Artigos

Hospital de Faro utiliza terapias de Reiki em doentes com cancro

A ideia partiu de Magda Fernandes, Rosa Boal e Andreina, três enfermeiras que trabalhavam no Hospital de Faro. “O projeto foi aprovado em maio de 2015”, sendo que “a primeira sessão foi feita a 5 de junho do mesmo ano”, conta Magda Fernandes. 

“No nosso projeto estabelecemos critérios de admissão, uma vez que éramos só duas pessoas a fazer as sessões, pois a Andreina só trata da parte mais formal do projeto”, explica. 

A responsável afirma que “a terapia é aplicada em pessoas que estejam a fazer quimioterapia no Hospital de Faro e cujos efeitos secundários, como as náuseas, vómitos e insónias, sejam de difícil controlo”. 

“Nós fizemos um poster e colocámos na sala de enfermagem, numa zona onde as pessoas passam, o que despertou a curiosidade de alguns que queriam saber como se podiam inscrever. Noutros casos, éramos nós que fazíamos a proposta e explicávamos o que era o Reiki, sendo que a generalidade das pessoas aceitava”, explica. 

Serviço funciona de forma gratuita 

Magda Fernandes realça o facto de “o serviço ser completamente gratuito”.
“Nós fazemos as sessões durante o nosso horário de trabalho. À sexta-feira, eu ou a Rosa trabalhamos até às 18 horas no hospital, no entanto, das 14 às 18 horas só nos dedicamos ao Reiki”, acrescenta. 

Projeto funciona há 5 anos 

projeto do Reiki no Hospital de Faro está em funcionamento há cinco anos e já ajudou a tratar cerca de 50 utentes. A enfermeira explica que “no total já foram feitas cerca de 280 sessões” e “as melhorias no estado de saúde geral são bastante significativas”. 

“A primeira mudança que as pessoas experienciam é a sensação de paz e calma. O cancro é uma doença que provoca muita ansiedade e existem muitas alterações na dinâmica e na vida das pessoas”, esclarece. 

Alguns efeitos secundários da quimioterapia desaparecem com o Reiki 

A terapeuta explica que existem inclusivamente alguns efeitos secundários da quimioterapia que desaparecem, como por exemplo as náuseas ou vómitos.

Magda Fernandes recorda o caso de uma paciente que tinha dificuldade em dormir e que conseguiu voltar a ter um sono estável devido ao Reiki. “Existem igualmente outras situações de pessoas que fizeram quimioterapia, radioterapia aliadas ao Reiki e que nunca tiveram de ir às urgências por causa dos efeitos secundários ou que nunca tiveram de adiar um tratamento por estar com o sistema imunitário debilitado”, recorda. 

“A filosofia do Reiki também fala um pouco sobre o cancro, que é uma doença que vem da tristeza, da mágoa, das coisas não perdoadas, do rancor e nós ao trabalharmos estas emoções estamos a contribuir para que as pessoas fiquem mais calmas”, afirma. 

“Segundo a filosofia oriental, a doença surge por um desequilíbrio da energia interior. Quando há um bloqueio do chacra, surge a doença”, complementa. 

A enfermeira salienta o facto do “Reiki ser a energia do amor. Esta terapia é a arte secreta de convidar a felicidade”. 

“Aquilo que eu aprendi com o Reiki é que nesta vida eu quero fazer diferente. Eu não quero ser mais um robot que só faz trabalho-casa, casa-trabalho. Eu quero saber que naquele dia, naquele momento, aquela pessoa está um pouco melhor graças àquilo que eu lhe fiz e não há nada que pague isso”. 

Presidente da Associação Portuguesa de Reiki fala sobre a terapia 

Fernando Eduardo complementa o testemunho de Magda Fernandes e explica ao POSTAL que “nós estamos a fazer Reiki desde o momento em que nascemos até ao momento em que partimos. A energia está sempre presente”. 

“O Reiki é exatamente a pessoa servir de canal, receber essa energia e utilizá-la para ajudar a equilibrar a energia de outra pessoa”, esclarece. Fernando Eduardo conta que no Reiki “nós utilizamos as mãos e juntamo-las ao corpo da pessoa que se está a submeter à terapia, de modo a equilibrar a sua energia”. 

“Não é por acaso que quando nos dói a barriga nós metemos a mão. Já estamos a fazer Reiki mesmo sem saber”, complementa. 

O terapeuta explica que “o Reiki ajuda a harmonizar aquilo que está desorganizado, sendo que tudo o que está em excesso no nosso corpo tem de ser eliminado”. 

O presidente da associação esclarece que “o Reiki complementa várias outras terapêuticas e também a medicina”. 

“O nosso intuito é trabalhar em conjunto com os hospitais, centros de saúde e médicos, em prol de um maior bem-estar dos doentes”, afirma . 

“Através desta terapia, as pessoas adquirem um bem-estar diferente e deixam de ter alguns sintomas decorrentes dos tratamentos. Os doentes saem de uma sessão completamente tranquilos e é esta tranquilidade que lhes dá a força e capacidade para encarar as fases seguintes”, conclui. 

(Stefanie Palma / Henrique Dias Freire)

Fonte: Postal.pt

Designer, Mestre, Terapeuta de Reiki, Presidente da Associação Portuguesa de Reiki e fundador da Ser - Cooperativa de Solidariedade Social. Autor dos livros «Reiki Guia para uma Vida Feliz», «O Grande Livro do Reiki», «Reiki Usui», entre muitos outros. Fundador da revista "Budismo, uma resposta ao sofrimento". Acima de tudo quero partilhar contigo o porquê de Reiki ser a «Arte Secreta de Convidar a Felicidade».

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.