A energia é um tema que permeia muitas áreas de cuidados de saúde complementares, incluindo Reiki. Por razões históricas e emocionais, duas palavras-chave não têm sido mencionadas na pesquisa académica: “energia” e “toque”. Por isso, não é de estranhar que a terapia Reiki tenha sido negligenciada pela corrente principal da ciência biomédica.

A imagem do Reiki está a mudar rapidamente por causa de pesquisas, estimulantes, em todo o mundo. A história de como os conceitos de “energia de cura” têm mudado de suspeição e ridicularização à respeitabilidade é uma das histórias mais fascinantes e clinicamente significativas que podem ser contadas .

Como em muitas outras áreas de investigação, o que estávamos absolutamente certos à cerca de 20 anos atrás, mudou dramaticamente. Por exemplo, em algumas décadas os cientistas passaram de uma convicção de que não existe tal coisa como um campo de energia em volta do corpo humano, a uma certeza absoluta de que ele existe. Além disso, nós começamos a entender os papéis dos campos de energia na saúde e na doença. A maioria das pessoas simplesmente não está ciente desta pesquisa e persistem na atitude de que não haver base lógica para a energia de cura.

A principal razão para a mudança de perspectiva é que os instrumentos sensíveis foram desenvolvidos que podem detectar os campos de energia no minuto em que ocorre mudança no corpo humano. De particular importância é o magnetómetro SQUID (1), que é capaz de detectar pequenos campos biomagnéticos associados com actividades fisiológicas no corpo. (Figura 1) Este é o mesmo campo que os indivíduos sensíveis têm descrito há milhares de anos, mas que os cientistas têm ignorado porque não havia nenhuma maneira objectiva de medir.

SQUIDB

Figura 1

Para resumir as descobertas que foram feitas, os editores de uma nova revista internacional encomendaram uma revisão do conceito de “energia de cura ” (2). Embora tenhamos pesquisado este tema durante cerca de 15 anos, a preparação de uma revisão em profundidade levou a um reexame aprofundado do assunto, com algumas conclusões inesperadas.

Para a maior parte, as descobertas fundamentais não estão a ser feitas por cientistas que estudam métodos como Reiki , TT e HT . Em vez disso, os cientistas tradicionais, seguindo a lógica habitual e métodos científicos, começaram a esclarecer os papéis de vários tipos de energia no processo de cicatrização. Daí a imagem que está a emergir ter os mesmos fundamentos científicos que fundamentam a medicina clínica moderna. Para mais detalhes, consulte os nossos artigos publicados (3).

O campo de energia humano

Tem sido desde há muito conhecido que as actividades das células e dos tecidos geram campos eléctricos que podem ser detectados na superfície da pele. Mas as leis da física dizem que qualquer corrente eléctrica gera um campo magnético correspondente no espaço circundante. Uma vez que estes campos eram muito pequenos para serem detectados, os biólogos assumiram que não poderiam ter significado fisiológico.

A imagem começou a mudar em 1963. Gerhard Baule e Richard McFee do Departamento de Engenharia Eléctrica da Universidade de Syracuse, Syracuse, NY detectaram o campo biomagnético projectado a partir do coração humano. Eles utilizaram duas bobinas, cada um com 2 milhões de voltas de fio, conectado a um amplificador sensível.

Em 1970, David Cohen, do MIT, usando um magnetómetro SQUID , confirmou as medições cardíacas. Em 1972, Cohen tinha melhorado a sensibilidade de seu instrumento, permitindo-lhe medir os campos magnéticos ao redor da cabeça produzidos por actividades cerebrais.

Posteriormente, descobriu-se que todos os tecidos e órgãos produzem pulsações magnéticas específicas, que têm vindo a ser conhecidas como campos biomagnéticos. As gravações eléctricas tradicionais, como o electrocardiograma e eletroencefalograma, estão agora a ser complementados por gravações biomagnéticas, chamadas magnetocardiogramas e magnetoencefalogramas. Por várias razões, o mapeamento dos campos magnéticos no espaço em torno do corpo, muitas vezes fornece uma indicação mais precisa da fisiologia e da patologia do que as medições eléctricas tradicionais .

Patologia altera o campo biomagnético

Na década de 1920 e 1930, um pesquisador distinto na Faculdade de Medicina, Harold Saxon Burr, Universidade de Yale, sugeriu que as doenças poderiam ser detectadas no campo de energia do corpo antes que os sintomas físicos aparecessem. Além disso, Burr estava convencido de que as doenças poderiam ser evitadas alterando o campo de energia.

Estes conceitos estavam à frente do seu tempo mas, agora, estão a ser confirmados em laboratórios de investigação médica em todo o mundo. Os cientistas estão a usar instrumentos SQUID para mapear os caminhos das doenças que alteram os campos biomagnéticos em todo o corpo. Outros estão a aplicar campos magnéticos pulsantes para estimular a cicatrização. Mais uma vez, os indivíduos sensíveis têm descrito estes fenómenos há muito tempo, mas não havia nenhuma explicação lógica de como isso poderia acontecer.

Projecção de energia das mãos de cuidadores

No início dos anos 1980, o Dr. John Zimmerman começou uma série de importantes estudos sobre o toque terapêutico, usando um magnetómetro SQUID, na Universidade de Colorado, Escola de Medicina, em Denver. Zimmerman descobriu que um enorme campo biomagnético pulsante emanava das mãos de um praticante de TT. A frequência das pulsações não é constante mas são “varreduras” para cima e para baixo de 0,3 a 30 Hz (ciclos por segundo), com a maioria da actividade na faixa de 7-8 Hz ( Figura 2). As pulsações biomagnéticas das mãos estão na mesma faixa de frequência das ondas cerebrais e estudos científicos sobre as frequências necessárias para a cura indicam que elas naturalmente varrem para a frente e para trás através de toda a gama de frequências terapêuticas, sendo assim capaz de estimular a cura em qualquer parte do o corpo .

HealingFreqB

 

Figura 2.

A confirmação dos resultados de Zimmerman veio em 1992, quando Seto e os seus colegas, no Japão, estudaram praticantes de várias artes marciais e outros métodos de cura. A “emissão Qi” das mãos é tão forte que pode ser detectada com um magnetómetro simples que consiste em duas bobinas, de 80.000 voltas de fio. Desde então, uma série de estudos de praticantes de Qigong estenderam estas investigações para o som, luz e campos térmicos emitidos pelos “curadores”. O que é particularmente interessante é que a frequência de pulsação varia de momento para momento. Além disso, os pesquisadores médicos em desenvolvimento de terapias de campos magnéticos pulsantes estão a descobrir que estas mesmas frequências são eficazes para “ponto de partida” de cura numa variedade de tecidos moles e duros, mesmo em pacientes não curados por um período até 40 anos. Frequências específicas estimulam o crescimento de nervos, ossos, pele, capilares e ligamentos. Claro que os praticantes de Reiki e os seus pacientes têm experiências diárias do processo de cicatrização neste “ponto de partida” e a medicina académica está agora a começar a aceitar esta terapia como lógica e benéfica por causa dessas novas descobertas científicas. Na Figura 2 temos várias porções do sinal que correspondem às frequências utilizadas em dispositivos médicos que estimulam a cicatrização de determinados tecidos. Diferenças individuais na projecção de energia e detecção da mesma.

Para o estudo da projecção da energia das mãos do terapeuta, os cientistas precisam primeiro reconhecer que há grandes diferenças individuais entre as pessoas. A prática repetida de diferentes técnicas pode aumentar o efeito.

Há explicações neurofisiológicas e biofísicas, lógicas, para os papéis da prática e intenção. [Nota de Editor do conteúdo original: Seria interessante usar estas técnicas de detecção para medir o efeito de uma sintonização Reiki com a força e frequência das energias biomagnéticas provenientes das mãos e também para medir como frequências terapeuticas podem mudar quando é realizado o tratamento de várias condições do corpo. ]

Não é amplamente entendido que “ondas cerebrais” não estão confinadas ao cérebro mas que na verdade espalham-se por todo o corpo através do sistema perineural, as bainhas de tecido conjuntivo que cercam todos os nervos. O Dr. Robert O. Becker descreveu como este sistema, mais do que qualquer outro, regula os processos de reparação de lesões em todo o corpo. Assim todo o sistema nervoso funciona como uma “antena” para projectar as pulsações biomagnéticas que começam no cérebro, especificamente no tálamo.

Além disso, as ondas que começam como pulsações relativamente fracas no cérebro, parecem ganhar força à medida que fluem ao longo dos nervos periféricos para as mãos. O mecanismo desta amplificação envolve provavelmente o sistema perineural e os outros sistemas de tecidos conjuntivos, tais como a fáscia que estão intimamente associados a ele .

Conclusão

Neste breve resumo, mostrei como algumas das experiências de terapeutas energéticos têm uma base na biologia e física. Depois de séculos de negligência, terapias energéticas podem tomar o seu lugar apropriado na medicina clínica. As grandes descobertas de biólogos e de terapeutas corporais sensíveis estão a ser integradas para nos dar uma compreensão mais profunda da vida, da doença e da cura. A ciência não pode tirar o mistério final da vida, nem pode prejudicar a componente espiritual de cura. Acreditamos que a investigação sobre as terapias energéticas pode conduzir a um entendimento mais completo da vida, de doença e da cura .

Referências:

(1) SQUID é um acrónimo para Superconducting Quantum Interference Device .

(2) Jornal da carroçaria e terapias de movimento , Harcourt Brace & Co., Ltd. , Edimburgo.

(3) Uma lista de nossos artigos podem ser obtidos a partir da própria Associação de Pesquisa da Natureza , PO Box 5101 , Dover , NH 03821 , EUA, telefone, 603-742-3789 , fax 603-742 – 2592 ,

e- mail: JOschman@aol.com

Jim e Nora Oschman são directores da Nature’s Own Research Association em Dover, New Hampshire. Jim é um dos poucos cientistas académicos que se concentrou sobre a base científica para várias medicinas complementares ou alternativas. Jim e Nora têm escrito dezenas de artigos que descrevem os mecanismos fisiológicos e biofísicos envolvidos numa grande variedade de abordagens terapêuticas.

Tradução: João Magalhães
Fonte: Reiki.org