O Tao do Reiki
Reiki,  Tao

A autoconsciência no Reiki

Muitos praticantes de Reiki iniciam o caminho para poder cuidar do outro, para tratar um familiar, um amigo, para se colocarem ao serviço. Ao longo do tempo apercebem-se que, afinal, o Reiki pede que se tratem deles mesmos em primeiro lugar e que além do tratamento, precisam ainda da sua própria transformação interior – da mudança de padrões.

Ao deixarmos a energia fluir para dentro de nós, sentimos algo invulgar mas próximo. Um conforto e ao mesmo tempo uma sabedoria interior que ressoa com o universo. Sentimos a gratidão pelos princípios e pela energia e isso muda e aumenta a nossa autoconsciência.

Na autoconsciência quem sou eu…?

Um homem perturbado aproximou-se do mestre zen.
“Por favor, Mestre, sinto-me perdido, desesperado. Eu não sei quem eu sou.
Por favor, mostre-me o meu verdadeiro eu! “
Mas o mestre apenas desviou o olhar sem responder.
O homem começou a suplicar e implorar, mas ainda assim o mestre não deu nenhuma resposta.
Finalmente, dando-se em frustração, o homem virou-se para sair.
Naquele momento, o mestre o chamou pelo nome.
“Sim!” o homem disse que ele girou de volta.
“Aí está!” exclamou o mestre.

Este conto zen explica de forma muito simples como por vezes a nossa mente, ou mesmo o ego, tanto procura saber quem “eu sou”, esquecendo-se de quem já é. Complicamos, isso sim.

Na prática dos cinco princípios, tão simples e directos, encontramos a orientação, o silêncio, a resposta para “quem sou eu?”. Isto porque leva-nos no caminho do satori, da iluminação, como dizia o Mestre Usui.

Encontro-me no silêncio dos meus pensamentos, na ausência do meu ego. Nesse todo, vazio, sei que sou. Aqui se assume a autoconsciência.

Sair de mim para o outro e voltar do outro para mim

Já no caminho da autoconsciência, vislumbrando quem eu sou, consigo sair de mim e ir para o outro. Assim como consigo voltar do outro para mim, seguro que não perco a minha identidade. No poema “o espelho”, o Imperador Meiji leva-nos a reflectir nesta transacção.

125 – O Espelho
Devo polir o meu eu
Mais e mais
Para usar o claro
E brilhante coração dos outros
Como um espelho

O espelho sou eu, o meu coração, ele espelhará mais brilhantemente o coração dos outros quando está limpo, iluminado. Tal acontece quando me conheço e me predisponho. Só por hoje, confio, que todos os dias polirei mais o meu eu, aceitando as adversidades internas e externas. É esse o Tao do Reiki, o caminho que nos leva ao satori.

Toda a prática de Reiki, independentemente de sistemas ou Mestres, leva-nos a apreciar, vislumbrar esse caminho. Resta a cada um de nós decidir o que vai fazer perante o convite à felicidade.

Sou Designer, Mestre, Terapeuta de Reiki, Presidente da Associação Portuguesa de Reiki e fundador da Ser - Cooperativa de Solidariedade Social Autor dos livros «Reiki Guia para uma Vida Feliz», «O Grande Livro do Reiki», «Reiki Usui», entre muitos outros. Fundador da revista "Budismo, uma resposta ao sofrimento". Acima de tudo quero partilhar contigo o porquê de Reiki ser a «Arte Secreta de Convidar a Felicidade».

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.