Serviço humano e serviço divino – reflexão de Sri Aurobindo

Sri Aurobindo Tao do ReikiQual o nosso propósito, motivo, de servir? Esta a questão que o yogui Sri Aurobindo (1872-1950) coloca, como reflexão. Será que antes de servir os outros não devia servir-me a mim mesmo com o mesmo espírito filantrópico?

SERVIÇO HUMANO E SERVIÇO DIVINO
Por Sri Aurobindo

Por que você quer servir à humanidade? Qual o seu propósito? Qual o seu motivo? Você sabe em que consiste o bem da humanidade? E você sabe melhor que a própria humanidade o que é bom para ela? Ou você sabe melhor que o Divino? Você diz que o Divino está em todo lugar, assim, se servir à humanidade, é ao Divino que você serve. Bem, se o Divino está em todo lugar, ele também está em você; portanto, a coisa melhor e mais lógica seria começar servindo a si mesmo.

Não há, então, nenhuma necessidade de serviço à humanidade? Hospitais, organizações assistenciais, instituições de caridade não têm sido úteis à humanidade? O espírito de filantropia não consertou e melhorou as condições da vida humana?

Foi assim, pergunto eu? Você tentou ajudar algumas pessoas aqui e ali. Mas o que vale isso comparado ao que precisa ser feito? A proverbial gota no oceano ou até menos que isso! Você se lembra da história de São Vicente de Paula? Ele começou dando esmolas aos pobres. No primeiro dia havia dez, no segundo mais ou menos vinte, no terceiro mais que cinquenta e o número continuou aumentando mais do que uma progressão geométrica. E então, Colbert, o Ministro do Rei observou, vendo a situação do santo: “Nosso irmão parece que está gerando continuamente seus pobres”.

Não penso que o espírito de caridade tenha, de modo algum, melhorado as condições humanas. Não acho que o homem tenha se tornado mais ou menos sujeito a doenças e indigências do que antes. A caridade esteve sempre presente e a miséria sempre coexistiu com ela. Não penso que a proporção entre as duas tenha diminuído de modo algum. Você se lembra da observação irônica, mas pertinente, de alguém que disse, em vista das tentativas da ciência de curar e erradicar a miséria: “Os pobres filantropos estariam em triste situação, suas ocupações acabariam”. A verdadeira razão pela qual alguém deseja fazer caridade, está alhures: é para deleitar-se, é para sua própria satisfação. Fazer coisas o diverte, dá-lhe a sensação de que está fazendo algo, que é um membro valioso da humanidade, não como os outros, que você é alguém. Que outra coisa poderia ser, senão que você é vaidoso, cheio de auto-importância, cheio de si mesmo? Isto é o que tenho em mente quando digo que é a presunção ou o egoísmo que faz de você humanitário. É claro, se lhe agrada fazer o trabalho, se você sente-se feliz fazendo-o, tem toda a liberdade de fazê-lo e de continuar assim. Mas não imagine que está fazendo algum serviço real e efetivo para a humanidade, especialmente não imagine que com isso você está servindo a Deus, levando uma vida espiritual ou praticando Yoga.

Apenas uma ilustração da qualidade do espírito que anima o humanitarismo: um homem caridoso dá generosamente a uma causa conhecida, reconhecida, apreciada; será liberal se seu nome for vinculado ao trabalho, anunciado e apregoado, se isso lhe der fama. Mas peça-lhe uma doação para algo genuíno, comparativamente modesto ou fora do comum, algo que seja verdadeiramente espiritual e divino, e você verá os cordões de sua bolsa se estreitarem, seu coração fechar-se. Uma dádiva que não traz importância para o doador, não tenta o humanitário comum. Existe, é verdade, uma outra categoria diferente de doadores, de uma espécie oposta, daqueles que querem precisamente conservar-se anônimos, dos que ficariam descontentes se seus nomes fossem anunciados. Mas o motivo aqui também não é muito diferente, é, de fato, o mesmo motivo agindo ao contrário, como se fosse para trás. Aí existe um elemento adicional de auto glorificação: dá-se e não se sabe quem deu. E algo a mais para se ficar orgulhoso.

Você deve olhar-se dentro, questionar-se, antes de empreender qualquer coisa, e não fazê-lo simplesmente porque é a coisa normalmente feita. Você pode fazer bem aos outros, se souber qual é este bem e se possuí-lo dentro de si mesmo. Se quiser ajudar aos outros você deve estar num nível superior ao deles. Se estiver em pé de igualdade com eles, no mesmo plano, em natureza e consciência, que pode você fazer, a não ser partilhar de sua ignorância e de movimentos cegos e perpetuá-los? Assim, acontece que, realmente, a primeira coisa a fazer, é servir a si mesmo.

Você fará uma descoberta notável quando começar a saber o que você é e quem você é. É assim que deveria principiar: “Quero servir à humanidade. Como posso eu servi-la? Quem é este “eu” que quer servir?” Você diz: “Eu sou esta pessoa, esta forma e este nome”. Mas a forma que você é agora, não é aquela que você tinha quando era um bebê. Ela está mudando constantemente. Todos os elementos de seu corpo estão sendo completamente renovados. Nem as suas impressões e sentimentos são aqueles que você tinha há poucos anos atrás. Seus pensamentos e ideias sofreram revoluções. O “eu” cobre uma soma de fatores sempre mutáveis. Não há nada especialmente para ser chamado de “eu”, é apenas um círculo de mudanças. Um nome vazio parece ser a única coisa constante. Um elemento, num certo momento, vem à frente — uma ideia, um sentimento, um impulso — e isso é seu “eu” por um momento. Num outro momento, um outro elemento surge e se torna seu “eu”. Você não é um “eu” único, mas uma multidão de muitos “eus”. Portanto, que valor tem a afirmação de que um destes “eus” encontrou o alvo, a verdade, o dever que você tem que seguir? E se você prosseguir mais além, questionando-se e analisando-se completa e sinceramente, tropeçará na realidade. Você descobrirá que o “eu” não existe de modo algum. O que existe é alguma coisa mais: é a realidade indivisível, o Divino apenas.

É esta auto descoberta que lhe dará o conhecimento básico, a fundação de sua vida, a descoberta de que seu “eu”, como você mesmo, não existe; na verdade você não é nada. Este sentido de nulidade deve permear seu ser, encher todos os elementos de seu ser, antes que a verdade possa raiar em você e a Presença Divina possa ser sentida. E o que você tem feito todo o tempo é exatamente o contrário, afirmando seu egoísmo, sua vaidade, pretendendo que você seja alguém que possa fazer algo, que o mundo precisa de sua ajuda e que você tem a possibilidade de dar esta ajuda. Nada disso. Quando você descobre esta verdade e a aceita, quando é humilde e, em verdadeira humildade, se acerca da vida e da realidade, você encontrará sua verdadeira carreira e vocação.

Num sentido mais profundo é, na verdade, servindo a si mesmo que você serve melhor aos outros. Quando você descobre um ponto escuro em si, um grão de egoísmo, de ambição, de amor próprio, quando você não cede a seu impulso, mas supera-o, quando conquista em si um movimento que o levaria a se extraviar, nesse mesmo gesto, você faz a conquista em benefício dos outros também, cria a mesma possibilidade nos outros. Não pode haver nada mais dinâmico do que esta colocação do exemplo pessoal. Não é para que os outros o observem e o imitem; a influência é mais sutil e mais poderosa. Você cria a oportunidade, faz a abertura, traz a força de sua realização para o jogo ativo, mesmo sem o conhecimento dos outros. E eles são beneficiados unicamente pela ajuda invisível que lhes é prestada. Mas você deve também tomar cuidado aí. Não deve dizer: “Devo melhorar-me para ajudar aos outros”. Não deve haver o mais leve vestígio desse espírito de intercâmbio ou barganha. Limite-se à sua própria vida; como os outros são ou não afetados, não é da sua conta. Se você abrigar esta espécie de ideia, estará convidando a mesma vaidade e egoísmo pela porta traseira. Sua vida deveria ser como o desabrochar de uma flor que floresce pela própria alegria da autorealização. No processo, pelo simples fato de existir, espalha seu perfume à volta, enche os arredores com sua vibração alegre. Mas isto simplesmente acontece, não se faz com um propósito ou intencionalmente. Do mesmo modo, procede a alma que se aperfeiçoa: a vitória que ela ganha para si é contagiosa, e se expande automaticamente.

Disse que seu ego é uma ilusão. Seu “eu” não existe em absoluto. Não há nada como individualidades distintas e separadas e realização individual. Somente o Divino existe e a Vontade Divina. Ele é a realidade solitária e única e omni-abarcante. O que é então a fonte desta variedade e diversidade de existências? Qual é a significação, se existe alguma, das várias individualidades e personalidades, seu aparecimento e desempenho no palco do mundo?

Esta é uma outra história. Deixo-a para uma outra ocasião.”

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.