Só por hoje, Sou Bondoso – Cinco Princípios para a Saúde Mental

O que será genuinamente a bondade e como nos pode auxiliar a ter uma melhor Saúde Mental?

Será que o quinto princípio de Reiki, Só por hoje, sou bondoso, fará sentido neste contexto?

Como o quinto princípio está relacionado com a saúde mental

Numa análise muito lúcida, a Direção Geral de Saúde alerta-nos de que a Saúde Mental começa logo a partir do momento da gravidez. No seu programa de Saúde Mental encontra-se o seguinte:

A investigação clínica e psicológica evidencia a importância das primeiras experiências de vida para o desenvolvimento futuro. Por isso a prevenção da saúde mental faz-se desde a gravidez, sendo esta uma fase do ciclo de vida fundamental, onde grandes transformações levam a grandes desafios. Uma criança não existe sem uma família; quando nasce um filho, nascem também uma mãe e um pai. Mesmo na ausência física de uma das partes, a função parental está simbolicamente representada. O vínculo estabelece-se pelo afeto. O bebé precisa, em primeiro lugar, do amor e da confiança dos pais, mas também precisa de aprender as regras e os valores da sociedade onde vive. A família é o núcleo da sociedade e é na infância que se constroem os alicerces da cidadania.
Mas como se educa uma criança? Durante a infância as crianças devem ser protegidas e, simultaneamente, ser viabilizada a criação de laços seguros e estáveis com os cuidadores, para que aquelas venham a desenvolver confiança no mundo e em si próprias – uma forte ligação prepara uma melhor autonomia.
Comece por escutar a sua criança, estando atento às suas necessidades e singularidades. Encoraje-a, conhecendo os seus pontos fortes mas também reconhecendo as suas fragilidades e dificuldades. Não basta dar conselhos: é mais importante dar o exemplo. Defina as regras e transmita-as de uma forma clara; as consequências do incumprimento devem ser contingentes, percetíveis e sustentáveis, assim como as recompensas. Lembre-se que a melhor motivação para aprender é a satisfação; divirta-se nessa tarefa!
Investigações revelam que algumas pessoas que desenvolvem doença mental na vida adulta manifestaram sinais ou tiveram episódios críticos durante a infância. Algumas doenças mentais não podem ser evitadas mas, ainda assim, o seu impacto pode ser minorado e a qualidade de vida pode ser majorada.
Recomendação: Tente ser coerente com os seus valores e assuma os seus próprios erros; evite culpabilizar os demais e a si próprio, mas aproveite a experiência para aprender.

Direção Geral de Saúde

Quando assumimos que a bondade deve estar presente na nossa vida, desde tenra idade, ela assume todos os contornos que podemos ler anteriormente. A segurança e estabilidade, capacidade de lidar com as dificuldades, coerência, valores, responsabilização e prazer de aprendizagem na vida.

Então será a bondade uma espécie de cola entre tantos aspectos da nossa vida?

Sem dúvida que sim, pois a bondade é a manifestação de uma mente e coração equilibrados. Alguém com bondade é alguém que também cuida de si mesmo e que sabe cuidar do outro, de forma regulada.

Podemos dizer que a bondade é como a água límpida do rio da nossa saúde mental, permite-nos saciar a sede, limpar as feridas e ainda regar o grande jardim do nosso coração.

Como aplicar a bondade para a nossa saúde mental

O quinto princípio precisa de ter uma expressão na nossa vida feita em sinceridade e quando assim é, torna-se um dos grandes valores humanos que podemos alcançar.

  1. Bondade desde o início, ser inclusivo

    Como a DGS indica, desde a gravidez que começa o trabalho da saúde mental, então isso significa que as nossas questões de vida poderão começar também desde esse momento.
    Lembra-te disso e sê bondoso em todos os momentos da tua vida e para com todos, sabendo distinguir o ser bondoso, do ser bonzinho.

  2. Descobrir a bondade para contigo mesmo

    E onde está a bondade para contigo mesmo, será que ela é proporcional à bondade que tens para com os outros?

  3. Bondade consciente

    Realizar atos de bondade consciente poderá parecer um contrassenso perante o que socialmente nos é ensinado, mas por vezes precisamos ter consciência do bem que fazemos, para contrapor à mente quando ela mesma nos pretende colocar em dúvida.

  4. Descobrir o significado da compaixão

    Compaixão significa aliviar o sofrimento de todos os seres sencientes, mas sem o nosso próprio prejuízo. Como o podes fazer?
    É através da tomada de consciência que a compaixão se torna mais óbvia e o que fazes, acertado.
    Lembra-te que não é só bem para este ou para aquele, é um bem para todos e para se fazer bem, tem que ser bem feito.

  5. Descomplicar a realidade

    Por vezes complicamos demasiado a vida, colocamos paredes, subimos muros, abrimos fossos e não criamos pontes, por vezes até nada disso é preciso.
    Descomplicar a realidade significa não te deixares saturar com o estímulo ou com tantas atividades que não consegues aproveitar uma sequer. Vive como sentes ser melhor e da forma que te traga bem-estar.

Só por hoje, sou bondoso, é um exercício muito exigente, que pode parecer inato, mas na verdade, todo o coração precisa ser formado.

Este artigo foi criado no âmbito do tema “2019 Ano da Meditação e Saúde Mental” da Associação Portuguesa de Reiki. Torna-te associado, aqui…

Outros Cursos
Categorias de Artigos
Recebe a newsletter

Newsletter

Comments
All comments.
Comments

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.