O Tao do Reiki

A autoconsciência no Reiki

Muitos praticantes de Reiki iniciam o caminho para poder cuidar do outro, para tratar um familiar, um amigo, para se colocarem ao serviço. Ao longo do tempo apercebem-se que, afinal, o Reiki pede que se tratem deles mesmos em primeiro lugar e que além do tratamento, precisam ainda da sua própria transformação interior – da mudança de padrões.

Ao deixarmos a energia fluir para dentro de nós, sentimos algo invulgar mas próximo. Um conforto e ao mesmo tempo uma sabedoria interior que ressoa com o universo. Sentimos a gratidão pelos princípios e pela energia e isso muda e aumenta a nossa autoconsciência.

Na autoconsciência quem sou eu…?

Um homem perturbado aproximou-se do mestre zen.
“Por favor, Mestre, sinto-me perdido, desesperado. Eu não sei quem eu sou.
Por favor, mostre-me o meu verdadeiro eu! “
Mas o mestre apenas desviou o olhar sem responder.
O homem começou a suplicar e implorar, mas ainda assim o mestre não deu nenhuma resposta.
Finalmente, dando-se em frustração, o homem virou-se para sair.
Naquele momento, o mestre o chamou pelo nome.
“Sim!” o homem disse que ele girou de volta.
“Aí está!” exclamou o mestre.

Este conto zen explica de forma muito simples como por vezes a nossa mente, ou mesmo o ego, tanto procura saber quem “eu sou”, esquecendo-se de quem já é. Complicamos, isso sim.

Na prática dos cinco princípios, tão simples e directos, encontramos a orientação, o silêncio, a resposta para “quem sou eu?”. Isto porque leva-nos no caminho do satori, da iluminação, como dizia o Mestre Usui.

Encontro-me no silêncio dos meus pensamentos, na ausência do meu ego. Nesse todo, vazio, sei que sou. Aqui se assume a autoconsciência.

Sair de mim para o outro e voltar do outro para mim

Já no caminho da autoconsciência, vislumbrando quem eu sou, consigo sair de mim e ir para o outro. Assim como consigo voltar do outro para mim, seguro que não perco a minha identidade. No poema “o espelho”, o Imperador Meiji leva-nos a reflectir nesta transacção.

125 – O Espelho
Devo polir o meu eu
Mais e mais
Para usar o claro
E brilhante coração dos outros
Como um espelho

O espelho sou eu, o meu coração, ele espelhará mais brilhantemente o coração dos outros quando está limpo, iluminado. Tal acontece quando me conheço e me predisponho. Só por hoje, confio, que todos os dias polirei mais o meu eu, aceitando as adversidades internas e externas. É esse o Tao do Reiki, o caminho que nos leva ao satori.

Toda a prática de Reiki, independentemente de sistemas ou Mestres, leva-nos a apreciar, vislumbrar esse caminho. Resta a cada um de nós decidir o que vai fazer perante o convite à felicidade.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.