Cinco razões pelas quais não sou um Mestre de Reiki

Há quem se identifique como Mestre de Reiki, há quem critique quem se identifica como Mestre de Reiki e há quem indique aqueles que são Mestres de Reiki. O “título” de Mestre de Reiki é alcançado com o Gokukaiden, “A passagem dos ensinamentos misteriosos”, que ocorre após o Shinpiden, “Os ensinamentos misteriosos”. Mas, seremos automaticamente Mestre de Reiki após completarmos um curso, ou será algo que se vai construindo ao longo da vida? As opiniões são muitas, mas neste momento irei partilhar o que sinto e penso sobre mim mesmo.

Ser um Mestre de Reiki e cinco razões pelas quais não sou um

Quando encontrei o Reiki, foi numa altura em que fazia já um trabalho terapêutico, também ele energético com os outros. Foi uma descoberta ao “acaso”, para que melhor pudesse ajudar os outros, nunca pensei que fosse para mim mesmo. Cada nível de Reiki trouxe-me uma espécie de interesse profundo e inquieto, foi uma espécie de “desassossego” que me inspirou a procurar quem era a pessoa que vira numa fotografia de má qualidade e como afinal tudo tinha surgido, e o que era verdadeiramente Reiki.

Dezasseis anos passaram-se desde esses momentos iniciais e continuo com essa inquietude, se bem que com uma entrega maior. Apesar de praticar diariamente, observo ainda cinco razões pelas quais não sou um Mestre de Reiki. Essas razões vêm pela sabedoria dos cinco princípios:

Só por hoje, sou calmo

Apesar de tentar cultivar uma profunda harmonia em mim, nem sempre consigo ser harmonioso. Apesar de em muitas situações tentar preservar a harmonia, uma pequena tempestade surge. Os desafios do ensino tornam-se agudos quando por um lado temos que escutar e pelo outro temos que pedir para não falar tanto. A calma e a harmonia são mesmo necessárias e são os momentos em que as perdemos que nos mostram cada vez mais a necessidade de serem alcançadas.

Confio

Sem dúvida que confio em mim, que confio na própria vida. Por vezes surgem dúvidas e se… Essas dúvidas trazem a fragilidade da desconfiança e podem ainda cultivar um pequeno veneno no coração. É mesmo preciso estar vigilante, consciente e presente em todos os momentos. Lembrar que a confiança também se constrói, como tudo.

Sou grato

A gratidão é das melhores experiências e vivências que tenho, mas nem sempre sei se agradeci convenientemente ou se me lembrei de agradecer a todos os que participaram para que algo acontecesse. Sim, por vezes falho aí e surgem as desilusões e a tristeza. Então, perante essas situações, só posso ser grato para que possa ser cada vez mais consciente e atento. Isso implica ser ainda mais calmo e confiante.

Trabalho honestamente

Trabalhar honestamente não significa apenas cumprir horários ou contractos, mas também comunicar. E a comunicação é o que há de mais difícil para toda a humanidade e é o que por vezes cria mais confusões. Como comunicar para ser compreendido, como escutar para compreender, como dialogar para um caminho do meio. Algo de muito difícil e que me traz uma longa jornada de reflexão que deverá continuar por muito e muito tempo.

Sou bondoso

Ser bondoso não é simples, porque por vezes tem que se tomar decisões que para os outros não parecerão bondosas, nem parecerão adequadas aos cinco princípios, mas isto porque estão apegados a uma leitura simplista e unidireccional dos princípios. Para que a harmonia exista entre muitos, tem que se corrigir algumas situações. Umas são nossas mesmas, outras são provocadas por terceiros. A bondade pode estar presente nas decisões, não quer dizer que por isso mesmo seja compreendida. Quando começamos a compreender o que é ser bondoso para connosco e para com os outros, compreendemos melhor a missão que o Mestre Usui nos legou. A bondade é difícil, mas não impossível.

Como vês, são cinco razões muito simples pelas quais não me posso considerar um Mestre de Reiki, mas são também cinco razões que me levam a querer ser cada vez melhor. Por isso mesmo, o Usui Reiki Ryoho é um caminho de vida… longo, mas pleno de boa vivência.

Mestre de Reiki

No Mestre Usui, nele sim reconheço a visão, a atitude, a sabedoria de um Mestre de Reiki, ou não fosse ele o fundador do método. Foi a ele que procurei para compreender o que era “Reiki” e foi graças a ele que compreendi o que é o Usui Reiki Ryoho. Dezasseis anos é apenas um período muito curto de tempo e de inexperiência. A vida é longa e requer diligência, aplicação árdua e constante, pois se Reiki parece simples, o seu caminho é árduo, mas o nosso interior, esse vai-se tornando cada vez mais leve e humano. Ser Mestre de Reiki é também um momento que se inicia no primeiro dia do primeiro nível de Reiki.

8 thoughts on “Cinco razões pelas quais não sou um Mestre de Reiki”

  1. Olá João, embora “ausente” leio com muita atenção e todos os dias, os teus sábios ensinamentos, dos artigos que publicas. Aqui e Agora é o que posso/consigo/me é possível. Afinal eu levo apenas 5 anos de Reiki… e por isso tenho um caminho ainda mais “longo” para percorrer…. tudo isto, para te desejar um bom 2017 (mais vale tarde que nunca) Tudo de bom para ti… para Todos.

  2. Lá num certo lugar…Mestre…só há um…eu professor digo que em meu seu me instruo como mestre mesmo não o sendo apesar dos canudos.❤

  3. Caro João, o que refletem todas as palavras dos teus artigos são, precisamente, a calma, a confiança, a gratidão, a bondade e a honestidade. São certamente estas palavras e o ato de as partilhares o espelho da elevação do teu Ser. Seja qual for o título que te acrescentes ou que suprimas em nada alterará a essência do que tão divinamente nos fazes chegar .

  4. Ola, Joao. Muitos Parabens por mais um trabalho de muita luz e informacao preciosa para quem trilha este caminho. Admiro/te e gostava de ter o teu foco e determinacao. OBRIGADA por seres amigo de luz

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.