Nem tudo corre bem, há momentos em que estamos acima da onde, mas outros em que ficamos bem abaixo da linha de água, correndo ainda o risco de nos afogarmos. Mas porque será que quando nem tudo corre bem isso poderá ser bom para nós?

Uma atitude para quando nem tudo corre bem na vida

Zenão era um cínico. Não acreditando numa vida sem apreciar o seu lado bom, resolveu fundar um novo conceito filosófico – o estóico. Sim, podemos apreciar os prazeres da vida, não podemos sim é depender deles ou apenas viver para esses mesmos prazeres. Ser estóico na vida é firmar-se naquilo que é mais importante e saber resistir ao que é aparente. Na nossa educação, somos ensinados a querer alcançar o melhor, a viver o melhor, a ter o melhor. Uns assim se esforçam acérrimamente, outros escolhem caminhos desviados para o ter, outros ainda sofrem porque não conseguem alcançar esse dito “melhor”. Mas há ainda aqueles que observam essa corrida como sendo um completo desperdício de energia, fazendo muitas vezes a pessoa perder a vista do que é essencial na vida.

Quando nem tudo nos corre bem na vida temos a oportunidade de criar um novo eu, de reconstruir ou construir um “sistema de crenças” que realmente faça frutificar o que há de bom e de genuíno.

Assim chegamos à prática de Reiki, do Usui Reiki Ryoho.

O Mestre Usui indicou-nos “A missão do Usui Reiki Ryoho é guiar para uma vida pacífica e feliz, curar os outros, melhorar a sua felicidade e a nossa”. Ele não nos queria induzir em erro, prometendo felicidade, mas sim saber ter uma atitude estoica, recta, directa, no caminho que levamos. Através da nossa filosofia de vida, compreendemos como quando nem tudo corre bem existe um enorme crescimento. Para o fazer, aplicamos os cinco princípios:

  1. Se esta situação está a correr mal, de que forma eu contribuí para a sua criação, como eu perdi harmonia, ou como levei desarmonia aos outros e à situação;
  2. Se a minha vida não está a correr bem, porque perdi a confiança em mim para a endireitar? Porque não aceito que sou capaz de aprender a viver nos bons e nos maus momentos da vida?
  3. Se nem tudo corre bem o que eu tenho a aprender com estas situações? O que a vida realmente me quer dizer?
  4. Será que sou diligente no meu caminho de vida? Espero que as coisas aconteçam ou esforço-me para as concretizar, aproveitando todo o saber que daí vem?
  5. Quando as coisas não correm bem, será que consigo continuar a ser bondoso? O que pode estar a faltar em mim, para que exista desarmonia e desequilíbrio na minha vida? Sem querer atribuir culpas a outros, como posso eu mesmo viver melhor e fazer a minha vida melhor?

Se não tivermos estes momentos em que as coisas nem sempre correm bem, não teremos o impulso de querer mudar o que tem que ser mudado. Há que criar condições genuínas para vivermos uma vida cada vez melhor. Aceitar os maus momentos é incrivelmente importante, porque nem sempre tudo tem que correr bem e o que corre mal, por vezes leva-nos ao nosso caminho ainda mais depressa.

Tem força e serenidade.