Educar, tentar e partilhar: um estudo de viabilidade para avaliar a aceitação e uso de Reiki como uma terapia auxiliar na dor crónica em instalações de cuidados de saúde militares

Reiki, uma terapia de energia de biocampo, continua a lutar para encontrar o seu lugar permanente entre o portfólio de modalidades de medicina complementar e alternativa em muitas instalações militares de saúde. Embora tenha demonstrado ajudar no tratamento da dor, a falta de conhecimento e a experiência limitada em primeira mão impactam a sua base. O objetivo deste estudo de viabilidade foi (1) educar os participantes sobre o conceito de Reiki, (2) dar aos participantes a oportunidade de experimentar seis sessões de terapia de Reiki, posteriormente, avaliar os resultados da dor crínica e (3) avaliar a impressão dos participantes e disposição para continuar a usar e recomendar a terapia de Reiki como adjuvante para o tratamento da dor crónica.

Este foi um projeto prospectivo de medidas repetidas pré e pós-intervenção, com uma amostra de conveniência de 30 beneficiários de assistência médica militar com dor crónica foi educada sobre Reiki e recebeu seis sessões de Reiki de 30 minutos durante 2 a 3 semanas. A dor foi avaliada usando uma bateria de ferramentas de avaliação da dor, bem como a avaliação da impressão e vontade de partilhar o conceito de Reiki. Este estudo foi aprovado pelo Conselho de Revisão Institucional de Comando de Material e Pesquisa Médica do Exército dos EUA (Nº M10617).

Resultados sobre o estudo de Reiki como terapia auxiliar na dor crónica em instalações de cuidados de saúde militares

Análises ANOVA de medidas repetidas mostraram que houve diminuição significativa (P <0,001) na presente, média e pior dor ao longo das seis sessões, com o efeito mais significativo a ocorrer até à quarta sessão. Quando uma variedade de descritores de dor foi avaliada, Reiki teve um efeito significativo em 12 dos 22 avaliados, com o efeito mais significativo na dor que foi descrito como formigueiro / alfinetes e agulhas (P = 0,001), pontiaguda (P = 0,001 ) e dores (P = 0,001). A interferência da dor em atividades gerais, caminhada, relacionamentos, sono, alegria de viver e stress diminuiu significativamente (P <0,001 a P = 0,002). A impressão das pontuações de melhoria aumentou 27% na sessão 6 e o conhecimento sobre Reiki melhorou 43%. Oitenta e um por cento dos participantes afirmaram que considerariam agendar sessões de Reiki se fossem oferecidas, com 70% a desejar pelo menos quatro sessões por mês.

Conclusão

Uma sessão de Reiki de 30 minutos, realizada por um praticante de Reiki treinado, é viável num ambiente ambulatório, com possíveis resultados positivos para os participantes que desejam tentar pelo menos quatro sessões consecutivas. Reiki tem a capacidade de impactar uma variedade de tipos de dor, bem como impactar positivamente as atividades da vida nas quais a dor frequentemente interfere. No entanto, a educação e a oportunidade de experimentar esta modalidade de cura energética são fundamentais para sua aceitação em instalações de saúde militares, bem como estudos clínicos mais robustos dentro do sistema de saúde militar para avaliar ainda mais a sua validade e eficácia.

Fonte: MeLisa Gantt, AN, USA (Ret.),  Judy Ann T Orina, CCRP Military Medicine, Volume 185, Issue 3-4, March-April 2020, Pages 394–400, https://doi.org/10.1093/milmed/usz271 Published: 23 October 2019

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.