Assentes no primeiro princípio podermos confundir ser calmo com ser passivo, mas será que é realmente isso que o primeiro princípio de Reiki quer dizer?

Ser calmo não é ser passivo – um praticante de Reiki deve ter um papel ativo

Os cinco princípios de Reiki estão inscritos nos preceitos que o Mestre Usui deixou sobre o seu Usui Reiki Ryoho. Eles guiam a conduta de um praticante de Reiki e promovem a sua tomada de consciência, para que alcancem um caminho onde a sua vida se vive de forma mais pacífica e feliz.

Quando o Mestre Usui indica que devemos ser calmos, ele adverte-nos para a necessidade de criar harmonia. Gerar harmonia é um princípio ativo e não passivo, pois a inação poderá levar-nos ao que é mais fácil e podemos observar que o que é mais fácil nem sempre é o mais correto, antes pelo contrário, a nossa mudança de sentimentos e pensamentos para uma atitude positiva e correta exige de nós grande diligência e esforço, que se encontram também no quarto princípio de Reiki.

Então, este dever de criar harmonia no mundo é uma ação ativa, o praticante de Reiki não deve ser alguém inerte, mas sim alguém ativo no que toca a criar harmonia. E isto não significa ir “comprar guerras”, partir para “cruzadas” ou encetar diálogo escusados, pois observamos que ao longo da história humana, os conflitos em nome de algo desvirtuam a bondade que possa existir e torna-nos prisioneiros de valores deturpados, assim como perdermos tempo a tentar convencer “tolos” também não leva a lado algum. Então, este papel ativo de um praticante de Reiki é a sua própria transformação de consciência:

  • Cultivar bons pensamentos que constroem pontes de harmonia;
  • Cultivar boas palavras que incentivam os outros a uma vida feliz;
  • Cultivar boas e meritórias ações que ajudam o próprio e todos os que toque para uma vida pacífica.

Olhando apenas para estas três ações inclusas no papel harmónico do primeiro princípio, compreendemos o grande “dever” de um praticante de Reiki, quando compreende realmente o seu papel na vida.

Esta mesma harmonia que cultivamos em nós só nos diz “todos somos iguais, ninguém é melhor que outrem”. E o praticante sente-se cada vez mais incluido na vida e no sentido que esta dá.

Só por hoje sou calmo, significa que promovemos, criamos e mantemos uma grande harmonia, em nós, na comunidade e no planeta, fazendo parte da vida e do sentido que esta tem.