O Tao do Reiki

Descobrir, Desenvolver e Crescer com Reiki

Quando nos apetece baixar os braços como pode Reiki ajudar?

Há alturas na vida que só nos apetece baixar os braços e pronto, ficar por ali, bem quietos, não mexer, sem querer que ninguém nos chateie. Baixar os braços pode ser bastante prejudicial para tudo o que representamos e para a nossa autoestima, por isso mesmo, vamos observar o que a filosofia de vida na prática de Reiki tem a dizer sobre isso e como nos pode ajudar.

Quando Reiki nos ensina a não baixar os braços

O nosso quarto princípio é, em português, Só por hoje, trabalho honestamente. Na verdade, no Japão, este princípio é uma advertência – trabalha diligentemente, trabalha arduamente. Este conceito tem tudo a ver com aquilo que agora se descobre, o “ikigai”, uma vontade de viver cultural e que tem como um dos pilares, a diligência, ou seja, nunca baixar os braços, nunca parar, ser sempre ativo na sociedade, de forma construtiva e positiva.

Temos a tendência de baixar os braços quando sentimos que nada podemos fazer, não podemos mudar os outros, o mundo, há corrupção, há insensibilidade, há oportunismo e bom, fartamo-nos de quem é falso e, muitas vezes se faz parecer de grande, sábio e bondoso. Por vezes sofremos de bullying no trabalho, outras na escola e até mesmo em casa… baixamos os braços.

Mas a prática de Reiki, à qual o Mestre Usui indicava como sendo “A Arte Secreta de Convidar a Felicidade“, pede-nos para cultivarmos harmonia, confiança, gratidão, sendo diligentes e bondosos. Ou seja, prosseguindo sempre apesar das adversidades.

A grande lição de vida é mesmo observar a nossa frustração. Porque será que queremos que os outros e o mundo sejam de determinada forma?

Como podemos observar que tudo necessita de evolução e que a evolução humana, da mente e do coração, é algo de tão longo que mais rápido falamos de evolução tecnológica do que inteligência emocional. Assim, não percas de vista a excelência que se pretende para a humanidade, mas tem em consciência que isso será um processo bem longo, que se tu mesmo não evoluires, então de nada serve.

Baixar os braços é parar a evolução, é parar a vida. É como uma árvore dizer “agora desisto, podem queimar-me pois já não vale a pena viver”. O problema é que muitas espécies dependem daquela árvore singular, de formas que nem ela sequer desconfia. Assim é connosco, não podemos baixar os braços porque a nossa diligência para uma vida mais harmoniosa e feliz contribui para a harmonia e felicidade mundial.

Pratica autotratamento, não desistas, procura alguém que te possa tratar e estimular a compreender porque estás a baixar os braços. Só por hoje, vale a pena todo o esforço que se faz, até ao fim da vida.

Os ensinamentos do imperador Meiji para não baixar os braços

Tentando compreender a sabedoria nos poemas do Imperador Meiji, trouxe-me a sorte este poema 57, sobre a noite. Uma boa advertência para não se baixar os braços perante a vida.

57 — NOITE

Quando a noite chega, percebes como desperdiçaste o dia todo. Vive o momento e não desperdices tempo.

Previous

Enviar Reiki para amigos

Next

Como aplicar Reiki em transplantes

2 Comments

  1. Bertila

    Não imaginas como este artigo me fez bem…por vezes, tenho mesmo vontade de baixar os braços…mas, só por hoje trabalho honestamente. Muito obrigada 🙏 por este esclarecimento que veio dar-me folgo para continuar
    Bertila

  2. idolina baptista

    Obrigada pela força que me dão os seus artigos.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén