O atendimento na terapia Reiki é uma das fases de uma consulta ou sessão, é um momento de grande importância onde iremos captar muita informação sobre a pessoa, o motivo e os objectivos da sua presença para aquele tratamento. Pelos princípios que seguimos, sabemos que a nossa prática deve ser humanizadora, atenta e compassiva.

A importância da qualidade do atendimento na terapia Reiki

De que forma queres ser atendido quando vais a uma consulta ou terapia?

Tudo começa por esta pequena questão e todos teremos praticamente a mesma resposta. De forma profissional, competente, com saber sobre a matéria mas também de forma humana, compassiva, que escute o problema que tenho e ajude no percurso para o tratar.

Sendo a terapia Reiki algo que não está dependente de cumprir quotas ou números de atendimentos, o terapeuta deve ter em mente aquilo que representa o ter tempo para atender e escutar a pessoa. Claro que mesmo o tempo de atendimento, de captação, escuta e diálogo com a pessoa é muito variável. Há pessoas que falam muito ao início, há outras que falam muito no final e pouquíssimo no início. Isso pede-nos também flexibilidade.

Podemos então colocar no atendimento da terapia Reiki os seguintes pontos, numa fase inicial:

  • Questionar sobre o conhecimento da terapia Reiki e dar a sua própria perspectiva, mesmo no caso de a pessoa já ter uma noção;
  • Identificar claramente o âmbito terapêutico e que não existem promessas de cura;
  • Identificar o sigilo ético;
  • Captar os dados pessoais e o motivo de querer realizar a sessão;
  • Compreender um pouco a vida e forma de estar da pessoa;
  • Identificar outras questões de saúde e o devido acompanhamento médico;
  • Compreender a escala de dor da pessoa, no momento;
  • Colocar o objectivo da sessão.

Após terminar, podemos também ter em conta o seguinte:

  • Como se sente a pessoa no geral, após a sessão e como se sente no caso particular do objectivo que estabeleceu;
  • Como está a escala de dor no momento;
  • Identificar a necessidade de próximas sessões ou não.

Se o terapeuta de Reiki souber levar todo este atendimento com humanidade, compaixão, seguindo os cinco princípios e o código deontológico, não só estará a ajudar a pessoa no seu percurso terapêutico como também a suportar emocional e mentalmente alguém que se dirigiu a ele com uma questão, que muitas vezes é grave. É por isso mesmo que as interrelações humanas deviam evoluir para atitudes mais bondosas e sábias, em qualquer situação de atendimento e não só. Lembra-te sempre de que forma gostarias de ser atendido, se estivesses em sofrimento.