2020 - Esforço Correto,  Filosofia de Vida

Eu vejo-te

Ver o outro, reconhecê-lo, é uma forma de respeito. Estar presente, é também uma forma de respeito, mas como o podemos compreender e desenvolver pela prática de Reiki?

Eu vejo-te, eu reconheço-te, só por hoje

A prática do Usui Reiki Ryoho tem uma dimensão muito profunda e voltada para o Ser. Não é propriamente para quem apenas quer ter umas noções disto e daquilo, mas sim para quem procura aprender. Mas porque uma “posição” tão dura? Está mesmo relacionada com este conceito do “vejo-te”.

Neste tempo de pandemia, já reparaste como muitas pessoas deixam de cumprimentar, mesmo quando lhes dirigimos a palavra. Como muitos andam na rua a olhar para baixo ou desviam a cara quando estamos a passar?

Não quer dizer que precises de uma retribuição ao teu “bom dia”, ou “como está?”, mas demasiada ausência de validação, pode começar a trazer-nos efeitos indesejáveis.

Se não me respondem, não existo. Se não me vêm, não existo.

Então, nós, praticantes de Reiki, precisamos realizar mais um esforço – “Eu vejo-te, eu reconheço-te”.

Observa estas palavras do Mestre Usui:

A lei natural do Grande Universo e cada espírito humano, como pequeno universo, devem ser constantemente unidos, existindo como um.

Mikao Usui

A união e coerência é algo muito vincado na prática de Reiki, isto porque em harmonia, confiança, gratidão, honestidade e bondade, construímos não só uma vida mais pacífica e feliz para nós próprios, como também o fazemos auxiliando todos os outros.

Quando cumprimentamos alguém ou retribuímos o seu cumprimento estamos a praticar algo de muito importante – o Só por hoje. Ou seja, estamos atentos, estamos presentes. Vemos, reconhecemos, validamo-nos e validamos o outro.

Então, a prática de Reiki desperta-nos, a estarmos mais atentos às nossas atitudes, a compreendermos o sofrimento do outro. Se alguém não te responde, pode estar em sofrimento, alheado, pode não reconhecer, pode não estar com disposição. Estes são tempos que requerem de nós ainda mais o sentido e cultivo da compaixão… só por hoje.

Designer, Mestre, Terapeuta de Reiki, Presidente da Associação Portuguesa de Reiki e fundador da Ser - Cooperativa de Solidariedade Social. Autor dos livros «Reiki Guia para uma Vida Feliz», «O Grande Livro do Reiki», «Reiki Usui», entre muitos outros. Fundador da revista "Budismo, uma resposta ao sofrimento". Acima de tudo quero partilhar contigo o porquê de Reiki ser a «Arte Secreta de Convidar a Felicidade».

2 comentários

  • Maria Filomena Pessanha

    Bom dia.Obrigada.Excelente e actual tema,para nos fazer refletir que sim Somos Um .que cada um de o seu melhor de si .Só por hoje <3

  • Luis Raimundo

    Sim,somos parcelas de um todo e como tal temos que reconhecer todos os outros como parte de nós mesmo,estando todos nós ligados a usufruir de experiências diferentes daí a nossa compreensão e compaixão por um parte de nós mesmo. Um tema e um aspecto de nós seres humanos muito interessante… E só por hoje…🙏🙂

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.