Quando os problemas ficam mais difíceis – relaxa!

Com certeza que, alguma vez na vida, já tiveste que desatar um nó que parecia complicado. Lembro-me daqueles fios de prata fininhos que se não tivermos cuidado a arrumar podem criar imensos nós e nem sabemos como. Se já experimentaste uma situação dessas, deves ter reparado que duas coisas são fundamentais para resolver esses nós – persistência e leveza, ou relaxamento.

Os problemas e um nó

Algo na nossa vida torna-se um problema quando uma situação começa a parecer difícil de gerir, lidar ou resolver. Essa pode ser uma situação consciente, ou no pior dos casos, inconsciente.

Um problema pode tornar-se um nó na nossa vida e isso faz com que pareça que tudo está parado. A nossa mente não se consegue projetar no futuro para planos positivos, mas projeta-se no futuro com ansiedade para sair da situação. Não conseguimos estar no momento presente, mas apegamo-nos ao problema e aos seus aspectos – estamos verdadeiramente a criar e a viver um nó.

Quando um problema se começa a amontoar, ele pode gerar outros problemas e o nó engrossa e cria outros nós no fio da nossa vida.

Como pode Reiki auxiliar-nos com os nossos problemas?

O Mestre Usui indicou nos preceitos que o seu método é “A Arte Secreta de Convidar a Felicidade”. Esta não é a promessa de nada, mas para infortúnio de quem queira ser mais preguiçoso para consigo mesmo, é uma constatação que indica que o método irá ajudar a trabalhar interiormente as questões pessoais para que, aí sim, se possa convidar a felicidade.

Esta felicidade que o Mestre Usui fala, não tem a ver com o que queremos alcançar “exteriormente” na vida, ou seja, o desejo de reconhecimento, aquela casa de sonho ou o carro que nos trará alegria. Esta felicidade é a que está sempre dentro de nós, mas que a nossa insatisfação, crenças pessoais e atitudes inconscientes, nos faz toldar ou afastar dela.

Então, para podermos resolver os nossos problemas, poderemos refletir sobre os cinco princípios.

  1. Só por hoje

    Neste preciso momento, como sentes ser o teu problema, o que ele significa para ti, como se manifesta ele na tua vida?
    Esse problema está presente em ti em todos os segundos da tua vida, ou apenas em alguns momentos?
    Esse problema traz-te constante tensão?

  2. Sou calmo

    Se estás envolvido nos teus problemas e te sentes enredado, para.
    Inspira…
    Expira…
    Recita os cinco principios;
    Relaxa.
    Como te sentes?
    Se tens um pouco mais de energia, conserva-a, não a percas a pensar no problema.
    Acumula mais energia ainda.
    Lembra-te que sem energia não consegues resolver as tuas questões e que vale mesmo a pena cuidares de ti e permitires-te a ter paz e harmonia.

  3. Confio

    À primeira vista o nó pode parecer complicado, ou até podemos encontrar essa sensação de complicado quando o começamos a desfazer, mas se tiveres paciência (calma) e confiares em ti mesmo, irás conseguir, sem dúvida alguma.

  4. Sou grato

    Equilíbrio e harmonia nem sempre estão presentes na nossa vida. É capaz de ser o que mais queremos e por isso mesmo é, por vezes, o mais inatingível. Então compreendemos que a vida não é estática e que podemos aprender com as lições que ela nos traz. Esse é o propósito de reflexão do terceiro princípio de Reiki, ser grato é saber aprender, saber confiar, saber também entregar.

  5. Trabalho honestamente

    O quarto princípio fala-nos de transparência, diligência, honestidade, ou seja, perante um problema, um nó na vida, não podemos baixar os braços, devemos continuar, mas não para ficarmos exaustos ou nos autodestruirmos, mas sim para conseguirmos ultrapassar as nossas próprias questões e para isso, fundamentamo-nos numa persistência harmoniosa, com autoconfiança, com a sabedoria das lições aprendidas e, muito principalmente, com bondade.

  6. Sou bondoso

    Quando tudo parece não ter solução, como podemos nós ser bondosos? Que vontade podemos ter em sermos bondosos, quando a vida e todos parecem contra nós?
    É aqui que surge a nossa consciência, aquela que tem o entendimento que todos estamos interligados e que a minha infelicidade está relacionada com a infelicidade de outrem, assim como a minha felicidade, está também interligada à de outrem. Mas a forma de interpretar e sentir as questões essa é exclusivamente nossa, “minha”.
    E como será que o meu ego, o “eu”, quer interpretar este momento de vida em que tudo parece um nó? Como um problema, ou como uma oportunidade?
    Não temos controlo sobre a nossa vida, mas temos controlo sobre a nossa existência e ser bondoso significa que reconhecemos a interconetividade da vida e que a maior solução para que esta seja o mais equilibrada possível é a vivência em respeito e amor.
    Ser bondoso para com um problema é agir com humanidade, não respondendo ao sofrimento com mais sofrimento, mas sim com compaixão.

Por vezes temos problemas que irão levar-nos até a um potencial fim de vida antecipado, ou podemos ter problemas que parecem ter uma complexidade gigantesca. Não devemos menosprezar os nossos problemas, mas não os devemos alimentar ainda mais, fazendo com que a nossa paz de espírito passe fome.

Se o teu problem tem criado muita tensão lembra-te que se não relaxares ele tornar-se-à ainda maior, causando-te danos físicos maiores do que aqueles que já possas ter. Relaxa. Lembra-te que numa tempestade o bambu verga-se e não se parte.

Por vezes, as coisas dependem realmente de nós. Se é certo que não temos controlo sobre a nossa vida, temos controlo sobre a nossa existência e relaxar é algo que apenas tu o poderás fazer.

Que possas encontrar serenidade nos teus problemas e para os teus problemas.

Categorias de Artigos
Recebe a newsletter

Newsletter

Comments
All comments.
Comments

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.