Quando o voluntariado Reiki se torna frustrante

Sabias que o voluntariado Reiki também te pode trazer frustração? É verdade, nem sempre o voluntariado Reiki é apenas alegria e doação.

As causas da frustração no voluntariado Reiki

Poderás encontrar várias causas para a tua frustração, no teu voluntariado Reiki. Aqui ficam alguns exemplos:

  • Não vês melhorias ou mudanças nas pessoas que tratas;
  • Não sentes estímulo para continuares;
  • Estás à demasiado tempo no mesmo voluntariado Reiki;
  • Não gostas do tipo de casos que estás a tratar;
  • Estás a observar a instituição e achas que não concordas com algo;
  • As pessoas faltam às sessões;
  • A tua vida está a ser mais pressionante e exigente;
  • Não tens descansado o suficiente;
  • Estás a “perder” muito tempo com o voluntariado.

Claro que estes são apenas alguns exemplos, existem muitos mais, mas servem para te ajudar a perspectivar alguma situação que estejas a passar. O voluntariado tem mesmo que ser feito de mente e coração, dentro da tua disponibilidade e com entrega. Nos passos seguintes, vamos ver algumas dicas para te ajudar a dar a volta à frustração.

Como ultrapassares a frustração no teu voluntariado Reiki

Acima de tudo firma-te nos cinco princípios e avalia como tens estado ao nível emocional e mental. Se houver algum desequilíbrio que estejas a mapear para a tua doação, convém ser tratado e tens todo o direito a parar o voluntariado por um tempo, para te reequilibrares.

Depois, entrega-te à prática, lembra-te que Reiki é também doação, entrega. Esta entrega não nos pede nada, apenas empenho. Quando te entregas ao que estás a fazer, estás no aqui e agora, no momento presente e enriqueces-te interiormente, a tua força interior será, sem dúvida alguma, muito maior.

Observa o que queres em troca pelo teu voluntariado e reavalia as tuas próprias condições. Mesmo que digas que não queres nada, se calhar queres dar o teu testemunho, ou queres um reconhecimento, um certificado, um obrigado. Isso é muito importante que seja claro e que não te coloques numa situação passiva, de esperar que os outros possam sentir isso de ti.

Caso seja alguma situação na instituição, lembra-te que o voluntário apenas está lá pela pessoa que o procura, para mais nada. Não nos podemos envolver no que não compreendemos e para o qual não nos pediram presença.

Coloca um tempo limite para o teu voluntariado, não queiras fazer algo sem um fim… isso ajudará a controlar a expectativa sobre o futuro.

Lembra-te que não estamos cá para fazer milagres, mas para levar o melhor possível àqueles que esperam por nós. Vamos partilhar a energia universal. Mesmo que as condições não mudem, nós lá continuamos.

Vale a pena ser voluntário, de coração, com dedicação. Por isso mesmo, partilha as tuas histórias connosco, para que possam ser publicadas. Para isso, envia uma foto, a história de voluntariado que queres relatar, mantendo a confidencialidade das pessoas, para que possamos partilhar esse momento especial. Podes enviar para o email: joaomagalhaes@montekurama.org

Caso não sejas voluntário e pretendas ser, envia-nos um email.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.