A condição humana,  Filosofia de Vida

Cinco princípios para uma doença

Na prática de Reiki, a doença indica um desequilíbrio e desarmonia nas pessoas. Esta condição deve ser tratada pela medicina, no entanto, há uma condição tão forte em nós que não há medicine que a trate, por mais que queira.

O que a doença gera na pessoa, no seu bem-estar, pode ser chamado de sofrimento e a prática de Reiki poderá auxiliar numa das vertentes do tratamento do sofrimento.

A doença, o sofrimento e cinco princípios

No manual que o Mestre Usui distribuía aos seus alunos, que poderás ler em O Grande Livro do Reiki, ele indicava que “nos dias de hoje, as pessoas necessitam de melhorar e reconstruir, interior e exteriormente, a vida, daí que a razão do lançamento do meu método para o público destina-se a ajudar pessoas com doenças no corpo e na mente”.

Este interiormente demonstra-se, nas situações de doença, pelo sofrimento que sentimos. A dor da doença é uma coisa e até pode ser tratada, curada, mas o sofrimento, esse poderá perdurar.

Muitas pessoas que recebem Reiki indicam que se sentem mais leves, confortáveis, bem, apesar de estarem com condições de saúde debilitantes. A prática não lhes curou a doença, mas aliviou o sofrimento

Aplicar os cinco princípios para a doença

Além de receber Reiki, para ajudar no equilíbrio, harmonia e no alívio do sofrimento da pessoa, temos também os cinco princípios, a nossa filosofia de vida, que poderá auxiliar a pessoa a ter uma perspetiva sobre a sua própria condição.

Aplicar os cinco princípios pode ajudar a pessoa a superar alguns momentos ou até mesmo a ultrapassar o seu sofrimento que perdura, apesar da doença estar curada pela medicina.
Tudo começa com só por hoje, ou seja, a nossa capacidade de estar no momento presente, não estando presos ao passado, ou ansiosos pelo futuro:

  1. Sou calmo

    Como me sinto perante a vida, a minha intenção sobre a doença e sobre mim mesmo?
    O que me retira a harmonia? Será que os meus pensamentos não estarão a prejudicar mais do que ajudar?

  2. Confio

    Respeitar o saber dos médicos é importante e apenas eles realmente conseguem compreender os resultados de exames que fazemos. Saber confiar nos outros é também confiar em nós próprios e na vida.
    Se nos entregarmos ao desespero, ficamos com mais tensão, e tudo em nós se torna mais complexo.
    Desenvolver a confiança, ajudar a firmar a calma necessária para cada etapa da nossa condição.

  3. Sou grato

    É muito difícil agradecer as coisas que não são boas na nossa vida, é quase impossível, mas a determinada etapa, compreendemos que agradecer é também uma oportunidade de reconhecer, mudar os hábitos e até partilhar com a vida o sofrimento que temos.

  4. Trabalho honestamente

    O quarto princípio pede-nos diligência, mas com harmonia e confiança. Devemos procurar tratamento para a nossa doença e sofrimento, não devemos pensar que aguentamos tudo até quebrarmos. Saber pedir ajuda, saber comunicar as necessidades, pode evitar muitos problemas futuros. Devemos entreajudar-nos.

  5. Sou bondoso

    Ter consciência da minha situação é importante. Compreender que estou a sofrer também é importante. Saber o que o meu sofrimento faz sofrer os outros, poderá ser também uma atitude muito importante para o nosso bem-estar e para as nossas relações.
    Relembra-te dos teus pensamentos e das emoções que crias. A vida mantém-se em ti até ao último dos momentos.

Se procuras também realizar autotratamento para o sofrimento causado pela tua doença, além de te aconselhares com o teu Mestre, poderás aplicar Reiki com uma mão no Chakra Cardíaco e outra no Plexo Solar. Se te sentires muito fragilizado perante o mundo, trabalha mais o Chakra Raiz. Aplica também regularmente Reiki onde sentes dor, desconforto e indicações do byosen.

Falar sobre a doença e o sofrimento não é fácil, nem é fácil passar e ultrapassar estas situações. Cada pessoa é um universo por si e se estiver em dor, o seu sofrimento pode ser de dor. Saber cuidar de mim e saber cuidar do outro, poderá ser muito significativo para todos nós.

O Mestre Usui indicava devíamos recitar os princípios de manhã e à noite, para reforçarmos o nosso início e final de dia, mas nos dias de hoje, poderemos ter que os recitar muitas vezes ao longo do dia.

A tomada de consciência sobre a doença e o nosso sofrimento não é algo que aconteça de um momento para o outro, irá requerer de nós tempo e espaço. A grande lição que o Mestre Usui também nos indica é que nos devemos esforçar para “uma vida pacífica e feliz“.

Designer, Mestre, Terapeuta de Reiki, Presidente da Associação Portuguesa de Reiki e fundador da Ser - Cooperativa de Solidariedade Social. Autor dos livros «Reiki Guia para uma Vida Feliz», «O Grande Livro do Reiki», «Reiki Usui», entre muitos outros. Fundador da revista "Budismo, uma resposta ao sofrimento". Acima de tudo quero partilhar contigo o porquê de Reiki ser a «Arte Secreta de Convidar a Felicidade».

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.