Porque as medicinas alternativas e terapias complementares não são aceites

Medicina é só uma, pode é ter várias abordagens e processos terapêuticos. O cuidado da pessoa para a manutenção e recuperação da saúde é uma preocupação que devia estar nos objectivos de governos, instituições e profissionais.

Podemos invocar a Organização Mundial da Saúde e os encontros que realizam para uma tentativa de harmonização das abordagens mas o facto é que em Portugal se vive uma realidade completamente diferente e as medicinas alternativas e terapias complementares não encontram ainda o seu momento de harmonia e realização.

Quem já é aceite, coloca-se num patamar superior e pretende desligar-se de tudo o resto que lhe possa tirar credibilidade. Quem não é aceite, muitas vezes dá tiros nos pés.

Num Portugal onde títulos e muito papel impresso conta, onde o interesse é misturado com curta visão, sentimentalismo exacerbado e falta de unidade, torna-se difícil de fazer o que for de forma séria para que se tente chegar a um equilíbrio entre todos os profissionais.

Geralmente costumamos “copiar” as coisas de fora, mal ou bem, mas neste caso nem nos aproximamos disso e muitos procuram decretos-lei que apenas vão levar a cursos universitários e reconhecimento de alguns. Em países como a Alemanha, França, Suiça e Reino Unido, para falarmos da Europa, as práticas de terapias complementares e sabedorias tradicionais são aceites e algumas até têm comparticipação nos seguros de saúde. Precisaram de regulamentações intrincadas? Não mas pedem garantias como, por exemplo, o número de horas de prática, o registo numa associação que garanta a auto-regulamentação.

Não nos podemos nunca esquecer que um reconhecimento oficial ou certificado, não é prova de profissionalismo ou de saber cuidar e isso é-nos mostrado todos os dias.

reiki_volunteer

Falando em concreto de Reiki, como terapia complementar e integrativa, podíamos ter todo um caminho muito mais facilitado se seguíssemos os princípios que nos foram legados por Mikao Usui. Façamos uma reflexão:

Só por hoje – conseguimos estar centrados na prática de Reiki e conseguimos demonstrar Reiki sem um conjunto de acessórios, mistificações e crendices que são próprios da pessoa e não da prática?

Sou calmo – na expectativa que temos em alcançar reconhecimento, sabemos ter uma postura ponderada, pensando em todas as situações e tentando chegar a um acordo que seja benéfico para todos?

Sou grato – agradecemos os entraves e desafios, aprendemos com as lições dos outros para conseguirmos crescer de forma harmoniosa e integrada?

Trabalho honestamente – profissionalmente praticamos Reiki? Sabemos ter uma atitude profissional para com os utentes, para com os colegas da mesma profissão e de outros sectores de saúde?

Sou bondoso – quando estamos a trabalhar para o reconhecimento do Reiki procuramos a união ou somente ver quem o faz? Somos capazes de pensar em todos os praticantes que optam por uma via profissional e na diversidade dos seus saberes e tempo de trabalho? Somos capazes de trabalhar para o que será mais importante, a saúde da população?

Muitas são as reflexões que podemos, devemos ter e sem dúvida alguma que os praticantes de Reiki deviam ter uma atitude absolutamente diferente, mais conciliadora e verdadeiramente integrativa. Se é necessário reconhecimento? Talvez não mas é sem dúvida preciso afirmar a prática, viver a prática e trabalhar para o que é mais importante – a saúde pública.

Se os profissionais não têm este sentido, então a população também não poderá auxiliar com uma perspectiva positiva da prática.

Fica uma entrevista do Dr. Pinto da Costa no “Bom dia Portugal”, sobre a Medicina Integrativa, que pode ser vista no minuto 25.

http://www.rtp.pt/play/p1396/e151980/bom-dia-portugal

medicina integrativa

1 thought on “Porque as medicinas alternativas e terapias complementares não são aceites”

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.