Reiki

A doação no Reiki

Quando falamos de amor incondicional, falamos de doação sem esperar receber, entrega livre.  Compreendendo a entrega que é necessária nesta prática, dizemos e sentimos que há e deve haver uma doação no Reiki.

Como surge a necessidade de doação no Reiki

Sentir Reiki, ou sentir até qualquer outra energia, requer de nós mente limpa e coração predisposto, ou seja, uma atenção plena sobre o que estamos a fazer, sem dispersão de pensamentos e uma vontade de receber, permitindo-nos sentir o que está a acontecer e de que forma acontece no nosso corpo.

Quando começamos a sentir aquilo que o Reiki faz quando inicia o nosso processo de equilíbrio e descobrimos a maravilha do fluir da energia podemos ter, naturalmente, uma vontade de partilhar com os outros esses benefícios que sentimos em nós. Mesmo a elevação da consciência que nos faz a prática dos cinco princípios, leva-nos a querer partilhar essa forma de estar e crescimento interior com os outros.

Assim, no Reiki, a doação surge com naturalidade pela própria necessidade que temos de saber receber.

A doação no Reiki e o problema da descompensação

Se estamos equilibrados, com mente e coração em uníssono, compreendendo os nossos limites e os dos outros, tudo corre bem. Se queremos dar (quase forçar) os outros a receber o que achamos ser bom, se procuramos um obrigado, uma satisfação, uma cura, então as coisas podem correr mal.

O efeito da descompensação também pode acontecer com a doação no Reiki pois faz parte da nossa humanidade e das construções que fomos criando ou nos foram cultivando. Para doar temos que nos entregar sem nos perdermos. A questão «será que estou preparado para dar aos outros, aquilo que eu ainda não tenho?» ou «conseguirei dar verdadeiramente sem esperar retribuição?» surge-nos, ou deve surgir, com frequência. Isto não é colocar uma barreira na dúvida, é sim crescer questionando a nossa própria capacidade e estado de mente e coração. Quando em honestidade (o quarto princípio) sentimos que ainda não temos em nós, a 100%, a capacidade de doar mas mesmo assim doamos, então estamos a construir a nossa personalidade e a desenvolver a arte da doação. Esperar por estar 100% de algo, é adiar permanentemente a nossa evolução e o que podemos fazer de bem pelos outros. No entanto, devemos saber lidar com as nossas descompensações naturais.

Por exemplo, se a pessoa diz que nada sentiu depois de tudo o que sentimos e trabalhamos com Reiki, devemos encarar esse processo com naturalidade pois nem todas as pessoas conseguem compreender o que é o sentir interior ou conseguem descodificar o que se passou nesse tempo. Como comparação, é o mesmo que pedir a alguém para fechar os olhos e perguntar o que viu – muitos dizem que nada viram mas, na verdade, algo se passou, apenas não souberam descodificar.

A descompensação deve ser encarada com bondade (quinto princípio) e confiança (segundo princípio) de que seremos capazes de a ir transformando, passo a passo.

Crescer com amor incondicional

Este trabalho de doação faz-nos crescer um valor incrível – o amor incondicional. Amor incondicional é um conceito, um sentimento que temos, é interior e faz com que do nosso coração brote a capacidade de chegar ao outro, de o amar (respeitar) sem fronteiras. Não é o amor de uma relação conjugal de que se fala mas sim o amor que devia unir a humanidade e todos os seres vivos – a plena compreensão da nossa importância e valor, o respeito por tudo o que é vivo, por toda a existência. Amor incondicional é respeito profundo e reconhecimento dos outros em nós e de nós nos outros.

Deixar fluir Reiki é também um acto doação e uma vontade de receber

Quando nos ligamos ao Reiki, temos que deixar que ele flua para nós. Flui como um rio constante e belo que dá asas ao nosso coração. Essas asas são as mãos. Tudo começa com a vontade de receber, de saber receber e, só assim, conseguimos chegar à doação.

Esta doação é também para nós próprios. Doar Reiki ao meu fígado, doar Reiki a emoções, doar Reiki a situações, ou seja, deixar fluir com amor incondicional uma energia que harmoniza e cura os meus vários corpos e situações que criei ou nas quais eu vivo. Quando permitimos que isto aconteça, então tudo começa a fazer um outro sentido e encontramos na doação uma expressão de todo o nosso ser. Começamos a compreender que o amor incondicional está presente em todos os nossos corpos, o respeito e doação está no corpo físico, mental, emocional e espiritual, não apenas compartimentado numa acção como o Reiki. Começamos a chegar ao outro, totalmente, assim como o Reiki chega a nós, totalmente.

Vale a pena compreender como sentimos o receber do Reiki e de que forma nos permitimos doar aos outros. O Reiki traz-nos felicidade quando nos conhecemos melhor e compreendemos as transformações que fazemos na nossa consciência. Tudo se reflecte na nossa vida e, por consequência, na vida de todos.

Designer, Mestre, Terapeuta de Reiki, Presidente da Associação Portuguesa de Reiki e fundador da Ser - Cooperativa de Solidariedade Social. Autor dos livros «Reiki Guia para uma Vida Feliz», «O Grande Livro do Reiki», «Reiki Usui», entre muitos outros. Fundador da revista "Budismo, uma resposta ao sofrimento". Acima de tudo quero partilhar contigo o porquê de Reiki ser a «Arte Secreta de Convidar a Felicidade».

2 comentários

  • Filomena Isidoro

    Reiki é um caminho que nos faz descobrir o verdadeiro amor incondicional .Abraçando-nos para abraçarmos o outro <3 Grata Joao Magalhaes

  • Ritamar

    Adoro seus posts. Quem sabe você lança seus livros à venda no site Amazon? Assm teríamos acesso a seus livros!!!
    Grande abraço de Luz!!

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.