2020 - Esforço Correto,  Filosofia de Vida,  Meditação,  Reiki em tempo de emergência

Cultivar compaixão por nós próprios – 1º Passo

O que será realmente gostar de nós próprios e terá isso alguma importância em relação à forma como gostamos dos outros ou praticamos compaixão?

A compaixão é a ação para o alívio do sofrimento e esse, começa sempre em nós, ou porque somos o seu emissor, ou porque somos o recetor.

Podes escutar este primeiro passo no formato podcast…

A compaixão por nós próprios e como é importante a cultivar

Gostar de nós pode parecer egoísmo, mas não é. Gostar de nós é compreender o que pensamos, sentimos, aceitar e saber mudar. Não é algo que ainda se ensine nas escolas, infelizmente, mas algo que cada vez mais queremos aprender a fazer, para que tudo possa ser mais equilibrado.

Muitas vezes, pensamos que compaixão é entregarmo-nos por completo a uma causa, até ao limite da nossa vida e capacidade, mas se nos esgotarmos, onde ficará a compaixão? Se ficarmos exaustos, seremos mais uns que aumentam a fileira da necessidade, ao invés de auxiliarmos essa fileira a diminuir.

Compaixão não é isso, mas compaixão requer diligência, ou seja, um empenho genuíno no alívio do sofrimento.

Para o fazermos corretamente, precisamos começar connosco. Um exemplo muito claro de o fazer é através do entendimento das nossas emoções e tal pode ser alcançado pela prática da meditação

Meditar para a compaixão

Leva cada passo com tranquilidade, meditar é estar contigo mesmo.

A meditação é uma forma de nos concentrarmos para alcançarmos consciência de determinada coisa. Neste caso, vamos abordar as nossas emoções e tentar compreender o que elas nos transmitem.

Tantas vezes somos transbordados por emoções inconscientes. Tantas vezes tomamos decisões e sentimo-nos contrariados, mas não compreendemos porque. Alcançamos alguns dos nossos pensamentos, mas nem sempre compreendemos as emoções.

Experimenta esta meditação para tentar descobrir e sentir as tuas emoções:

  1. Senta-te confortavelmente;
  2. Faz algumas inspirações e expirações, se sentires tensão interior, deixa-a sair pela tua expiração;
  3. Traz a atenção ao teu corpo;
  4. Relaxa cada músculo, à medida que levas a atenção a cada um deles;
  5. Quando te sentires confortável, leva a tua atenção ao coração;
  6. Observa que emoções estão presentes;
  7. Sorri para essas emoções e observa o que acontece;
  8. Não faças esforço para sentir, apenas permite-te sentir sem julgar, sem classificar, apenas sentir e ter atenção àquele momento presente, à emoção que surge;
  9. Quando achares que é o momento de terminar, faz mais algumas inspirações e expirações profundas;
  10. Regressa à consciência do teu corpo em contato com a cadeira ou com o chão;
  11. Regressa à consciência deste momento presente e de onde estás.

Cultivar a compaixão em nós próprios é tão importante como saber viver. A compaixão é viver com plena consciência de nós, dos outros, da vida.

Vale a pena praticar.

Designer, Mestre, Terapeuta de Reiki, Presidente da Associação Portuguesa de Reiki e fundador da Ser - Cooperativa de Solidariedade Social. Proprietário e Editor Geral da Revista Reiki & Yoga. Autor dos livros «Reiki Guia para uma Vida Feliz», «O Grande Livro do Reiki», «Reiki Usui», entre muitos outros. Fundador da revista "Budismo, uma resposta ao sofrimento". Acima de tudo quero partilhar contigo o porquê de Reiki ser a «Arte Secreta de Convidar a Felicidade».

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.