Imagina-te sentado num jardim. É uma tarde de inverno, um domingo, com o sol a aquecer-te suavemente. A ler tranquilamente bons ensinamentos, a apreciar a alegria e descanso dos que estão também no parque. Tudo parece apontar para um momento de harmonia e descanso.

Surgem duas novas pessoas, sentam-se na mesa do lado, colocam o cigarro mesmo ao meu lado e o vento encarrega-se do resto. A sua exaltação contra o comportamento dos outros é curioso, mas parecem estar contentes com o poderem estar onde estão.

A primeira emoção foi de incómodo e desagrado, de descontentamento. O pensamento foi de perseverança, de âncora no meu próprio bem-estar e aceitação do momento dos outros. Em breve foram-se embora e não passaram de uma lembrança fugaz. Eu mantive-me onde estava, a apreciar o que anteriormente estava a apreciar. O meu momento manteve-se.

A harmonia e o que os cinco princípios nos ensinam

Harmonia é um estado interior cujas condições são criadas por nós, interiormente, mas que podem também ser afectadas pelas condições exteriores. Claro que interiormente, se estivermos no mais absoluto estado de consciência, nada exterior perturba a nossa harmonia. Mas sabemos que a realidade está um pouco além do mais absoluto estado de consciência e que o caminho de nos tornarmos conscientes é longo e exigente.

Tendo isto em mente, sabemos que precisamos perseverar, tendo isto no coração, sabemos que não nos devemos apegar ao desejo ou unicamente ao momento presente ou futuro. Parece um contrassenso, mas de facto tanto temos que saber viver no momento presente como saber qual o nosso percurso e objetivo, tudo em certa medida.

Então como podemos conjugar os nossos cinco princípios para cultivarmos e nos mantermos em harmonia?

Só por hoje, sou calmo – O primeiro princípio pede-te para seres observador. Para encarares os teus pensamentos e emoções, não te deixando aprisionar por eles. A harmonia vem da calma da nossa atitude.

Confio – Acredita na tua capacidade de manter harmonia, acredita que vale a pena cultivar esse valor em ti mesmo. Acreditar é nutrir autoconfiança naquilo que é positivo em nós.

Sou grato – Observa as várias lições que o teu caminho pela harmonia te traz, aprende com elas e faz fortalecer a tua capacidade de gerar harmonia.

Trabalho honestamente – A honestidade é uma grande aliada da harmonia, é a compreensão correta do momento em que estás, do que estás a pensar, a sentir, e também a correta atitude a tomar em consciência, para que a harmonia se mantenha.

Sou bondoso – Bondade e harmonia estão interligadas, porque a bondade implica um desejo de harmonia, seja ela na forma que for, desde que seja para o Bem Maior de todos. A aplicação e desenvolvimento de atitudes bondosas, proporciona harmonia. Uma mente vazia, proporciona um coração compassivo.

Os cinco princípios podem também ser ferramentas na tua construção da harmonia, para que esta sempre possa perdurar em ti. Lembra-te das pequenas lições que vais aprendendo e tenta perseverar.