Quando tudo parece complicado – simplifica

Em determinados momentos parece que vivemos uma vida tão atulhada e turbulenta que sentimo-nos esmagados por ela.

Os nossos pensamentos esgotam-nos, não controlamos as emoções e tudo fora de nós parece trazer-nos apenas desconforto.

Se a vida se complica – simplifica

Temos obrigações sociais e pessoais. Com quantas mais pessoas nos relacionamos, acolhemos na vida e as consideramos importantes, mais temos o sentido de lhes dar resposta, mas quando todo esse importante na nossa vida nos parece sufocar, o que podemos fazer?

O Mestre Usui reconheceu que o ser humano perde-se de si mesmo e que sente uma necessidade de se reconstruir, de se realinhar consigo mesmo e com a vida.

O Método que ele criou, foi exatamente para isso, não no sentido dogmático ou paternalista, mas sim como um processo que empodera a pessoa a fazer o seu próprio caminho.

Cinco dicas para simplificares a tua vida

Para a prática da filosofia de vida, o Mestre Usui indicava-nos um truque muito importante, o saber estar, o saber ser, neste preciso momento. Não quer dizer que tenhamos que estar sempre atentos, mas a prática traz-nos essa flexibilidade e consciência. Assim, estas são as cinco dicas para simplificarmos a vida:

  1. Tem calma

    Como podemos ter calma se estamos agitados? Não o conseguimos fazer e isso ainda nos pode irritar mais, no entanto, podes pegar essa energia de “revolta”, de “irritação”, para destralhares, para criares momentos de quase vazio.
    Isto quer dizer que precisas que a tua mente serene, talvez um pouco mais de silêncio ao teu redor, talvez um pouco menos de afazer.

  2. Confia

    Isto leva-nos ao que sentes sobre a tua própria capacidade de resolveres as questões que vives, assim como a tua própria capacidade de pedires, indicares aos outros que precisas de um tempo, do teu próprio tempo.
    Acredita em ti, que também te mereces e que quanto melhor estiveres, mais poderás estar para os outros.

  3. Partilha a tua gratidão

    Algo que também te pode ajudar no turbilhão da vida é a gratidão consciente. Esta representa o momento em que paras, saboreias esse momento de consciência que tens e dizes algo como “eu agradeço este momento, estas questões que vivo, pois ajudam-me a melhorar”.
    Esta é uma tomada de consciência muito grande pois implica compreender que a vida não nos quer mal e que tudo apenas faz parte de um processo de saber viver bem.

  4. Faz o que tens realmente que fazer

    Reenquadrares as tuas tarefas é importante. Não podes parar um dia? E se ficares realmente doente e parares meses? Faz tudo na medida da tua energia e não te deixes esvaziar no excesso. O equilíbrio faz parte da vida.

  5. Sê bondoso para contigo mesmo

    Finalmente, a grande cola que pode unir tudo, o grande sentido para realmente simplificares e teres uma vida mais pacífica e feliz é a grande bondade, o amor genuíno, que és capaz de dar a ti mesmo.
    Isto parece ser apenas mais um chavão, mas na verdade, se te sentes exausto é porque não foste capaz de dar a ti o que dás aos outros. Se lhes queres dar conforto, onde está o teu próprio? Será que sentes que não o mereces?
    Sem dúvida que mereces e quando essa generosidade é também entregue a ti mesmo, a vida torna-se mais leve.

Mesmo no teu autotratamento, não faças todas as posições se isso te causa stress. Encontra o teu ponto fraco, encontra o lugar que quer acolher a energia e entrega-te a esse dar a ti mesmo.

Assim, cuidar tão bem de nós quando cuidamos dos outros é algo pelo qual podemos dizer “Só por hoje, vale a pena praticar”.

Podes ler várias indicações para o teu autocuidado em Reiki é Simples, a Arte de Cuidares de Ti Mesmo.

Please wait while flipbook is loading. For more related info, FAQs and issues please refer to dFlip 3D Flipbook Wordpress Help documentation.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.