Falta de concentração, agitação, reacções intensas, emoções descontroladas, insatisfação e alguns problemas de comunicação podem ser sinais de uma criança hiperactiva. Um diagnóstico destes apenas pode ser feito pela especialidade médica mas, numa perspectiva do cuidado integral da pessoa, o Reiki pode dar uma resposta válida. Reiki para crianças hiperactivas é uma opção quando temos uma abordagem holística e pretendemos trabalhar com a criança de uma forma natural e complementar ao seu tratamento médico.

Tratamento de Reiki para crianças hiperactivas

Reiki não funciona segundo fórmulas matemáticas ou químicas. A energia é ainda algo de muito desconhecido para nós, pelo que temos que nos basear em muito do que o byosen (o sentir) e o Reiji-ho (a intuição) nos diz. A sensação aliada à intuição poderá indicar formas para o tratamento no momento. Não nos podemos esquecer de aliar os cinco princípios – só por hoje, por isso, cada tratamento é único, é para o momento, para o tratamento da causa e dos efeitos. Ao fazer um tratamento de Reiki para crianças hiperactivas, o terapeuta terá que estar com a sua percepção bem desenvolvida. «O que me transmitem as mãos em cada posição? O que há de ligação ou falta de ligação energética? Qual o chakra dominante na criança, qual o mais necessitado?»

Os cinco princípios

Reiki tem algo de fundamental que traz a verdadeira transformação – os cinco princípios. Partilhar estes princípios com a criança a ser tratada, poderá trazer toda uma nova comunicação e desenvolvimento terapêutico. Por exemplo, em cada sessão, trabalhar um princípio e dar esse princípio para ser trabalhado entre sessões, criativamente. Com desenhos, com formas, com o que a criança sentir. Para isto, também o terapeuta terá que já ter vivenciado os princípios e tido as suas experiências transformadoras.

Técnicas de reiki no tratamento

Além do byosen, a sensação das desarmonias e do reiji-ho, o trabalho da intuição, o terapeuta pode aplicar as seguintes técnicas, caso lhe façam sentido, no percurso terapêutico:

  • Nentatsu, para mudar os padrões de pensamento
  • Seiheki Chiryo, para trabalhar os aspectos emocionais
  • Hesso Chiryo, desintoxicação
  • Gedoku Chiryo, desintoxicação, harmonização.

Alguns pontos de tratamento específico

O terapeuta decidirá como realizar o tratamento dependendo da energia da criança, no momento. Cada sessão é única, cada terapeuta é único. Estes pontos podemos considerar como extra num tratamento completo.

  • Avaliar os canais energéticos, onde pode haver bloqueio, excesso ou mesmo interrupção?
  • Avaliar se há uma ligação correcta entre o chakra da coroa e cardíaco, se não houver, onde falta essa ligação?
  • Trabalhar o enraizamento na criança
  • Avaliar a tristeza e o seu poder pessoal
  • As cinco posições tradicionais do Mestre Usui, pois foca muito o tratamento da cabeça
  • Terceira visão
  • Coroa e terceira visão
  • Coroa e chakra cardíaco

tratamento da crianças com hiperactividade joão magalhães

A criança pode (deve) participar no tratamento, para isso, é imaginar como um rio que entra dentro dela e lhe traz serenidade, ou outras técnicas visuais que a poderão auxiliar-se a descontrair e a usufruir do tratamento. A criança deve também estar à vontade para falar, isso poderá ser perturbador para o terapeuta mas com a prática, o mesmo perceberá que a energia flui e que é importante a criança comunicar. Pode até ser desenvolvida uma história com a criança como a usada com o «Super Reikinho™»

Iniciar crianças hiperactivas no Reiki

Além do tratamento que pode ser feito através do Reiki, a aprendizagem deste Método de Cura Natural poderá ser uma grande mais valia para a criança e para os pais. Não porque o Reiki tenha alguma promessa de cura mas sim porque traz ferramentas de autocuidado e autoconsciência para a criança, toda uma outra dimensão para a sua vida que ajudará a ligar emoções e os vários aspectos da comunicação. . Qualquer Mestre pode sintonizar uma criança hiperactiva, o processo é o mesmo que para qualquer outra pessoa ou criança, no entanto, há sempre a sensibilidade, a capacidade de entendimento (mútuo), de sinergia e a forma de lidar com a criança. Mais importante ainda que a escolha do mestre é a própria escolha da criança. Quer mesmo aprender Reiki, para quê? A partir desse para quê e porquê, todo o trabalho pode ser feito de uma forma completamente diferente. Apesar de haver um défice de atenção, não existe défice de sensibilidade, esse por vezes está ainda mais acentuado.

O autotratamento

Geralmente, após um curso de Reiki, o praticante deve realizar 21 dias de autotratamento. Muitos praticantes não o conseguem fazer pelas actividades exigentes do dia, por não estarem devidamente motivados, outros por talvez não compreenderem a importância do cuidado a si mesmas e o impacto positivo que terá na sua vida. Numa criança hiperactiva, não podemos esperar que estejam 20 a 40 minutos sentados sossegados a fazer todas as posições. Por isso temos que ser criativos. O autotratamento de Reiki não é obrigatório mas é ele que nos traz harmonia em todos os corpos – físico, emocional, mental e espiritual. Ele mostra-nos onde estão os nossos desequilíbrios e traz-nos a possibilidade de nos tratarmos ou procurarmos um outro tratamento, reconhecendo as nossas debilidades. No caso de uma criança com hiperactividade poderá trazer-lhe alguns benefícios, tais como:

  • Maior foco, capacidade de concentração – ao estar centrado no fluxo energético, ao trabalhar a sua harmonia, a criança sente, aprende sentir e a estar em equilíbrio;
  • Tranquilidade – Reiki harmoniza o que possa estar a criar uma sobre-excitação na criança;
  • Comunicação clara – ao trazer harmonia entre a sua mente e coração, a comunicação estará facilitada. Não esquecer, no entanto, que a comunicação é peculiar em cada pessoa e que nós temos também que saber escutar, de olhos e coração.

Técnicas de Reiki que podem ser ensinadas às crianças

Estas são apenas algumas técnicas simples que podem ser ensinadas:

  • Enraizamento – ajuda a estar no aqui e agora, no momento presente;
  • Banho seco – ajuda a remover o excesso de energia no corpo e ligações supérfluas;
  • Nentatsu – alcançar o pensamento positivo.

Dêem também algum crédito à capacidade de realização das crianças, 2 minutos de prática deles pode exceder os nossos 10 minutos. Passo a passo, estarão a criar gosto, vontade e transformação em si mesmos, apenas precisam compreender porquê. Experimentem realizar estas técnicas em locais diferentes, não forcem, não façam com que isto pareça uma obrigação mas sim uma brincadeira inteligente, sensível.

A família é importante neste processo terapêutico. O seu bem-estar e equilíbrio irão influenciar a criança, a sua capacidade de também dialogar com Reiki é importante.

A família é importante neste processo terapêutico. O seu bem-estar e equilíbrio irão influenciar a criança, a sua capacidade de também dialogar com Reiki é importante.

Não esquecer dos pais

Integrar os pais nos tratamentos de Reiki (ou até na aprendizagem) poderá ser importante. Por um lado, compreenderão a dimensão que está a ser tratada no seu filho, por outro lado, estarão também a harmonizar todo o desgaste, muitas vezes impensável, ao qual estão submetidos. A aprendizagem de Reiki poderá ajudar na integração familiar, na capacidade de reacção positiva às situações de hiperactividade além com a capacidade de autocura, autotratamento, poderão praticar em conjunto, auxiliar nas dúvidas ou ainda, participar no percurso terapêutico colocando também as mãos na criança para que atinja harmonia.