sempre auxiliar com o enraizamento, por exemplo colocando um jaspe vermelho no Chakra Raiz e nos joelhos, o que pode também auxiliar com a energia de ansiedade que possa surgir.

Se a pessoa quiser, ao longo do dia, poderá até andar com uma ametista ou meditar com este cristal, para ajudar a acalmar.

São mesmo inúmeros os tipos de aplicação de cristais que possamos fazer, por isso toma estes apenas como um dos seus exemplos.

Nota que é importante a pessoa compreender que não é uma cura, mas apenas uma forma de auxiliar com o relaxamento e sensação de bem-estar.

Os cristais devem ser limpos regularmente, quer seja após utilização ou ao final do dia, colocando-os numa selenite, por exemplo.

Designer, Mestre, Terapeuta de Reiki, Presidente da Associação Portuguesa de Reiki e fundador da Ser - Cooperativa de Solidariedade Social. Autor dos livros «Reiki Guia para uma Vida Feliz», «O Grande Livro do Reiki», «Reiki Usui», entre muitos outros. Fundador da revista "Budismo, uma resposta ao sofrimento". Acima de tudo quero partilhar contigo o porquê de Reiki ser a «Arte Secreta de Convidar a Felicidade».

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.